Esse menino amarelo está vendo passar um filme, até engraçado, diante de seus olhos.

Durante 8 anos, o antigo Colégio General Osório, onde funcionava a Biblioteca Pública Municipal e o Arquivo Municipal, foi sendo abandonado, e esvaindo-se em negligencia.

Seu acervo, tanto de arquivo e de biblioteca, como também o de movelaria, ninguém sabe por onde anda.

Até Ação Civil Pública o Governo Municipal responde por isso.

Agora, no apagar das luzes desse Governo, burlescamente o Teatro Popular de Ilhéus, é chamado para aceitar essa ‘dádiva’.

Um frisson percorre o meio artístico, cultural e até jurídico, pela pretensa doação.

O menino amarelo, na sua inocência pergunta:

– Sendo o Teatro Popular de Ilhéus, uma instituição particular, quem vai entrar com o dinheiro, para transformar aquele imóvel depredado nessa quimera que se anuncia?