WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

:: ‘Soberania nacional’

Oposição e ONGs tentam usar o STF para impor ‘plano Lula’ ao governo Bolsonaro

Grupo omite que desmatamento de 2019 foi menos da metade do auge no governo Lula

Querem usar o STF em um golpe para obrigar o governo federal a seguir o Plano de Ação para Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia Legal, criado pelas ONGs para o governo Lula e arrastado até o governo Temer. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

PT, PCdoB, PSB, Psol, PV, PDT e Rede, aliado do STF, se uniram a dez ONGs, incluindo estrangeiras, para na prática assumirem o governo.

Notícias Relacionadas

O grupo se aproveita da bandeira ambiental e aponta “tragédia” em 2019 e 2020. O auge do desmatamento, ignorado na ação, foi 1995 e 2004.

Em 2004, governo Lula, o auge da destruição da Amazônia registrou 27,8 mil km2 de desmatamento. A “tragédia” de 2019, teve 10,1 mil km2.

A Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) tem 153 páginas, dez das quais são usadas para “qualificar” as partes.

Bolsonaro lamenta declarações de Biden sobre Amazônia

Candidato fez declarações ontem durante debate com presidente Trump

Publicado em 30/09/2020 – 14:36 Por Andreia Verdélio – Repórter da Agência Brasil – Brasília

O presidente Jair Bolsonaro lamentou hoje (30) as declarações do candidato à presidência dos Estados Unidos, Joe Biden, sobre o desmatamento na Amazônia e afirmou que governo está realizando “ações sem precedentes” para proteger a floresta. “A cobiça de alguns países sobre a Amazônia é uma realidade. Contudo, a externação por alguém que disputa o comando de seu país sinaliza claramente abrir mão de uma convivência cordial e profícua”, escreveu Bolsonaro, em publicação nas redes sociais.

Na noite de ontem (30), ocorreu o primeiro debate entre Biden e o presidente Donald Trump, que tenta a reeleição em 3 de novembro. Biden acusou Trump de não usar sua influência para ajudar a defender a natureza e disse que, caso seja eleito, tentará reunir outros países para pagar ao Brasil US$ 20 bilhões pela conservação da floresta, sob a ameaça de impor sanções econômicas. Para o candidato, a floresta em pé é importante para a absorção de gases que causam o efeito estufa.

Para Bolsonaro, entretanto, a declaração foi gratuita e desastrosa, no momento em que ele, como chefe de Estado, “reabriu plenamente a sua diplomacia [do Brasil] com os Estados Unidos”. “Cooperação dos EUA é bem-vinda, inclusive para projetos de investimento sustentável que criem emprego digno para a população amazônica, tal como tenho conversado com o Presidente Trump”, escreveu.

O presidente brasileiro destacou ainda que a soberania brasileira sobre a Amazônia é inegociável.

Em declaração recente, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse que a política do governo federal visa manter a lógica da floresta em pé, promovendo atividades produtivas sustentáveis na região, e passa por agregar o setor privado, gerando mecanismos de mercado, seja na parte de clima, crédito de carbono ou florestas.

Edição: Maria Claudia

Irritado com ruído, embaixador suíço no Brasil diz que ‘não há leis neste País’

Embaixador do país europeu, Andrea Semadeni se irritou com barulhos no fim de semana

O Ministério das Relações Exteriores precisa sugerir ao embaixador da Suíça, Andrea Semadeni, que modere as manifestações de desagrado por estar no Brasil. Domingo (26) pela manhã, ele chamou a polícia contra o ruído de poda de árvores nas proximidades de sua casa, em Brasília. Quando policiais explicaram ao irritadiço diplomata que não dá para prender quem nada faz de ilegal, sua excelência perdeu a linha: “Neste País não há leis!”. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

A Lei do Silêncio que vigora em Brasília fixa os horários em que não se pode produzir ruídos. Após as 9h de domingo, pode.

Faria bem ao suíço ler sobre as regras da diplomacia, na Convenção de Viena. E descobrir que falar mal do Brasil é privativo de brasileiros.

Notícias  Relacionadas

Tentamos ouvir o embaixador sobre sua incontinência verbal, mas a assessoria negou que o fato, com várias testemunhas, tenha ocorrido.

 

DILMA ENTREGOU A AMAZÔNIA. E AGORA? DILMA PRECISA EXPLICAR AO BRASIL! ===>>> 19/10/2014

O PIOR dos motivos, que coloca os escândalos do  mensalão e Petrobrás como irrelevantes:  Dilma não retificou a OIT/ONU 169 até 24/07/2014  permitindo que a ONU futuramente divida a Amazônia em 216 Estados independentes do Brasil, podendo o povo residente no local e entorno  ser expulso, e perder sua nacionalidade:  http://mudancaedivergencia.blogspot.com.br/2014/05/o-brasil-corre-o-risco-de-perder-metade.html

O referido Decreto que internacionaliza a nossa Amazônia, foi assinado pelo Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, cujo prazo esgotou-se há poucos meses, e ninguém sabe da definição da  Presidenta Dilma.

Depois de ver a imagem das nossas riquezas que serão entregues de mão beijada à especulação e exploração internacional, clique aqui para ler o Decreto 5051/2004.

mapaROsolo

 

ESPAÇO DO LEITOR – Relato de um doutorando. É de ficar estarrecido ao se ler isso! ===>>> 06/12/2012

Segue abaixo o relato de uma pessoa conhecida e séria, que passou
recentemente em um concurso público federal e foi trabalhar em
Roraima. Trata- se de um Brasil que a gente não conhece.

As duas semanas em Manaus foram interessantes para conhecer um Brasil
um pouco diferente, mas chegando em Boa Vista (RR) não pude resistir a
fazer um relato das coisas que tenho visto e escutado por aqui.

Conversei com algumas pessoas nesses três dias, desde engenheiros até
pessoas com um mínimo de instrução.

Para começar, o mais difícil de encontrar por aqui é roraimense. Pra
falar a verdade, acho que a proporção de um roraimense para cada 10
pessoas é bem razoável, tem gaúcho, carioca, cearense, amazonense,
piauiense, maranhense e por aí vai. Portanto, falta uma identidade com
a terra.

Aqui não existem muitos meios de sobrevivência, ou a pessoa é
funcionária pública, (e aqui quase todo mundo é, pois em Boa Vista se
concentram todos os órgãos federais e estaduais de Roraima, além da
prefeitura é claro) ou a pessoa trabalha no comércio local ou recebe
ajuda de Programas do governo.

Não existe indústria de qualquer tipo. :: LEIA MAIS »

A AMAZÔNIA AINDA É NOSSA? SERÁ?

É ASSIM QUE SE ACABA COM O COMPLEXO DE VIRA-LATAS!

MERKEL E MACRON RECEBEM RESPOSTA IMEDIATA AO CRITICAREM O BRASIL NO G20 – NOTÍCIA

MST: atuação ilegal e doutrinação de crianças

Escola do MST na Bahia.

Por Francisco Gomes Machado – 16 de fevereiro de 2019

Unidade nacional ameaçada

A imprensa informa que Luiz Antonio Nabhan Garcia [foto abaixo],
Secretário Especial de Assuntos Fundiários do governo Bolsonaro,
pretende fechar escolas dirigidas pelo MST (Movimento dos
Trabalhadores Rurais Sem terra) por evidente doutrinação ideológica
feita nos locais.

Para Garcia, “não dá para o Brasil admitir em pleno século XXI
fabriquinhas de ditadores. Não dá para admitir escolas de marxistas,
de leninistas, de bolivarianos, que ensinam crianças a invadir e
cometer crimes. Vamos fechar as escolas e punir os responsáveis pela
doutrinação. Aliás, isso tem de ser qualificado como crime. Crime de
lesa-pátria”.

Ele acrescentou que “o MST é uma organização ilegal, não poderia estar
promovendo educação. É uma organização que não respeita a lei, não
respeita o estado democrático de direito e não respeita o direito à
propriedade. Uma organização que pratica o crime das invasões, de
vandalismo, de ameaça, de cárcere privado. Uma organização que tem
algumas lideranças envolvidas em crime de desvio de verba pública.
Como que, diante de tudo isso, essa gente pode criar escola? Eles não
estão qualificados para criar escola nenhuma. Usam de associações, de
subterfúgios, para ensinar princípios de ditaduras tiranas, como são
os casos de Cuba, Venezuela, Nicarágua”.1

Ressalte-se que o MST não possui CNPJ nem registro em nenhum cartório
do País, nem mesmo qualquer documento que o legitime. Causa
perplexidade o fato de que, nos governos do PT, o MST tenha sido
favorecido por abundantes recursos públicos, enquanto as crianças —
vulneráveis — eram doutrinadas ideologicamente no comunismo.

Em maio de 2000, o Conselho Nacional da Sociedade Brasileira de Defesa
da Tradição, Família e Propriedade (TFP), fundada e presidida pelo
Prof. Plinio Corrêa de Oliveira, em manifesto à Nação, intitulado “Em
defesa da unidade nacional ameaçada pelo MST”, já advertia sobre os
efeitos nocivos desse movimento marxista.

“O MST começou timidamente sua trajetória, no início dos anos 80, sob
patrocínio da ala dita ‘progressista’ do clero. E, até hoje, ‘padres e
Bispos dão uma ajuda inestimável às mobilizações dos sem-terra’”.(“O
Estado de S. Paulo”, 10-5-00). “A organização goza também do apoio de
políticos de esquerda e é fortemente bafejada por certa mídia”,
alertava o Manifesto da TFP.

“A TFP, sociedade civil formada por leigos católicos praticantes,
lamenta profundamente a parte que nisso tudo teve e tem a Comissão
Pastoral da Terra, braço da CNBB que favorece a revolução no campo. A
ponto de D. Tomás Balduíno, presidente da CPT, ter declarado que as
invasões de terra são ‘uma maneira sadia de se modificar a estrutura
fundiária nacional’” (“O Globo”, 9-5-00)”, prosseguia o Manifesto.2

Durante décadas, o MST, um movimento declaradamente subversivo, foi
financiado por volumosas verbas. A ponto de criar e manter escolas
para perversão intelectual de vulneráveis. Milhares de crianças foram
assim doutrinadas no marxismo, na subversão da ordem legal, com
pregação de invasão de propriedades etc.

Assim, é com alento e satisfação que os brasileiros tomaram
conhecimento da iniciativa benemérita do Secretário Especial de
Assuntos Fundiários do governo Bolsonaro, Luiz Antonio Nabhan Garcia,
que pretende, em defesa dos milhares de vulneráveis crianças, fechar
as ilegais escolas dirigidas pelo MST.

 

Notas:

https://veja.abril.com.br/brasil/nao-consigo-dormir-sem-uma-arma-diz-secretario-de-assuntos-fundiarios/
http://catolicismo.com.br/materia/materia.cfm/idmat/FC917DD7-AF62-DBCB-F5BBF39577D2643B/mes/Junho2000

O INCRA VAI SER ENQUADRADO.

Governo terá conselho para analisar demarcações de terras indígenas

Propostas são avaliadas por quatro ministérios

Publicado em 09/01/2019 – 10:55

Por Gilberto Costa – Repórter da Agência Brasil  Brasília

O governo iniciou a revisão da política de demarcações de terras indígenas. A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Tereza Cristina, se reuniu com os ministros Augusto Heleno (Segurança Insitucional), Ricardo Salles (Meio Ambiente) e Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos).

Eles trataram sobre a criação – por meio de decreto presidencial – de conselho interministerial que vai analisar demarcação fundiária em caso de terra indígena por meio de decreto presidencial.

A reunião foi ontem (8) à tarde. De acordo com a Fundação Nacional do Índio, atualmente existem 462 terras indígenas regularizadas em todo o país.

Essas áreas totalizam mais de 1 milhão de quilômetros quadrados (maior que a área do estado de Mato Grosso) e equivalem a de 12,2% do território nacional. Pouco mais de 50% das áreas estão localizadas na Amazônia Legal (54%).

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) defende que o governo adote novos critérios para a demarcação de terras indígenas. Há relatos de que as atuais normas geram insegurança jurídica por causa do marco temporal de reconhecimento de terras como remanescentes de indígenas e das condicionantes estabelecidas pelo Supremo Tribunal Federal (STF), em 2009, no julgamento da demarcação da terra indígena Raposa Serra do Sol, ao noroeste de Roraima.

Conforme o Artigo 21º da Medida Provisória 870/2019, de 1º de janeiro, sobre a organização básica dos órgãos da Presidência da República e dos ministérios, compete ao Mapa “reforma agrária, regularização fundiária de áreas rurais, Amazônia Legal, terras indígenas e quilombolas”.

Para o Conselho Indigenista Missionário (Cimi), ligado à Igreja Católica, o ideal é manter a demarcação de terras indígenas da Funai, sem transferência da atribuição para o Ministério da Agricultura, preservando o Artigo 6º da Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), subscrito pelo Brasil.

Saiba mais

Edição: Kleber Sampaio

DESCONSTRUINDO NARRATIVAS AMBIENTALISTAS

O novo Governo brasileiro, munido de todas as informações e monitorações, vai acabar com essa maracutaia ambientalista, indigenista, demarcações fajutas, onguistas e todo o aparato pseudo-ambientalista.

E acabar com o crime de lesa Pátria. Contrabando ou entrega dos minerais do nosso subsolo. 

 

A FARSA INDIGENISTA NO BRASIL


contador free

nao basta

Webtiva.com // webdesign da Bahia
dezembro 2020
D S T Q Q S S
« nov    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  


WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia