WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
embasa

:: ‘Sarrafo’

Autópsias de Bergamo: O problema principal não era o coronavírus

Di Cesare Sacchetti

A verdade sobre o que realmente aconteceu em Bergamo no mês passado começa a emergir. O Dr. Giampaolo Palma, cardiologista com muitos anos de experiência e atualmente operando em um centro especializado em doenças cardiovasculares em Salerno, explicou cuidadosamente quais seriam as verdadeiras causas de morte para pacientes positivos da Covid.

A anomalia de mortes registradas na área de Bergamo não teria sido a conseqüência direta de uma pneumonia intersticial, mas o resultado de microtrombose venosa.

Depois de realizar várias autópsias em 50 cadáveres no hospital Papa Giovanni XXIII em Bergamo e outras 20 realizadas no Sacco em Milão, a comunidade médico-científica parece ter chegado a essa conclusão que muda completamente a narrativa que foi feita até agora.

Basicamente, os pacientes que morreram após uma infecção pelo Covid-19, excluindo outras doenças graves, sofreram as consequências dos primeiros diagnósticos errados.

O coronavírus não ataca os pulmões primeiro, mas afeta principalmente os vasos sanguíneos, impedindo o fluxo regular de sangue.

Seria, portanto, uma doença inflamatória vascular sistêmica.

É o próprio Dr. Palma quem explica como o vírus ataca o corpo de uma pessoa.

“Senhores, o Covid-19 danifica primeiramente os vasos, o sistema cardiovascular e, só então, atinge os pulmões! É a microtrombose venosa, não a pneumonia que determina a fatalidade!”

Se, portanto, o Covid afeta principalmente os vasos e o sistema circulatório, a dedução natural a seguir é que, substancialmente, é praticamente inútil ventilar artificialmente o paciente, se não até mesmo prejudicial, uma vez que os pulmões não recebem sangue suficiente.

“Se você ventila um pulmão onde o sangue não chega, é inútil! De fato, 9 em cada 10 pacientes morrem.”

Respiradores artificiais pioraram as coisas

O ponto da ventilação artificial é simplesmente fundamental. Toda a emergência foi provocada a princípio pelo fato de não haver vagas suficientes nas unidades de terapia intensiva em que os respiradores eram usados em pacientes com sintomas de Covid.

A ordem para ficar em casa emitida por todo o sistema nacional de saúde e pelo governo PD-M5S resultou substancialmente dessa suposição para evitar outras novas infecções e o consequente congestionamento da terapia intensiva.

Mas os respiradores artificiais não teriam resolvido o problema, pelo contrário, o teriam agravado.

As confirmações a esse respeito também vêm dos Estados Unidos.

Cameron Kyle-Sidell, médico do Maimonides Medical Center em Nova York, relata que o uso de respiradores artificiais levaria a uma deterioração da condição dos pacientes de Covid, resultando em sua conseqüente morte em 80% dos casos.

O motivo se deve ao fato de a pressão ventilatória nos pulmões de um paciente, que não apresenta pneumonia intersticial, cansaria o sistema respiratório e levaria a seu agravamento rápido.

O Dr. Kyle-Sidell chega a conclusões semelhantes às do Dr. Palma quando define o Covid-19 não como “pneumonia, mas como algum tipo de doença induzida por vírus”.

Mas a inflamação, como mencionado anteriormente, não ataca os pulmões, mas os vasos sanguíneos e é a partir deles que devemos começar para um diagnóstico correto, como explica o cardiologista.“Porque a inflamação, de acordo com o texto da escola, induz trombose através de um mecanismo fisiopatológico complexo, mas conhecido. Então? O que a literatura científica, especialmente a chinesa, dizia até meados de março, era que anti-inflamatórios não deveriam ser usados. Agora, na Itália, são usados anti-inflamatórios e antibióticos (como nas gripes) e o número de pacientes internados diminui.”

Os tromboembólios são, portanto, causados por inflamações que podem ser tratadas com medicamentos bastante baratos.

Acima de tudo, o ponto fundamental é que as internações hospitalares nesse caso são praticamente inúteis, se não contraproducentes, porque tiram camas de pacientes que mais precisariam de assistência hospitalar.

É o caso de pessoas que morreram de ataque cardíaco, cuja mortalidade praticamente triplicou desde que a emergência da Covid foi declarada.

Mas a conclusão mais chocante elaborada pelo Dr. Palma é esta.

“Porque o principal problema não é o vírus, mas a reação imune que destrói as células onde o vírus entra. De fato, em todas as repartições de Covid, os pacientes com artrite reumatóide nunca entraram e isso ocorre porque estão em terapia com cortisona”. O verdadeiro perigo, portanto, não viria da Covid, mas da inflamação do sistema imunológico que leva à destruição das células. O que o Dr. Palma alega parece já ter sido endossado por outros médicos que chegaram às mesmas conclusões.

A emergência do coronavírus serviu para estabelecer uma ditadura

Mas então, neste ponto, se o problema de toda essa emergência foi o diagnóstico e a terapia incorretos, a periculosidade do vírus basicamente desapareceu.Toda a mídia e o governo, com suas diversas e caras forças-tarefa, associaram imediatamente a causa das mortes ao coronavírus, sem nem mesmo saber o que realmente havia acontecido.

A esse respeito, pense na cena sombria dos caminhões militares em Bergamo que levaram os corpos de pessoas extintas para longe.

Foi transmitida a idéia de que os corpos dessas pessoas eram afetados por uma espécie de peste e que era necessário cremá-los o mais rápido possível. Mas a cremação limpa os vestígios e impede a autópsia, que esclarece as causas da morte.

Entre outras coisas, começaram a circular fotos falsas, mostrando uma fileira de caixões em uma sala que na verdade eram os caixões de migrantes que morreram em Lampedusa anos antes.

Tudo isso leva a dizer que em Bergamo havia uma vasta operação de terrorismo psicológico que tinha um objetivo: provocar um estado de completo choque e pânico na população.

Essas condições revelaram-se fundamentais para instaurar um clima de medo geral, de modo a motivar o estado policial em que a Itália se encontra. Se o Covid puder ser tratado em casa com medicamentos de custo muito baixo, fica claro que a emergência ao estado da arte não há.

Mantê-lo vivo é o pretexto para continuar a comprimir inaceitavelmente as liberdades pessoais dos cidadãos.

Da mesma forma, o mantra que se sairá da crise por meio de uma vacina é evidência da completa má-fé do governo e das grandes potências supranacionais que dirigem esse executivo fantasma.

A cura já foi encontrada. A imunização contra um vírus mutante seria completamente desnecessária e potencialmente prejudicial.

Outro aspecto relativo a Bergamo é precisamente o das vacinas.

Um estudo científico do Pentágono relatou que as vacinas aumentam o risco de infecção por coronavírus em 36%.

Se você for ver o número de vacinas realizadas na área de Bergamo, verá que houve uma imunização maciça desde novembro do ano passado contra influenza e meningococo.

Alguns meses depois, o coronavírus chegou e a máquina de terror começou.

Mas essa máquina evidentemente não tinha objetivo de proteger a saúde dos cidadãos.

Esta máquina queria alimentar a emergência para lançar a população italiana em um estado de caos.

Agora a verdade está emergindo e quem quer que a justiça seja feita às pessoas que morreram em Bergamo deve invocar a intervenção do judiciário.

Por negligência ou vontade política, é preciso entender o porquê e quem provocou essas mortes.

Essas mortes foram os meios do regime para suspender a Constituição.

Esses mortos merecem justiça e os italianos têm o direito de saber se pessoas foram mortas intencionalmente para estabelecer um estado policial na Itália.

Este blog é apoiado por doações de leitores. Se você também deseja ajudar a liberar informações, clique abaixo.

=> https://www.paypal.me/CesareSacchetti

Fonte: La cruna dell’ago – Il blog di Cesare Sacchetti

Previsões catastróficas sobre o coronavírus no Brasil não se confirmaram

Propagação da doença no país seguiram padrão próximo aos melhores cenários

A “Atualização Covid-19 nº15/2020” da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), de 22 de março, previa três cenários para o Brasil: o pior seguia países como Irã e Itália, com 8,6 mil mortes em 215 mil casos até 5 de abril. Mas só em 6 de maio o Brasil chegou a 8,5 mil mortes. Se em março fosse mantido o ritmo de França e Alemanha, seriam 2,8 mil mortes em 70 mil casos há um mês, mas o Brasil ficou abaixo até disso. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

A realidade é que em 5 de abril eram 486 óbitos em 11 mil casos, muito abaixo até das expectativas medianas, sem mencionar as catastróficas.

Se o Brasil tivesse se comportado como o Japão, seriam 154 mortos em 8 mil casos até o dia 5 de abril, o mais próximo do caso brasileiro.

Notícias Relacionadas

O Brasil tinha em 22 de março 1.546 casos que já atingiam os 27 estados, além de 25 óbitos, apontava o relatório de inteligência.

A pior expectativa para o Distrito Federal era de 1.300 casos ainda em março. Só chegou a esse número em maio, com 30 óbitos.

MARÃO, VEREADORES E A SUTRAM, VÃO PREJUDICAR MOTOTAXISTAS E MOTOBOYS. ===>>> 18/03/2020

  • 02/Dezembro/2019

    Diário Oficial

    Data: 02/12/2019Hora: 22:14

    Lei n. 4048 do Município de Ilhéus/BA: Revoga o inciso V, do artigo 12, da Lei nº 3.744, de 17 de setembro de 2015, e dá outras providências

    Lei n. 4049 do Município de Ilhéus/BA: Institui e regulamenta o serviço de transporte individual de passageiros por motocicleta, denominado Mototáxi, no Município de Ilhéus

    Lei n. 4050 do Município de Ilhéus/BA: Dispõe sobre a regulamentação da prestação do Serviço de Transporte Individual Privado de Passageiros Baseado em Tecnologia de Comunicação em Rede no município de Ilhéus e dá outras providências

    Portaria n. 468/2019 do Município de Ilhéus/BA: Constitui Comissão Avaliadora do processo seletivo simplificado da Secretaria de Saúde – SESAU

    Boletim Informativo n. 004/2019 – COMISSÃO DE ANALISE DE DEFESA PRÉVIA

    Ratificação, Homologação e Adjudicação – Inexigibilidade de licitação n. 041/2019 do Município de Ilhéus/BA

    Tamanho: 2.575MB

    Visualizar arquivo

ILHÉUS GOVERNADA POR CONTROLE REMOTO!

Beirando a pusilanimidade.

 

Governo publica MP que abre crédito para empresas de turismo

Ao todo, serão disponibilizados R$ 5 bilhões via Fungetur 

O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, durante coletiva de imprensa no Palácio do Planalto

No Dia Nacional do Turismo, celebrado nesta sexta-feira (8), o governo federal publicou a Medida Provisória 963, que abre crédito extraordinário de R$ 5 bilhões destinado a empresas do setor. A iniciativa já havia sido antecipada pelo ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antonio, no final do mês passado.

Ao todo, foram disponibilizados R$ 5 bilhões em créditos emergenciais para empresas do setor, incluindo os micro e pequenos negócios. Os recursos vão reforçar o caixa do Fundo Geral do Turismo (Fungetur) com abertura de novas linhas de empréstimo. A maior parte desses recursos (80%) será reservada para micro, pequenas e médias empresas. O restante (20%) será oferecido às grandes empresas do setor.

De acordo com o ministério, o dinheiro atenderá os prestadores de serviços turísticos cadastrados no Cadastur (sistema de cadastro de pessoas físicas e jurídicas que atuam no setor de turismo) que conta, atualmente, com mais de 103 mil inscritos. 

Poderão ter acesso ao crédito empresas das seguintes áreas: acampamento turístico, agências de turismo, meios de hospedagem, parques temáticos, transportadora turística, casas de espetáculos e equipamentos de animação turística, centro de convenções, empreendimento de apoio ao turismo náutico ou à pesca desportiva, empreendimento de entretenimento e lazer e parques aquáticos, locadora de veículos, organizador de eventos, prestador de serviços de infraestrutura de apoio a eventos, prestador especializado em segmentos turísticos, além de restaurantes, cafeterias e bares.

“Esse recurso é de livre utilização pela empresa, pode ser utilizado para capital de giro para compra de equipamentos ou para reforma. Uma vez acessado, é de livre circulação”, disse o ministro durante coletiva no Palácio do Planalto, para detalhar a MP. 

“As taxas praticadas pelo Fungetur vão ser abaixo de 1% [ao mês]. Isso nunca teve na história do turismo. Queremos melhorar ainda mais isso na próxima semana, com a Caixa, assemelhar a um dos créditos mais baratos que tem no mercado, por exemplo, que é o crédito imobiliário”, acrescentou Marcelo Álvaro Antonio. Segundo ele, o período de carência para o pagamento desses empréstimos poderá ser de até 12 meses.   

Micros e pequenos empresários poderão dispor de até R$ 1 milhão. Empresários de médio porte poderão contar com até R$ 3 milhões e os de grande porte poderão dispor de até R$ 30 milhões. A pasta também destacou que 17 bancos e instituições financeiras credenciadas junto ao Fungetur vão operacionalizar os empréstimos, mas a maior parte das linhas de crédito serão disponibilizadas pela Caixa Econômica Federal.

Guias de turismo

O ministro também anunciou que, na próxima semana, a pasta deve lançar uma linha de crédito específica voltado para pessoa física. A ideia é atender a cerca de 20 mil guias de turismo em todo o país. 

A pasta ainda anunciou a adoção de medidas para facilitar a retomada das operações do setor, a partir do fim do isolamento social. Entre as iniciativa, o ministro destacou a criação de um selo de biossegurança, que poderá ser utilizado por estabelecimentos turísticos de todo o país. “Esse selo via credenciar alguns segmentos do turismo para que os turistas saibam que existe uma responsabilidade de higiene, de prevenção ao covid-19”, explicou. O selo foi desenvolvido a partir de protocolos elaborados pelo ministério em parceria com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária 

Edição: Denise Griesinger

DIÁRIO OFICIAL – EDIÇÃO 97 DE 08 DE MAIO DE 2020

Registros

Registros encontrados: 1330

  • Edição Nº 97

    08/Maio/2020

    Diário Oficial

    Data: 08/05/2020Hora: 21:43

    Portaria 151/2020 do Município de Ilhéus/BA: Concede licença sem vencimentos a servidora Camila Fontes Farias

    Decisão nos autos do Processo Administrativo n. 001281/2019 – Pregão Eletrônico n. 029/2019 do Município de Ilhéus/BA

    Errata do extrato do Contrato n. 002/2020 da Superintendência de Transportes, Trânsito e Mobilidade – SUTRAM, publicado em 09 de março de 2020 – Diário Oficial Eletrônico | edição n. 054, Caderno I

    Extrato do 2º Termo de Prorrogação ao Contrato 027/2018S do Fundo Municipal de Saúde de Ilhéus/BA

    Tamanho: 2.472MB

    Visualizar arquivo

Municípios começam a receber recursos destinados à assistência social

O dinheiro é referente aos meses de abril, maio e junho

Foto: Marcelo Casal Jr/Agencia Brasil

Recursos da ordem de R$ 600 milhões serão transferidos para a assistência social de todos os municípios, a partir desta sexta-feira (8). A transferência do dinheiro é referente aos meses de abril, maio e junho e será feita pelo Ministério da Cidadania, por meio do Fundo Nacional de Assistência Social, e tem por objetivo proteger a população vulnerável, que mais tem sofrido as consequências da pandemia do novo coronavírus (covid-19).

“Vamos fazer o pagamento de uma parcela que vai englobar três meses, exatamente para dar condições para o Sistema Único de Assistência Social (Suas). É um exército que chamo ‘do bem’, próximo de 200 mil pessoas que estão em cada canto do Brasil, levando não apenas alimento e prevenção, mas carinho, conforto e estímulo para a população enfrentar este momento”, disse o ministro Onyx Lorenzoni,

Um segundo repasse será feito em 8 de junho, serão mais R$ 600 milhões, referentes aos meses de julho, agosto e setembro. Com isso, o total destinado para o fortalecimento da assistência social, via cofinanciamento do Suas, chegará a R$ 1,2 bilhão. Os recursos foram garantidos na Medida Provisória nº 953, publicada em 16 de abril, que abriu crédito extraordinário de R$ 2,5 bilhões.

De acordo com o ministério, outra parte dos recursos será destinada para os municípios atuarem em três frentes: aquisição de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para as equipes de assistência social; compra de alimentos para as instituições que cuidam de idosos, além de orfanatos; e ações de acolhimento e abrigamento de moradores de rua. O anúncio da aplicação desses recursos foi feito no dia 30 de abril.

“É um volume de R$ 1,03 bilhão para a aquisição. Nós temos hoje 1.686 municípios brasileiros habilitados a receber os recursos. São R$ 159 milhões que estão sendo transferidos a partir de hoje para esses municípios, também no sistema de duas parcelas. Recebe um primeiro volume que permite o atendimento por três meses e, depois, uma segunda parcela em junho, para atender outros três meses”, disse Lorenzoni.

*Com informações do Ministério da Cidadania

Edição: Aécio Amado

Área de inteligência acredita em risco de fuga de Lula, após condenação

Perspectiva de o ex-presidente deixar a cadeia apenas aos 80 anos ligou o alerta

A perspectiva de o ex-presidente Lula sair da prisão apenas aos 80 anos, após cumprir um sexto da pena, ligou o sinal de alerta de órgãos de inteligência, que desconfiam de possível fuga do condenado por corrupção e lavagem de dinheiro. Lula admitiu em entrevistas haver recusado vários acenos para fugir, antes de ser preso em Curitiba. Se fugir, o petista só não será deportado caso escolha um país que não tem acordo de extradição com o Brasil. Ele já visitou oito desses países. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

São da África a maioria dos países sem acordo de extradição. Lula prefere o exílio dourado na Europa, claro, mas seria preso sem demora.

Fugitivos da Justiça logo são inscritos na lista de procurados da Interpol e de outras polícias de alcance internacional.

Notícias Relacionadas
Apesar do discurso simpático a ditaduras, Lula já segredou a amigos próximos que jamais viveria em países como Cuba ou Venezuela.

Em 2018, o MPF alertou para o risco de fuga de Lula e o juiz federal Ricardo Leite vetou uma viagem dele à Etiópia, país sem acordo.

Bolsonaro vai com empresários ao STF para pedir retomada da economia

Paulo Guedes fala em risco de desabastecimento

Publicado em 07/05/2020 – 16:25 Por Andreia Verdélio – Repórter da Agência Brasil – Brasília

O presidente Jair Bolsonaro e um grupo de ministros e empresários foram hoje (7) ao Supremo Tribunal Federal (STF) para falar com o presidente da Corte, ministro Dias Toffoli, sobre a economia do país e a importância de flexibilizar a abertura do comércio, em meio às restrições das atividades e ao isolamento social causados pela pandemia do novo coronavírus.

De acordo com o presidente executivo do Instituto Aço Brasil e coordenador da Coalizão Indústria, Marco Polo de Mello Lopes, os industriais estão enfrentando uma crise profunda de demanda ocasionada pelo fechamento do comércio. “Se pudesse resumir e fazer uma caracterização, a indústria está na UTI e, para sair, precisa que ocorram as flexibilizações, de maneira que roda volte a rodar”, disse, após o encontro com Toffoli.

Segundo Lopes, no mês de abril, houve queda de 50% nas vendas, em relação a março, e a indústria, de maneira geral, está operando com 60% de ociosidade. Ele explicou ainda que aqueles que estão operando seguem todos os protocolos de segurança e que isso pode ser estendido a outras atividades para que haja essa flexibilização.

Autoridades de saúde orientam a população e os governos a adotarem as medidas de isolamento e distanciamento social como forma de prevenção à disseminação do novo coronavírus. Como ainda não há vacina nem remédios comprovado cientificamente contra a covid-19, a orientação visa frear a transmissão do vírus para evitar que os sistemas de saúde fiquem sobrecarregados e consigam atender todos as pessoas que venham a ficar doentes. 

Colapso

De acordo com o ministro da Economia, Paulo Guedes, apesar dos programas do governo de crédito e auxílio, para proteção da renda das pessoas por três meses, talvez a indústria não consiga se manter com essa ociosidade e baixa demanda e a economia entre em colapso antes. “O alerta é importante. Embora haja proteção, o povo tenha o dinheiro na mão, daqui a 30 dias pode ser que comece a faltar nas prateleiras e desorganizar a produção brasileira e entrar em sistema de, não só de colapso economia, de desorganização social”, disse.

Marco Polo e industriais de vários setores se reuniram com Bolsonaro no Palácio do Planalto e foram caminhando até o prédio do STF, do outro lado da Praça dos Três Poderes. Além de Paulo Guedes, os ministros da Defesa, Fernando Azevedo, da Casa Civil, Walter Braga Netto, e da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, acompanharam o grupo.

Reunião com Braga Netto, Ministro-Chefe da Casa Civil da Presidência da República; Paulo Guedes, Ministro de Estado da Economia; Dias Toffoli, Presidente do Supremo Tribunal Federal; e grupo de empresários.
Presidente Jair Bolsonaro, ministros e grupo de empresários caminham até o STF – MARCOS CORREA/Presidência da República

Para o presidente Bolsonaro, não há mais espaço para postergar e é preciso fazer uma abertura gradual e responsável das atividades. “A nossa união [entre os Três Poderes], a coragem que nós temos para enfrentar esse problema, é que pode evitar que o país mergulhe numa crise econômica de que dificilmente poderá sair”, disse, argumentando que as decisões, bem-intencionadas e calcadas na lei, devem ser tomadas mesmo que haja críticas.

STF

Para o presidente do STF, o que os empresários trazem é a necessidade de um planejamento organizado de retomada e crescimento da economia, que, segundo ele, deve ser coordenado pelo Executivo e dialogado com governadores e prefeitos, com o empresariado e os trabalhadores.

“As pessoas estão saindo às ruas porque já está se chegando a situação que as pessoas querem sair, mas tem que ter essa saída de maneira coordenada. E é fundamental uma coordenação com estados e municípios. Nós temos uma Constituição que garante competências específicas para os entes da federação e foi isso que o Supremo tem decidido”, disse Toffoli.

Em meados do mês passado, o STF decidiu que estados e municípios podem tomar as medidas que acharem necessárias para combater o novo coronavírus, como isolamento social, fechamento do comércio e outras restrições. Ontem (6), o plenário da Corte também decidiu que os governos locais também não precisam do aval do governo federal para estabelecer medidas restritivas de locomoção intermunicipal e interestadual durante o período da pandemia do novo coronavírus.

As decisões dizem respeito a julgamento de ações que questionam um decreto e a Medida Provisória (MP) 926/2020, editados pelo presidente e em tramitação no Congresso, que garantem ao governo federal a competência sobre serviços essenciais, entre os quais a circulação interestadual e intermunicipal.

Bolsonaro disse hoje que vai incluir mais categorias no decreto que trata dos serviços essenciais, como a construção civil. “Para que cada vez mais rápido nós possamos voltar a atividade normal, caso contrário, depois da UTI é o cemitério e não queremos isso para o nosso Brasil”, disse.

Já estão incluídos, entre outros, os setores de assistência à saúde, telecomunicações, call centers, serviços funerários, serviços postais, lotéricas, imprensa e locação de veículos.

Matéria ampliada às 16h56.

Edição: Aline Leal

DIÁRIO OFICIAL – EDIÇÃO 96 DE 06 DE MAIO DE 2020

Registros

Registros encontrados: 1329

  • Edição Nº 96

    06/Maio/2020

    Diário Oficial

    Data: 06/05/2020Hora: 20:41

    Portaria 093/2020 do Município de Ilhéus/BA: Dispõe sobre lotação de Servidor e dá outras providências

    Portaria CGM n. 009/2020: Divulga o Calendário de Obrigações do Sistema de Controle Interno do Poder Executivo Municipal de Ilhéus (COSCIM), referente ao mês de Maio de 2020

    Convocação nos autos do Processo Administrativo n. 21484/2019 – Tomada de Preços n. 023/2019 do Município de Ilhéus/BA

    Errata do extrato do Termo de Sub-rogação n. 002/2020 da Superintendência de Transportes, Trânsito e Mobilidade – SUTRAM, publicado em 18 de fevereiro de 2020 – Diário Oficial Eletrônico | edição n. 040, Caderno I

    Extrato ao Contrato n. 048/2020 – Pregão Eletrônico n. 001/2020 do Município de Ilhéus/BA

    Extrato do contrato 095/2020S do Fundo Municipal de Saúde de Ilhéus/BA

    Tamanho: 2.335MB

    Visualizar arquivo

SÓ SE DÁ VALOR QUANDO SE PERDE.

Estava em pleno funcionamento quando foi fechado…

Não há regra geral sobre isolamento social, diz ministro da Saúde

Diferentes medidas devem ser adotadas por estados e municípios

Publicado em 07/05/2020 – 14:28 Por Luciano Nascimento – Repórter da Agência Brasil – Brasília

O ministro da Saúde, Nelson Teich, disse hoje (7) que o governo não tem uma uma regra geral para todo o país sobre a necessidade do isolamento social. Segundo ele, diferentes medidas devem ser adotadas por estados e municípios a depender do avanço do novo coronavírus em cada local.

Teich, que assumiu a pasta da Saúde há cerca de 20 dias, participa de uma reunião da comissão externa da Câmara dos Deputados que debate ações preventivas contra o coronavírus.

“A gente tem desde medidas mais simples, que vão passar principalmente por distanciamento social, higiene das mãos, uso de álcool em gel e das máscaras, até situações em que vai ter que ter o lockdown [fechamento total, confinamento]. O problema é que não dá para trabalhar essa discussão como se o lockdown fosse a essência de tudo”, disse o ministro, ao ser questionado sobre qual a orientação do governo sobre o isolamento social.

De acordo com Teich, o ministério elaborou uma “matriz de riscos” para orientar os entes federados nas medidas. A matriz leva em conta critérios como a incidência e o crescimento da doença no local, a estrutura disponível, como hospitais, leitos deunidade de terapia intensiva (UTI) e ambulatórios para tratar os casos do novo coronavírus e os recursos humanos disponíveis.

“Com isso, a gente avalia o quão difícil vai ser para a estrutura suportar o crescimento [da doença]. A partir daí, você define se tem que segurar muito o número de casos novos e aí você pode ter que chegar a situações extremas como o lockdown”, disse Teich. “O que não podemos é transformar isso em uma discussão política, é uma discussão técnica. Vai ter uma situação para cada lugar e cada momento”, acrescentou.

lockdown, uma espécie de bloqueio total, é considerado como uma medida mais radical de distanciamento social, quando o funcionamento de estabelecimentos e a circulação de pessoas é restringida ao máximo.

De acordo com o ministro, caberá a estados e municípios decidir qual o tipo de medida, inclusive o lockdown, deve ser adotada. “A orientação geral hoje é que se analise cada região com base nas variáveis, lembrando que essa é uma decisão local de estados de municípios”, afirmou.

A medida foi adotada no Maranhão na última terça-feira (5), por determinação judicial, em quatro municípios da região metropolitana de São Luís.

lockdown também foi anunciado pelo governo do Pará, em 10 cidades, e vai funcionar de hoje até o próximo domingo (9) de forma “educativa”. Depois, punições poderão ser aplicadas em caso de descumprimento até o domingo (17).

No Ceará, a capital Fortaleza, decretou a partir de amanhã (8) a proibição da circulação de pessoas” em locais ou espaços públicos, “salvo quando em deslocamentos imprescindíveis para acessar as atividades essenciais”.

Edição: Nádia Franco

contador free

nao basta

Webtiva.com // webdesign da Bahia
junho 2020
D S T Q Q S S
« maio    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  


WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia