WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia



AS PÉROLAS CONTINUAM SENDO CULTIVADAS

O entusiasmo deixa o queixo mole, e a língua solta.

 O novo fórum de Ilhéus será construído na zona sul e receberá investimentos de 18 milhões de reais. A obra atende a uma reivindicação antiga de juízes, promotores, advogados e população em geral que passará a contar com um equipamento muito mais moderno.

 

http://www.blogdogusmao.com.br/2019/02/12/jantar-oferecido-por-marao-ao-presidente-do-tjba-apavora-servidores-afastados/

Bolsonaro deve deixar o hospital no início da tarde

Publicado em 13/02/2019 – 10:18

Por Fernanda Cruz e Andreia Verdélio – Repórteres da Agência Brasil  São Paulo e Brasília

O presidente Jair Bolsonaro deve receber alta hoje (13) e deixar o Hospital Albert Einstein, na capital paulista, no início da tarde, informou o vice-presidente Hamilton Mourão. “No início da tarde está retornando, recuperado, capacitado e em condições de dirigir com mão firme e determinação todas essas tarefas que colocamos pela frente”, disse Mourão.

Segundo a assessoria de imprensa da Presidência, o presidente acordou bem e comeu, no café da manhã, um minipão francês, dois biscoitos de água e sal e uma fruta cozida.

Segundo o último boletim médico, de ontem (12) à noite, o presidente mantém boa evolução clínica, está afebril, sem dor abdominal e com o quadro pulmonar em resolução.

Bolsonaro está internado desde o dia 27 de janeiro, para a retirada a bolsa de colostomia e reconstrução do trânsito intestinal.

O vice-presidente participou nesta quarta-feira do Seminário de Abertura do Ano de 2019, promovido pela Revista Voto, em parceria com a Financial Times, em Brasília. O evento debate os rumos da economia e as perspectivas sobre a retomada de investimentos no país.

Matéria alterada às 10h41 para acréscimo de informações

Saiba mais

Edição: Graça Adjuto

Um novo TUP em Salvador?

A Agência Nacional de Transportes Terrestres (Antaq) está apta a receber até o próximo dia 10 de março pedidos de autorização para construção e exploração de instalação portuária privada na região geográfica do município de Salvador, capital da Bahia. A região conta, atualmente, com três portos públicos – Aratu, Ilhéus e Salvador – administrados pela Companhia Docas do Estado da Bahia (Codeba), com o terminal portuário privado Cotegipe e vive a expectativa com a implantação do Porto Sul, empreendimento cuja implantação se arrasta há mais de 10 anos.

 

Bobinas umbilicais

Operação de cabos umbilicais – Imagem: MFX do Brasil

 

Leia também
TUP – Terminal de Uso Privado, o que é?
Freddy Bussinger: Brasil está limitado aos TUPs “dedicados”

Conforme apurou o Portogente, a empresa que requisitou a abertura do procedimento é a MFX do Brasil – Equipamentos de Petróleo. A companhia tem intenções de construir um pequeno terminal de uso privado (TUP) na Rodovia BA-528 para movimentar bobinas de cabos umbilicais. A expectativa é de realizar a operação marítima por meio de balsas.

De acordo com o Extrato do Instrumento Convocatório nº 2/2019, o requerimento da MFX ensejou a abertura do presente anúncio público, bem como de seu instrumento convocatório. Todas as informações estão disponíveis no link “Anúncios Públicos” no site da Antaq.

Embora os TUPs sejam responsáveis por operar mais de 65% das cargas que passam pela costa brasileira, a maior parte desse volume está concentrada na logística de minério de ferro. O Poder Público precisa incentivar a criação e a diversificação de terminais e melhorar a logística rodoviária de acessos aos portos brasileiros, sob pena de o Brasil continuar perdendo competitividade no comércio internacional.

ESTÁ PRÓXIMO O FINAL DAS FARRAS COM O DINHEIRO PÚBLICO.

Bem pertinho de acontecer, em alguns casos já começou.

Lei Rouanet, Funai, Incra, Movimentos, Ongs ambientalistas e indigenistas, e por aí vai.

Um método do FBI é:  SIGA O DINHEIRO!

 

 

Presidente do Incra: Retirar ‘gema ruim’ sem quebrar o ‘ovo’

General Jesus Corrêa afirma que órgão trabalhará com cautela para realizar medidas corretivas sem ‘atropelo ou estresse institucional’

Tânia Monteiro 

10 FEV2019

18h37

atualizado às 19h17

Indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para comandar o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), o general do Exército Jesus Corrêa disse ao Estado que vai adotar no órgão responsável por executar a reforma agrária e o ordenamento fundiário nacional o modelo de retirar a “gema ruim” sem quebrar o “ovo”.

“Se a gente tiver de tirar dali uma gema que está estragada, se for de forma precipitada, vai quebrar o ovo”, afirmou. De forma cautelosa, o novo presidente do Incra afirmou que todos os processos serão analisados, incluindo distribuição de títulos, para que o governo tome medidas corretivas, mas “sem atropelo ou estresse institucional”. De acordo com o general, a negociação no Incra agora será direta, sem intermediários.

General Jesus Corrêa Foto: Agência Brasil

Tem alguma meta de assentamentos neste ano?

Há uma concreta intenção por parte do governo de dar celeridade ao processo de titularização. Então, os títulos de terra, que têm de ser distribuídos, que estão com seu processo em andamento, a intenção do governo Jair Bolsonaro é tocar isso aí para frente. O resto, vou tomar conhecimento esta semana, inclusive das diretrizes a serem emanadas pelo Ministério da Agricultura [órgão ao qual o Incra está atualmente subordinado].

O governo vai checar e revisar repasses irregulares de terras de assentamento para terceiros ou fazendeiros?

Essas práticas indevidas que podem estar sendo levadas a cabo deverão ser verificadas para que possamos adotar procedimentos cabíveis, tudo dentro da lei, tomando como referência a legislação que sustenta o procedimento de demarcação de terras, separação das terras, distribuição e titularização e as verificações cabíveis caso algo esteja ocorrendo de forma incorreta. Tudo isso, eu vou, de fato, buscar me assenhorar assim que eu assumir as funções.

Vai ter uma investigação em relação às fraudes de repasse de títulos de terra?

O que posso adiantar é que cada setor que tem responsabilidade dentro do Incra deverá apresentar a situação da condução da sua atividade. Esse é um dos temas que será abordado: como está sendo feita a distribuição dos títulos e se existe algum processo viciado ou com problemas que requeiram a gente tomar alguma medida corretiva. Dentro do diagnóstico, para verificar cada ponto que precisará ser atacado e tudo dentro de uma progressividade de atuação para poder ser feito tudo, dentro do tempo certo, sem atropelo ou estresse institucional.

Se tem de ser feita alguma coisa, se alguma medida tem de ser adotada, com relação a algo que vá bem ou algo que não vá bem, principalmente aquilo que não está indo bem. Sempre tive na minha cabeça que quando trabalho em uma estrutura institucional – eu comandei regiões militares, que são órgãos sensíveis dentro do Exército – a regra é a gente, se ter de tirar a gema do ovo, ela vai ser retirada sem quebrar o ovo.

Então, se alguma coisa tiver de ser feita, a instituição tem de continuar saudável, tem de continuar com a sua personalidade preservada, com a sua credibilidade. Então, se a gente tiver de tirar dali uma gema que está estragada, se for de forma precipitada, vai quebrar o ovo. Se tiver de fazer alguma coisa, a gente vai tirar a gema do ovo ruim, mas o ovo será preservado.

Quem recebeu a terra do governo e a vendou indevidamente será enquadrado na forma da lei?

Se há um ato jurídico perfeito que está com respaldo das leis, é algo que vai ser observado dentro da legalidade. Mas aquilo que for ilegal, terá de ser apurado como ilegalidade. É dentro desse escopo. E o setor jurídico especifico do Incra tem condições de apresentar as orientações sobre o que deverá ser feito. Diante do problema verificar qual a forma de abordá-lo, tudo dentro do chapéu da Constituição e das leis, do Estatuto da terra e das medidas que fazem parte da sistemática desenvolvida pelo Incra.

Punição seria reverter a terra para o Estado?

No momento, não posso fazer uma abordagem dentro dessa ótica porque tenho de verificar quais são as providências cabíveis a serem tomadas em cada caso.

A farra dos sem-terra acabou neste governo, como disse o secretário especial de Assuntos Fundiários, Luiz Antônio Nabhan Garcia ao Estado?

Não entro nesta seara do que foi dito pelo secretário. O secretário tem autoridade para expressar seu pensamento. Nós vamos trabalhar dentro das diretrizes que recebermos do governo federal, do presidente Jair Bolsonaro, do Ministério da Agricultura. Tudo isso vai ser colocado neste chapéu do governo federal para que a gente faça aquilo que temos de fazer, com tranquilidade, dentro da lei e dentro do que o governo federal se propõe que é estabelecer a justiça no campo, a justiça social, que é um dos objetivos principais do governo do presidente Jair Bolsonaro.

O governo federal vai aceitar invasão de terra?

Atos ilegais, o governo vai considerar como atos ilegais. Esta é uma prática de qualquer governo. Faz parte do governo ele ser o guardião da lei e da ordem. O governo vai atuar de acordo com aquilo que lhe faz parecer juridicamente correto, no momento certo. Disso não tenho a menor dúvida.

Qual será a sua relação com MST? O sr. vai receber o MST?

O que posso adiantar, dentro da minha ótica, e da ótica do governo, pelo menos o que tenho acompanhado até agora, a ideia é que mantenhamos o diálogo com aquelas entidades que possuam existência e identidade jurídica. Para uma possibilidade de interlocução, julgo imperativo que essa entidade considerada não esteja à margem da lei.

Então, essa fotografia nós vamos tomar para verificar com quem poderemos falar ou não, se é juridicamente representada ou não. Essa vai ser a linha. Se tiver algum movimento social ou alguma organização não governamental que esteja com essa situação condizente, nós poderemos conversar, mas vai depender de como a coisa vai acontecer.

Teme que haja aumento de invasões em contraponto ao governo?

Não acredito que este artifício venha a ser utilizado principalmente porque o governo está pretendendo realizar ações de amplo espectro social. Se isso realmente vier a acontecer é algo que vai ter de ser analisado no momento oportuno.

Terá alguma ação voltada aos que estão às margens das estradas?

Vamos buscar o contato direto com aquele que é o necessitado, que está precisando ser assentado, sem intermediários. Essa é uma diretriz. Algumas reuniões têm sido promovidos pelo governo federal com os interessados, como aconteceu com indígenas na sexta-feira, com a presença da Funai. É a ideia de fazer o contato para dar celeridade ao processo, ao mesmo tempo que querermos verificar as diversas a realidades do País. Queremos buscar este canal direto para dar prioridade aos processos pendentes e ver os que são prioritários.

O sr. está falando muito em canal direto. A ideia é que não se aceite intermediação de qualquer movimento?

A ideia é realmente nós falarmos direto com quem realmente está sendo afetado. Movimentos e ONGs normalmente acabam sendo um intermediário entre o governo e aqueles que necessitam de uma ação mais célere.

Intermediário maléfico ou benéfico?

Vai depender. É como eu disse anteriormente, aquelas instituições com representação jurídica estão dentro da lei serão consideradas como portadoras de legitimidade jurídica para poder conversar conosco.

O MST é uma instituição que não tem CNPJ. O sr. não vai falar com o MST?

Reafirmo que a entidade que tiver representatividade jurídica, que nós possamos ter a interlocução, nós vamos conversar. Se no futuro movimento A, movimento B ou movimento C, tiver condição jurídica que possa sentar à mesa para que possamos conversar, que ele tenha responsabilidade jurídica e aja dentro da lei, não há nenhum impedimento, a gente conversa. Dentro de uma democracia e dentro das orientações que o governo federal tem estabelecido, a ideia é um amplo diálogo para que a gente possa agir dentro do que a nossa população espera.

O sr. não quer responder ao MST?

Não. No momento, ainda não assumi, não tenho agenda perfeitamente definida. Minha ideia é me prender àquilo que é a razão do Incra, dentro da sua plenitude.

Invasões de terra não serão toleradas?

Essa pergunta tem de ser direcionada a todas as autoridades do governo federal porque uma invasão de terra é um ato que afronta contra a propriedade. Temos de colocar isso dentro do que prescreve a Constituição Federal na hora que protege a propriedade e as medidas decorrentes dependendo de onde isso aconteça, as medidas de caráter federal ou estadual são várias. Não é uma responsabilidade unilateral de um órgão ou outro. Impõe aí a participação de vários setores, não necessariamente em relação ao Incra.

Fala-se que o Incra está tomado por influência político-partidária. O sr. vai fazer um pente fino nisso?

Já há uma diretriz do presidente Jair Bolsonaro quanto à maneira de conduzir todos os processos no governo federal, que batem de frente o que a senhora acabou de colocar. Quando eu assumir a função, esse assunto será analisado e vai ter a atenção devida, junto com as demais autoridades, que têm de participar da solução. As soluções precisam ser conjuntas envolvendo todos os setores.

O sr. pretende chegar fazendo uma “limpeza” no Incra?

Não digo isso. Minha maneira de proceder durante toda minha vida profissional sempre foi de conduzir os processos com harmonia. Aquilo que tem de ser feito eu sempre procurei fazer e não gosto de ficar fazendo estardalhaço, alardeando. Minha postura sempre foi discreta. Sempre comandei e conduzi meu trabalho evitando a personalização das realizações.

Pretendo ouvir as pessoas que vão trabalhar comigo, verificar o que está acontecendo, ver as medidas que precisam ser tomadas, e aquilo que a gente tiver de adotar como procedimento, com tranquilidade, vamos ir implementando porque há muita coisa a ser feita em qualquer instituição que a gente vá trabalhar. Essas realizações, dentro da minha ótica, dentro da maneira como procurarei conduzir as minhas ações, acontecerão numa progressividade e no tempo certo. Não tenho a menor intenção de sair atropelando o processo ou mesmo quererendo trabalhar sob a égide de uma espada na cabeça das pessoas. Eu não trabalho dessa forma.

Isso não quer dizer que o sr. fará o que tiver de ser feito no Incra?

Pode ter certeza absoluta que a minha intenção é realmente cumprir a missão que deverei receber, que é conduzir o Incra dentro da normalidade processualística interna de seu pessoal, que se espera de conduta do seu pessoal, que se espera do presidente, do povo e por parte de todos. Isso é líquido e certo.

Sem influencia político-partidária?

Procuraremos conduzir dentro das diretrizes do governo, tendo a independência para trabalhar. Não quero usar expressão sem influência política. Porque sabemos que muitas articulações acontecem. No entanto, existe uma orientação do presidente, e por mim será observada. Meu farol será a diretriz do presidente em relação a essas questões que a senhora está abordando. Estarei trabalhando alinhado e sob o comando do governo federal, alinhado com os objetivos que o governo federal estabelecer para a autarquia, independente de qualquer outra situação. Vou empreender o que receber como diretriz.

O sr. não responde se o órgão funcionará sem interferência partidária?

Minha resposta é: vou trabalhar de acordo com a diretriz que foi estabelecida pelo presidente Jair Bolsonaro em relação a este assunto. O que me foi passado em relação a esta questão, eu creio que foi o que o presidente vem falando desde a campanha, e vem realizando.

O presidente tem dito que os órgãos federais têm de ter os cargos ocupados por questões técnicas e não politico-partidárias.

Exatamente esta é a diretriz nas qual eu me amarrarei.

Evitar indústrias de multa nas rodovias

A Arteris Via Paulista está iniciando a operação de lombadas eletrônicas nas pistas de cobrança automática das três praças de pedágio sob sua administração. Desde 2017, é concessionaria dos 285 quilômetros do sistema de rodovias na região de Araraquara, no interior do estado de São Paulo. Portogente sempre esteve atento ao processo eletrônico de controle de velocidade e da cobrança dos pedágios, nas rodovias. E a possibilidade de aumentar o número de multas preocupa os usuários dessas estradas.

 

Foto: Agência Fiep

 

Leia também
* Pedagiamento eletrônico em São Paulo

:: LEIA MAIS »

DEMITIDOS PELO PREFEITO MÁRIO ALEXANDRE, A LUTA CONTINUA.

Demitidos de Ilhéus em luta recebem cestas básicas doadas à campanha deflagrada para aliviar os problemas causados pelo decreto do prefeito Mário Alexandre que, há um mês, demitiu quase 300 servidores admitidos legalmente entre 1983 e 1988, em um ato considerado injusto pelos sindicatos locais.

Eles distribuíram, nesta semana, mais um lote de cestas básicas aos servidores mais vulneráveis economicamente. Os demitidos aguardam o julgamento de um recurso, no Tribunal de Justiça da Bahia, contra a decisão do juiz Alex Venicius Miranda.

Foi com base na decisão da 1ª Vara da Fazenda Pública de Ilhéus que o prefeito promoveu a demissão em massa, protegendo e mantendo nos cargos um grupo de mais de 100 servidores na mesma situação dos demitidos.

Sem palavra

Uma semana antes de assinar o decreto, Mário Alexandre tinha se comprometido a não afastar ninguém até o último recurso judicial possível. “ o decreto do prefeito tem vários erros,” afirma Osman Nogueira, presidente da APPI/APLB.

“Dentre eles, afastou pessoas reintegradas pela Justiça do Trabalho, sindicalistas com direito à imunidade e funcionários que já haviam aderido ao Plano de Demissão Voluntária (PDV). Os equívocos deram origem a recursos administrativos já protocolados”.

A campanha de arrecadação de alimentos é coordenada pelo Sinsepi, APPI\APLB, Sindguarda e Sindiacs\ACE, diante da situação de necessidade a que foram relegados os servidores demitidos depois de mais de 33 anos de serviço público.

Nos últimos dias, a ação de solidariedade ganhou a adesão da subseção da OAB de Ilhéus. Segundo a professora Enilda Mendonça, a campanha tem recebido o apoio da população e de empresários locais.

Traumas psicológicos

“Além de lutar na Justiça pela reintegração dos servidores aos postos de trabalho, as entidades sindicais recolhem cestas básicas de alimentos para assistir a dezenas de servidores que estão em dificuldades para a sobrevivência”.

Osman salienta que os problemas enfrentados pelos servidores demitidos não se restringem a alimentos, mas também a situações críticas de saúde, como depressão, crises de ansiedade, hipertensão, entre outras.

“O responsável é o prefeito Marão, por ter jogado os servidores nesse estado de miséria. Mas a luta continua em defesa da dignidade do trabalhador”. A campanha conta com postos de coleta de doações na sede da APPI\APLB, no Malhado, e no Sinsepi, no Centro. 

Bolsonaro concede indulto a presos com doenças graves

Medida também beneficia detentos em estado terminal

Publicado em 09/02/2019 – 16:09

Por Luciano Nascimento – Repórter da Agência Brasil  Brasília

O presidente Jair Bolsonaro assinou decreto de indulto para conceder liberdade a presos portadores de doenças graves e em estado terminal. Assinado ontem (8), o decreto será publicado na edição desta segunda-feira (11) do Diário Oficial da União.

O texto prevê indulto nos seguintes casos: paraplegia, tetraplegia ou cegueira adquirida posteriormente à prática do delito ou dele consequente. A condição precisa ser comprovada por laudo médico oficial ou por médico designado pelo juiz executor da pena. Também foram beneficiados os presos com doenças permanentes que imponham limitação de atividade e que exijam cuidados contínuos que não possam ser prestados no estabelecimento penal.

Portadores de doença grave, de câncer ou de aids também receberão o indulto, desde que em estágio terminal. A partir da publicação do decreto, caberá ao juiz do processo conceder ou rejeitar o perdão da pena. A medida será aplicada após o juiz ouvir o Ministério Público (MP) e a defesa do condenado, na hipótese de condenado primário, desde que não haja recurso da sentença interposto pela acusação.

Restrições

O decreto tem restrições. Está proibido o indulto a condenados por corrupção (ativa e passiva), crimes hediondos, de tortura e tráfico de drogas. Também não serão libertados presos condenados por crimes cometidos com grave violência contra pessoa, por envolvimento com organizações criminosas, terrorismo, violação e assédio sexual.

Outros crimes não contemplados no decreto são estupro de vulnerável, corrupção de menores, satisfação de lascívia mediante presença de criança ou adolescente e favorecimento da prostituição ou de outra forma de exploração sexual de criança ou adolescente ou de vulnerável.

O decreto proíbe ainda o indulto aos condenados por peculato, concussão e tráfico de influência. A medida também exclui aqueles que tiveram a pena privativa de liberdade substituída por restritiva de direitos ou multa, que tiveram suspensão condicional do processo e nos casos em que a acusação recorreu após o julgamento em segunda instância.

Lista

A lista das pessoas que entram nos requisitos deverá ser encaminhada à Defensoria Pública, ao MP, ao Conselho Penitenciário e ao juízo da execução pela autoridade que detiver a custódia dos presos.

De acordo com o texto, caberá ao condenado, a seu representante, ao cônjuge, companheiro, ascendente, descendente ou à sua defesa dar início ao procedimento. O indulto tramitará de ofício, quando os órgãos de execução penal não se manifestarem.

Bolsonaro assinou o decreto no Hospital Albert Einstein, em São Paulo. Ele está internado no local desde o dia 28 em razão de uma cirurgia para retirar bolsa de colostomia e religar o intestino.

Edição: Wellton Máximo

PÉROLA DA SEMANA

A Prefeitura de Ilhéus publicou uma nota oficial informando que a Polícia Federal fez diligências periciais em diversos setores da administração municipal nos últimos três dias. Segundo a Procuradoria-Geral do Município, o perito apreendeu documentos “fornecidos espontaneamente” pela prefeitura.

Bolsonaro acorda bem e não tem compromissos para o fim de semana

Publicado em 09/02/2019 – 11:43

Por Daniel Mello – Repórter da Agência Brasil  São Paulo

O presidente Jair Bolsonaro acordou sentindo-se bem na manhã de hoje (9). Segundo a assessoria de imprensa da Presidência, ele comeu uma gelatina e tomou um chá como primeira refeição do dia. Ainda no final da manhã, o presidente deve fazer uma caminhada e exercícios de fisioterapia. Bolsonaro não tem compromissos agendados para o fim de semana.

Ontem (8) foi feita a retirada do dreno e da sonda nasogátrica. O dreno havia sido colocado no seu abdômen há quatro dias para retirada de líquido acumulado próximo ao local onde estava ligada a bolsa de colostomia.

A melhora do quadro intestinal e a boa aceitação da dieta líquida possibilitaram a retirada da sonda nasogástrica, segundo o Hospital Israelita Albert Einstein, onde o presidente permanece internado, na Unidade Semi-Intensiva. Ele está acompanhado da esposa Michelle e do filho Carlos.

Saiba mais

Edição: Juliana Andrade

Prefeitura diz que pediu interdição do CT do Flamengo em 2017

Centros de Treinamento do Vasco e do Fluminense também não têm alvará

Publicado em 08/02/2019 – 21:59

Por Douglas Corrêa – Repórter da Agência Brasil  Rio de Janeiro

A prefeitura do Rio informou hoje (8) que emitiu um edital de interdição do Centro de Treinamento (CT)  do Flamengo no dia 20 de outubro de 2017. Na madrugada desta sexta-feira, dez atletas das categorias de base do time morreram em um incêndio no CT . O município informou também que, por não possuir alvará de funcionamento, a Secretaria de Fazenda lavrou quase 30 autos de infração contra o Clube de Regatas do Flamengo em pouco mais de um ano.

O Centro de Treinamento do Vasco da Gama e do Fluminense Futebol Clube também funcionam sem alvará de licenciamento para edificações, segundo a prefeitura.

Segundo a nota da prefeitura, o Centro de Treinamento George Helal, conhecido como Ninho do Urubu, tem a atual licença com validade até o dia 30 de março deste ano. A área de alojamento dos atletas das categorias de base, distribuída em seis contêineres, totalmente destruídos pelo incêndio, “não consta do último projeto aprovado pela área de licenciamento, em 5 de abril de 2018, como edificada”. 

A prefeitura explica que, em nenhum pedido feito pelo Flamengo, existe a presença de um alojamento na área. No projeto protocolado na Secretaria de Urbanismo, “a área está descrita como um estacionamento de veículos e não como um alojamento de atletas de base do clube”.

A nota esclarece que não há registros de novo pedido de licenciamento da área para uso de dormitórios e que na área de alvará de funcionamento há registro de pedido de setembro de 2017. A consulta prévia foi deferida pela prefeitura, mas exigidos, conforme determina a legislação, os documentos necessários para a obtenção do alvará de funcionamento, “mas o certificado de aprovação do Corpo de Bombeiros não foi apresentado, portanto, o alvará não foi concedido”.

A prefeitura diz ainda que “diante de tudo acima listado, o município vai determinar a abertura de um processo de investigação para apurar as responsabilidades no caso do incêndio ocorrido hoje”.

Vasco

Na nota, a prefeitura do Rio diz que não existe registro de pedido de licenciamento para edificações para o Centro de Treinamento do Vasco da Gama, conhecido como CT das Vargens, localizado na Vargem Grande. O que existe é um pedido de licenciamento de um loteamento feito em 2014. 

“Do ponto de vista de alvará, não há registro de pedido de alvará para a unidade. Por conta disso, a Secretaria Municipal de Fazenda decidiu acionar as gerências responsáveis para realizar fiscalização e tomar as devidas providências legais”, diz a nota

Fluminense

Quanto ao Centro de Treinamento do Fluminense, conhecido como CT Pedro Antônio, instalado em Xerém, distrito de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, a prefeitura diz que existe um registro de licença de obras, com validade até 23 de outubro de 2019. 

O CT do Fluminense, segundo a nota, também não tem registro de pedido de alvará e a Secretaria Fazenda do Rio realizará fiscalização para tomar as medidas legais devidas. 

O Flamengo, Vasco e Fluminense foram procurados para comentar a nota da prefeitura mas, até a publicação da matéria, não retornam à reportagem.

Edição: Fábio Massalli

O VENENO DA NOITE!

Terra pra juntar gente besta pra fazer mimimi.

Parece até coisa séria…

MERENDA, CALOTE E PASTEL DE CABELO….===>>> 12-02-2014

Receita do pastel com cerveja é segredo do chef americano Mark Zable

Existia numa cidade no litoral de Sergipe, no setor de merenda escolar, um esquema de ‘negócios’ e ‘negocinhos’, comandados ambos, por uma aparentada de um poderoso e ‘honesto’ parlamentar.

A coisa funcionava mais ou menos assim. Em conluio com a secretário de finanças, seguravam os processos de pagamentos dos fornecedores, até que ele falasse ‘inglês’.

Depois iam comemorar em motéis o rachuncho do apurado, entre fartas degustações de rosquinhas e pasteis de cabelo.

Talvez por isso, faltava merenda e o dinheiro sumia. E os fornecedores que não eram poliglotas, seguravam o calote….

Fuck Me, oh yes !!!!

NEM PRA COPIAR A PREFEITURA DE ILHÉUS PRESTA. MOBILIDADE E SUSTENTABILIDADE.

Caxias do Sul foi a primeira cidade brasileira a implantar os pontos de ônibus ecológicos, que deixam a cidade mais bonita e ainda proporciona conforto térmico para quem está esperando a condução.

Ilhéus foi a segunda…

 

UMA EXCELENTE OPÇÃO DE ATENDIMENTO MÉDICO EM ILHÉUS.

A população, ao invés de ficar desesperada batendo perna a procura de atendimento médico, pode agora ser atendida no Vida Memorial Serviços de Saúde, bem no centro, ao lado do terminal urbano.

Bem estruturado com médicos e medicamentos, aparelhagem moderna, fica bem accessível ao povo. Foi recentemente reforçado financeiramente pela Prefeitura de Ilhéus.

 



anuncie aqui

nao basta

Webtiva.com // webdesign da Bahia
fevereiro 2019
D S T Q Q S S
« jan    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
2425262728  


WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia