WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

:: ‘Saúde’

REUNIÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE DE ILHÉUS

Amanhã, 09/05, será realizada mais uma reunião do Conselho Municipal de Saúde de Ilhéus.

Muito importante a participação da Sociedade Civil Organizada, bem como de toda a população em geral.

Horário 14 horas na sede da Av. Canavieiras.

Quase mil cidades podem ter surto de dengue, zika e chikungunya – Ilhéus classificada em risco alto.

É o que revela levantamento do Ministério da Saúde

Publicado em 30/04/2019 – 13:44

Por Paula Laboissière – Repórter da Agência Brasil  Brasília

Brasília – Agentes de combate distribuem panfletos e conscientizam moradores de Brasilândia no Dia de Mobilização Nacional contra o Mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, chikungunya e do vírus Zika (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Novecentos e noventa e quatro municípios brasileiros apresentam alto índice de infestação pelo mosquito Aedes aegypti e podem registrar surtos de dengue, zika e chikungunya.

O número, de acordo com informações do Ministério da Saúde, representa 20% das 5.214 cidades que realizaram algum tipo de estudo que classifica o risco do aumento de doenças causadas pelo vetor.

O primeiro Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa) de 2019 revela que a incidência de casos de dengue no país entre janeiro e março subiu 339,9% em relação ao mesmo período de 2018.

Além da situação de risco, o estudo identificou 2.160 municípios em situação de alerta e 1.804 com índices considerados satisfatórios.

O ministério alertou hoje (30), em Brasília, para a necessidade de fortalecer ações de combate ao mosquito, mas avaliou que, mesmo com o aumento de casos de dengue, a taxa de incidência está dentro do esperado para o período e o país não está em situação de epidemia. O Ministério  da Saúde admite, entretanto, que podem haver epidemias localizadas de dengue em alguns municípios.

Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa)
Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa) – EBC

Capitais

Cinco capitais estão com índice de infestação considerado satisfatório: Boa Vista, João Pessoa, São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília.

Cuiabá está classificada como em risco e outras 16 capitais estão em alerta. São elas: Fortaleza, Porto Velho, Palmas, Salvador, Teresina, Recife, Belo Horizonte, Campo Grande, Vitória, São Luís, Belém, Macapá, Manaus, Maceió, Aracaju e Goiânia.

Natal, Porto Alegre e Curitiba realizaram levantamento por meio de metodologia diferente (armadilha), enquanto Florianópolis e Rio Branco não enviaram informações ao ministério sobre o índice de infestação ao governo federal.

Criadouros

O armazenamento de água no nível do solo (armazenamento doméstico), como em toneis e barris, foi o principal tipo de criadouro identificado no país, seguido por depósitos móveis, caracterizados por vasos e frascos com água, pratos e garrafas retornáveis. Por último, estão os depósitos encontrados em lixo, como recipientes plásticos, garrafas PET, latas, sucatas e entulhos de construção.

Dengue

Até 13 de abril de 2019, foram registrados 451.685 casos prováveis de dengue no Brasil contra 102.681 casos no ano passado. A incidência, que considera a proporção de casos em relação ao número de habitantes, tem taxa de 216,6 casos para cada 100 mil habitantes. O número de óbitos pela doença também teve aumento, de 186,3%, passando de 66 para 123 mortes.

Zika

Foram registrados ainda 3.085 casos de zika, com incidência de 1,5 caso para cada 100 mil habitantes. Em 2018, no mesmo período, foram identificados 3.001 casos prováveis da doença. Não há óbitos por zika contabilizados em 2019.

Chikungunya

Também houve 24.120 casos de chikungunya, com uma incidência de 11,6 casos para cada 100 mil habitantes. Em 2018, foram 37.874 casos – uma redução de 36,3%. Em 2019, não foram confirmados óbitos por Chikungunya no país.
O levantamento

O LIRAa é classificado pelo Ministério da Saúde como um instrumento fundamental para o controle do vetor e de doenças transmitidas por ele. Com base nas informações coletadas, o gestor pode identificar os bairros onde estão concentrados os focos de reprodução do mosquito, bem como o tipo de criadouro predominante.

O objetivo do levantamento é permitir que os municípios tenham melhores condições de fazer o planejamento das ações de combate e controle do mosquito. A lista completa de cidades que participaram do estudo pode ser acessada aqui.

Edição: Kleber Sampaio

COM UMA INTERNET ATIVA, NADA FICA NAS SOMBRAS POR MUITO TEMPO.

Agora, vai ter que aparecer, todo o processo de análise contas de 2017, incluindo o parecer pela aprovação das mesmas, apesar de 02 (duas) auditorias apontarem várias inconformidades no gasto de recursos públicos.

Tal parecer, necessita ser publicizado, para que a população em geral, tenha acesso.

Novo Código de Ética Médica entra em vigor na próxima terça-feira

Norma mantém autonomia do paciente, mas não regula telemedicina

Publicado em 23/04/2019 – 15:34

Por Paula Laboissière – Repórter da Agência Brasil  Brasília

Respeito à autonomia do paciente, inclusive aqueles em fase terminal; preservação do sigilo profissional; direito de exercer a profissão de acordo com a consciência; e possibilidade de recusa de atender em locais com condições precárias são alguns dos pontos previstos no novo Código de Ética Médica, apresentado hoje (23) pelo Conselho Federal de Medicina (CFM).

O documento é composto por 26 princípios listados como fundamentais para o exercício da medicina, além de cerca de 120 normas que condicionam infratores a penas disciplinares. O código atualizado entra em vigência na próxima terça-feira (30), 180 dias após sua publicação no Diário Oficial da União. A versão anterior vigorava desde abril de 2010.

O presidente do CFM, Carlos Vital, lembrou que foram quase três anos de discussões e análises. Para ele, os debates, abertos à participação da categoria por meio de entidades ou manifestação individual, permitiram modernizar o texto anterior, contemplando mudanças decorrentes de avanços científicos e tecnológicos e novos contextos na relação em sociedade.

O trabalho contou com a participação dos conselhos regionais de medicina, representantes de entidades e consultores especialistas das áreas de bioética, filosofia, ética médica e direito. Foram promovidos três encontros regionais e três nacionais para debater e deliberar sobre exclusão, alteração e adição de itens ao texto vigente

Novidades

Entre as novidades do novo código de ética está o respeito ao médico com deficiência ou doença crônica, assegurando ao profissional o direito de exercer as atividades nos limites de sua capacidade e sem colocar em risco a vida e a saúde de seus pacientes.

Telemedicina

Também ficou definido que o uso de mídias sociais pelos médicos será regulado por meio de resoluções específicas, o que valerá também para a oferta de serviços médicos a distância mediados por tecnologia. O novo código, portanto, transfere a regulação da chamada telemedicina para resoluções avulsas, passíveis de frequentes atualizações.

Pesquisas

No âmbito das pesquisas em medicina, o novo código prevê a criação de normas de proteção de participantes considerados vulneráveis, como menores de idade e pessoas com deficiência física ou intelectual. Quando houver situação de diminuição da capacidade do paciente de discernir, além do consentimento de seu representante legal, será necessário seu assentimento livre e esclarecido na medida de sua compreensão.

Placebo

Ainda no âmbito das pesquisas, o novo código permite os chamados placebos de mascaramento, mantendo a vedação ao uso de placebo isolado – quando não é usada nenhuma medicação eficaz. De acordo com o texto, fica vedado ao médico manter vínculo de qualquer natureza com pesquisas médicas em seres humanos que usem placebo de maneira isolada em experimentos, quando houver método profilático ou terapêutico eficaz.

Prontuário

As novas regras também autorizam o médico, quando requisitado judicialmente, a encaminhar cópias do prontuário de pacientes sob sua guarda diretamente ao juízo requisitante. No código anterior, o documento só poderia ser disponibilizado a um perito médico nomeado pelo juiz em questão.

Autonomia

Entre as diretrizes mantidas estão a consideração à autonomia do paciente, a preservação do sigilo médico-paciente e a proteção contra conflitos de interesse na atividade médica, de pesquisa e docência. Fica vedado ao médico desrespeitar o direito do paciente ou de seu representante legal de decidir livremente sobre a execução de práticas diagnósticas ou terapêuticas, salvo em caso de risco iminente de morte.

Dignidade

Em caso de situação clínica irreversível e terminal, o novo código estabelece que o médico evite a realização de procedimentos diagnósticos e terapêuticos considerados desnecessários e propicie aos pacientes sob sua atenção todos os cuidados paliativos apropriados.

Ato Médico

O código assegura a proibição à cobrança de honorários de pacientes assistidos em instituições que se destinam à prestação de serviços públicos; e reforça a necessidade de o médico denunciar aos conselhos regionais instituições públicas ou privadas que não ofereçam condições adequadas para o exercício profissional.

Edição: Lílian Beraldo

Santa Casa realiza mais um transplante de rim após o “Sim” de uma família

Raphael Abner o receptor.

O ‘Sim’ de mais uma família fez a diferença na vida de alguém. No dia 17/04, a Santa Casa de Misericórdia de Itabuna realizou um transplante renal. O receptor foi Raphael Abner, de 28 anos. Apesar de não ter conhecido a família do doador, o paciente ficou eternamente grato pelo ‘Sim’. “Para mim significa renascimento e esperança de viver mais com melhor qualidade de vida”, disse.

A Dona Selma, mãe do paciente, ficou muito feliz e agradecida, pois, já estava disposta a doar o rim para o filho, caso não surgisse um doador. “Agradeço a Deus e a essa família que doou. Através desse ato de amor eles conseguiram salvar a vida do meu filho, ainda mais no período de Páscoa”, falou. Raphael se recupera bem e daqui a dois dias deve receber alta para ir para casa.

A enfermeira do setor de transplantes da Santa Casa, Patrícia Betyar, reforçou a importância da doação que faz toda a diferença na vida de muitas pessoas. “Recebemos mais um ‘Sim’ de uma família. Isso para nós significa oferecer mais qualidade de vida para as pessoas que vivem na fila de espera da doação de órgãos”, concluiu.

UM NOVO PROBLEMA DE SAÚDE PARA ATORMENTAR A POPULAÇÃO?

PEDIDOS DE DOAÇÃO DE SANGUE NÃO DEVEM SER PRECARIZADOS

Sangue é vida. Sangue salva vidas.

Reclamações via WhatsApp chegam ao blog, dando conta do precário atendimento no banco de sangue de Ilhéus.

Depois das 15 horas horas são passados para o dia seguinte. O voluntario doador nem sempre tem horário disponível para a colheita.

Espaço aberto para explicações.

Rua Dom Manoel de Paiva – antiga Rua do Café.

ABELHUDO, CADÊ VOCÊ? ===>>> 25-10-2017

Abelhudo de Ilhéus

Tão ativo na administração passada. Que aconteceu?

Passaram manteiga no focinho do gato? Foi cooptado também? Tá comendo ‘merendinha’?



AS CLINICAS POPULARES JÁ FAZEM MUTIRÕES

Uma maneira de dizer que a Saúde Pública não funciona.

E por qual motivo exigir fotocopia do cartão do SUS?

 

 

Projetos da Sesab são apresentados à Comissão de Saúde da Assembleia

Sete novos hospitais, oito policlínicas e mais de 20 mil cirurgias realizadas de forma itinerante, contemplando moradores dos 417 municípios. Esta é uma pequena amostra das ações do Governo da Bahia na área da saúde entre os anos de 2015 e 2018, cujo investimento ultrapassou a casa dos R$ 20 bilhões em obras, serviços e recursos humanos, ao longo dos anos. E de acordo com o secretário da Saúde do Estado, Fábio Vilas-Boas, a perspectiva até 2022 é superar os números anteriores. A declaração ocorreu nesta terça-feira (19) durante uma apresentação para 15 deputados estaduais da Comissão de Saúde e Saneamento da Assembleia Legislativa da Bahia sobre os avanços e desafios da saúde pública.

“Se contabilizarmos apenas as obras em curso, teremos a entrega de novos hospitais ou ampliações em Lauro de Freitas, Feira de Santana, Irecê, Barreiras, Vitória da Conquista, Salvador, além de maternidades na capital, Ilhéus e Camaçari. Isso sem contabilizar 12 novas policlínicas e o Centro Integrado de Comando e Controle da Saúde, que abrigará a sede da Central Estadual de Regulação (CER)”, afirma o secretário.

Com o objetivo de descentralizar a assistência à saúde, o titular da pasta da Saúde destaca a implantação de 50 salas de telemedicina para diagnóstico de Infarto do Miocárdio, além de salas de atendimento ao portador de pé diabético nas cidades com mais de 30 mil habitantes. “Ainda teremos novas unidades de alta complexidade em oncologia nos municípios de Salvador, Irecê, Barreiras, Porto Seguro, Caetité, Juazeiro e Vitória da Conquista”, ressalta Vilas-Boas, ao pontuar ainda a implantação de serviços de hemodinâmica, cirurgia cardíaca e neurointervenção nas cidades de Ilhéus, Barreiras, Irecê e Porto Seguro.

Na capital está em construção o Centro Estadual de Referência para Anemia Falciforme e outras Hemoglobinopatias e será licitado o Centro Estadual de Referência para Hipertensão Arterial e Aterosclerose Avançada.

Regulação

Um dos temas de maior interesse dos parlamentares foi a regulação de pacientes. “A redução no tempo de resposta é o resultado mais visível, visto que 90% das solicitações são atendidas em até 48 horas”, destaca o secretário, ao demonstrar avanços nas áreas de cardiologia, ortopedia, neurologia e pediatria. “Tivemos uma queda de 71% no quantitativo de pacientes aguardando procedimentos ortopédicos, internação neurocirúrgica adulta e internação pediátrica. Também reduzimos em 68% o tempo de resposta para internação cirúrgica cardíaca e 54% para cirurgia vascular”, aponta Vilas-Boas, que credita ao governador Rui Costa a melhoria de todos os indicadores, fruto dos investimentos em hospitais, equipamentos, serviços e qualificação da gestão.

Somente em 2019 a CER atendeu mais de 40 mil solicitações e conseguiu reduzir para abaixo de mil o número de pacientes internados que aguardavam por um procedimento, sejam avaliações com especialistas, cirurgias ou exames. Na prática, isso significa que a meta de atender todas as solicitações em até 24 horas está cada vez mais próxima, visto que a capacidade diária é de, pelo menos, 500 pacientes.

O deputado estadual e presidente da Comissão de Saúde e Saneamento da Assembleia Legislativa, Alan Castro, disse estar surpreso com a evolução na saúde da Bahia. “A Central Estadual de Regulação está totalmente informatizada e com resolutividade em até dois dias. Isso se deve ao grande investimento do governador na área da saúde, com a abertura de mais de 1.000 leitos, inclusive de UTIs. Conhecia o secretário Fábio apenas como médico, mas vejo que ele é um grande administrador e a saúde é levada a sério”.

Já na avaliação do deputado José de Arimateia, “a apresentação foi muito importante e vimos que a Central de Regulação começa a funcionar plenamente e a melhorar. E as redes de atenção contra o infarto, AVC e Anemia Falciforme também são importantíssimas”, declara.

CLÍNICAS POPULARES – NOVA TREITA COM A POPULAÇÃO VULNERÁVEL

Clínicas privadas populares refletem naturalização da saúde como mercadoria | Jornal da USP

Novas regras de funcionamento para clínicas populares médicas | Cloudia

https://www.cloudia.com.br/novas-regras-clinicas-populares/

Imagem ilustrativa colhida no GOOGLE

ILHÉUS UM SHOPPING CENTER DA MEDICINA.

Pipocam pelos quatro cantos da cidade, novas Clínicas Médicas.

Duas coisas podem estar acontecendo:

A saúde pública não está funcionando a contento, ou os ‘sócios investidores’ encontraram um novo nicho de mercado.

Novo nicho de mercado da saúde.

Os prestadores do SUS, ainda não viram a cor do dinheiro em 2019.

contador free

nao basta

Webtiva.com // webdesign da Bahia
junho 2020
D S T Q Q S S
« maio    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  


WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia