Luiz Henrique Uaquim – Foto: Google

A falência do estado da Bahia não tem nada a ver com pandemia, mas, com a incompetência administrativa implantada pelo governo petista, assim, os municípios baianos que adotaram os mesmos procedimentos, amargam uma crise sem precedentes, diante das grandes responsabilidades com os serviços públicos básicos, e recorrentes, em sua esmagadora maioria num modelo incompetente de administrar, as prefeituras estão encurraladas por suas folhas de pagamento.

Não sendo capazes de cumprir as suas promessas de campanha, alguns prefeitos se veem assumindo o ônus de suas péssimas administrações, via de regra. Em ILHEUS, que podia ser diferente, um farto potencial turístico foi preterido e relegado a segundo plano. A cultura cacaueira não recebeu qualquer tipo de socorro, e isso não é de hoje, o que a poderia tornar mais uma opção de alavancar a geração de emprego e renda. A incompetência e a ganância de norte a sul, jogaram pelo ralo riquezas incomensuráveis, que bem poderiam ter desenhado uma melhor conjuntura para todos.

Enfim, o viver de repasses e convênios, sem ações de desenvolvimento local, custará caro a todos nós.

Luiz Uaquim