WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

:: ‘Notícias’

REPRESA DO IGUAPE CHEIA – É MUITA ALEGRIA!

Fotos Embasa

 

Fotos Embasa

Mariana Vieira
Analista de Comunicação Corporativa – EL Ilhéus
(73) 3234-7273

E O PROJETO DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL NÃO FOI ENTREGUE!

Com um secretariado fraco, culpa exclusiva dele. O Prefeito Mário Alexandre passa mais um vexame.

Leia matéria no blog Agravo, e fique atualizado na situação falaciosa em que vive a cidade de Ilhéus.

Deputada estadual Ângela Sousa, prefeito Mário Alexandre, governado Rui Costa e o deputado federal, Paulo Magalhães.

PROFESSOR E HISTORIADOR FALOU COM PRECISÃO!

É TEMPO DE FANTASMAS!

Como se não bastassem, Prefeito fantasma, Secretários fantasmas, funcionários fantasmas, agora aparece pesquisa fantasma.

Ou estão tirando sarro com a cara da população, ou brincando de esconde esconde na escuridão da cidade?

Hoje (09) ao passar pela Avenida Soares Lopes percebi a escuridão que está no local. Foto colhida no Blog.

NÃO DÁ MAIS PRA SEGURAR, EXPLODE INCOMPETÊNCIA…


http://g1.globo.com/bahia/bahia-meio-dia/videos/v/bmd-tv-santa-cruz-16112017-bloco-1/6293739/

NA RESTINGA DOS ‘SEM NOÇÃO’, TINHA ESGOTO ENCANADO! ===>>> 24-10-2015

Nesta foto de 1960, podemos ver à direita uma caixa de esgoto, onde o serviço mal feito deixa uma depressão até hoje, na segunda pista em frente ao campo da ADEBI.

Ainda vemos o encanamento do esgoto, que era o ‘ladrão’ da caixa.

Assim, em cima dessas premissas falsas, o  MPF foi induzido a erro.

Atualização 16-11-2017:

Mais a frente podemos ver a manilha que despejava as águas pluviais do Alto do Ceará, Rua do Café, ruas Bento Berilo e Visconde de Mauá, e que foram obstruídas pela segunda pista.

Isso reflete em entupimento que inundam a área, a Biblioteca Pública, e viram goteiras em sub-solo….rsrs

Foto colhida no R2cpress.

Foto colhida no R2cpress.

400 milionários pedem que Trump não reduza seus impostos

400 milionários pedem que Trump não reduza seus impostos

Em carta ao Congresso, os mais ricos alertam que a redução dos impostos só favorecerá a desigualdade e aumentará a dívida

O dinheiro nem sempre é tudo. O grande projeto tributário do presidente Donald Trump encontrou um adversário inesperado: 400 milionários e bilionários assinaram uma carta pedindo ao Congresso para não reduzir seus impostos. A missiva, firmada por nomes como George Soros e Steven Rockefeller, considera que a redução de impostos só favorecerá a desigualdade e aumentará a dívida. “Acreditamos firmemente que a forma de criar mais empregos de qualidade e fortalecer a economia não é reduzindo os impostos de quem tem mais, mas investindo no povo norte-americano”, diz o texto.

“Esse corte é absurdo. Segundo os republicanos, não podemos nos permitir gastar mais dinheiro público, mas podemos reduzir os impostos dos mais ricos. Isso não faz sentido”, afirmou Bob Crandall, ex-presidente da American Airlines e um dos signatários da carta. Promovida pela Responsible Wealth (Riqueza Responsável), organização próxima aos democratas e à qual também pertencem os fundadores da marca de sorvetes Ben & Jerry’s, a designer Eileen Fischer e outros milionários, a carta está em sintonia com a grande tradição da filantropia norte-americana. “Somos ricos profundamente preocupados com nossa nação e nossa gente, e escrevemos com um único pedido: não reduzam nossos impostos”, começa o texto.Já com outros presidentes, potentados como Bill Gates e Warren Buffet, considerados os dois homens mais ricos do planeta, declararam-se a favor de pagar mais. “Enquanto as classes médias e baixas combatem por nós no Afeganistão, enquanto os norte-americanos lutam para ganhar vida, nós os megarricos, continuamos tendo isenções fiscais extraordinárias”, escreveu Buffet a Barack Obama em 2011. Naquele momento, o principal acionista da Berkshire Hathaway recolhia 17%, quando seus funcionários pagavam acima de 33%.Agora a batalha se repete, mas com um golpe adicional à credibilidade de Trump. Diferentemente de outras épocas, a Casa Branca declarou que seu projeto mantém intacta a pressão tributária sobre os mais ricos. Mas uma leitura atenta dos documentos enviados ao Senado e à Câmara dos Representantes mostra que os cortes são múltiplos. A iniciativa enviada à Câmara Baixa não só reduz de 39,6% para 38,5% o teto tributário dos casais que ganham mais de um milhão de dólares (3,3 milhões de reais) por ano como também elimina o imposto sobre as sucessões, pago por 5.000 famílias todo ano e que se circunscreve a heranças acima dos 5,49 milhões de dólares.“Cortar esse imposto acarretaria perdas de 269 bilhões de dólares em uma década, mais do que se gasta em conjunto na Agência do Medicamento, no Centro de Controle de Doenças e na Agência de Proteção Ambiental”, indica a carta. “Não é justo nem inteligente proporcionar uma redução tributária aos ricos à custa das famílias trabalhadoras, especialmente se se financia desmantelando programas que permitem cobrir necessidades fundamentais como a saúde e a alimentação”, acrescenta.A Casa Branca ainda não respondeu. Mas ninguém ignora que o assunto é altamente inflamável. A redução de impostos é um dos grandes trunfos eleitorais de Trump. Um presidente multimilionário que fez de sua pretensa habilidade de administrar a economia uma marca de identidade. Ele mesmo apresentou sua proposta como “a maior redução tributária da história dos Estados Unidos”. Mas, por trás das grandes palavras, as fissuras são evidentes.Os cálculos mais conservadores estabelecem que a redução tributária aumentará a dívida pública em 1,5 trilhão de dólares em 10 anos. Uma alta difícil de assimilar para cofres que já devem 20 trilhões e que no próximo decênio aumentarão a carga em outros 10 trilhões.A resposta oficial a esse desequilíbrio é o otimismo reaganiano. Os republicanos, com Trump à frente, sustentam que a redução desencadeará uma onda de investimentos de tal magnitude que destravará o crescimento e permitirá rapidamente compensar a perda tributária. “Nosso plano foi pensado para favorecer o investimento”, resumiu o conselheiro econômico da Casa Branca, Gary Cohn.Os democratas desconfiam dessa previsão. E os milionários que assinam a carta também. Para eles, as empresas já alcançaram benefícios recordes e vivem dias de enorme bonança. Consideram mais importante direcionar os recursos públicos para a educação, a saúde e a pesquisa. Áreas em que Trump acionou a guilhotina. “Eu ganho muito dinheiro. Se minha renda cresce, não penso investir mais, simplesmente pouparei mais”, sentenciou Crandall. E não é o único.

 

Eduardo Ledsham assume a presidência da Bahia Mineração

09 de novembro de 2017 – A Bahia Mineração – BAMIN anuncia alterações na sua estrutura organizacional, com a chegada de Eduardo Ledsham para o cargo de Diretor Presidente (CEO) no lugar de Claudio Menezes.

Eduardo Ledsham

Eduardo Jorge Ledsham é formado em geologia pela Universidade Federal de Minas Gerais em 1985. Possui MBA em Finanças/IBMEC no Rio de Janeiro (1994), pós-graduação em avaliação de Empresas e Projetos na FGV no Rio de Janeiro (1996) e MBA em Gestão na Fundação Dom Cabral, em Belo Horizonte (1997). Especializou-se em Gestão e Liderança no IMD na Suíça (2007) e no MIT nos Estados Unidos (2005). Possui também especialização em Estratégia e Avaliação Econômica na Warton School, nos Estados Unidos (2000).

Ledsham esteve à frente do Serviço Geológico do Brasil (CPRM), ligado ao Ministério de Minas e Energia, de agosto de 2016 a agosto de 2017. Entre 2012 a 2015 esteve como CEO da B&A Mineração. Foi também Diretor Global de Exploração e Desenvolvimento de Projetos Minerais e Diretor Global de Energia, Fertilizantes, Exploração, Desenvolvimento e Implantação de Projetos na Vale, onde atuou por 26 anos

Em uma reunião de apresentação realizada com os funcionários da empresa, Ledsham destacou sua motivação para avançar frente ao desafio de tirar o projeto do papel “estou aqui para somar e buscar novas parcerias que contribuam para a viabilização do projeto”.

A Bahia Mineração agradece a Claudio Menezes por toda dedicação e empenho.

ANTÔNIO IMBASSAHY PODE SER O CANDIDATO AO GOVERNO DA BAHIA

Postado em:  — 4 Comentários ?

Imbassahi e Temer

O atual ministro de Temer (PMDB), Antônio Imbassahy (PSDB), responsável pela articulação política do governo, pode ser o candidato da oposição ao governo da Bahia. Aliados de ACM Neto (DEM) já cantam a pedra. Adversários do atual governador já perceberam que ganhar de Rui (PT) em tempos de Temer e Geddeis, não é tarefa fácil, por isso, o atual Prefeito de Salvador vem avaliando com calma o cenário político e tá mais para um “não”, do que para um “sim”, sua definição em 2018.

Rui não para na capital e está praticamente todos os dias no interior do Estado inaugurando obras, além do mais, as pesquisas da Bahia Já viraram piada mundo a fora. Sempre antes do pleito estadual o “DEM sai na frente”, na reta final leva pau nas urnas. “Gato escaldado tem medo de água quente”, disse um aliado de Neto.

Caso Neto não venha sair, o nome de maior consenso entre a oposição ao governo petista é o do ministro Antônio Imbassahy. O nome do atual Presidente reeleito do PSDB, o deputado federal João Gualberto, também não estaria descartado. O fato é, que com o golpe, as medidas impopulares de Temer e a prisão de Geddel, a oposição na Bahia terá imensa dificuldade para concorrer ao governo no Estado.

Por Roberto Alves
com informações de Salvador

UMA INSTITUIÇÃO CHAMADA CEPLAC – RETROSPECTIVA

ceplac

O SALÁRIO EXAGERADO DOS PROFESSORES

sábado, 11 de novembro de 2017

O SALÁRIO EXAGERADO DOS PROFESSORES

 Senador Quer Reduzir Salário De Professores E De Profissionais Da Saúde

O senador Hélio José (PMDB-DF)

O senador Hélio José (PMDB-DF) é o relator do Projeto de Lei do Senado (PLS 409/2016), de autoria do seu colega Dalírio Beber (PSDB-SC). Os dois senadores são os principais articuladores do projeto de lei que visa reduzir o porcentual do reajuste salarial dos profissionais da #Educação, como também dos profissionais da saúde e dos agentes de combate as endemias. Hélio José inclusive deu um parecer favorável a proposta.

Justificativa
O Senador Dalírio Beber, na sua justificativa, usou como principal discurso de defesa o fato de que os municípios de todo o Brasil têm dificuldades de pagar a folha salarial dos funcionários, principalmente dessas áreas de atuação, justamente por elas terem um piso salarial fixado em âmbito nacional.

E ainda completa a fala afirmando que todos os municípios têm sofrido com o desequilíbrio em suas finanças , em parte, por esse motivo.

O Senador Hélio José diz que reconhece que os profissionais destas áreas tem uma remuneração depreciada, mas também afirma que precisa do apoio deles, já que julga necessário um sacrifício de todos os servidores públicos, para que o país consiga vencer o cenário de recessão.

Tramitação
O projeto de lei do Senado já teve a sua tramitação na agenda de pautas abordadas e foi discutido duas vezes. O senador Hélio José já deu seu parecer favorável na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado. Para entrar em processo de votação, o projeto de lei precisa apenas ser avaliado e receber a decisão terminativa na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), do Senado.

Águia de Haia: MPF denuncia dez pessoas por fraude em licitação; prejuízo é de R$ 800 mil

Deputada Ângela Souza foi apontada como intermediadora | Foto: Divulgação

O Ministério Público Federal (MPF), em Ilhéus, no sul da Bahia, denunciou dez pessoas na Justiça, a partir de provas obtidas durante a Operação Águia de Haia. A operação foi deflagrada em 2013 para apurar desvios de recursos do Fundo Nacional do Desenvolvimento da Educação Básica (Fundef) pelo prefeito e servidores de Ruy Barbosa. Segundo a ação, os denunciados desviaram R$ 801 mil em um processo licitatório na cidade de Ibirapitanga. No curso da investigação, ficou constatado com o denunciado Kells Belarmino Mendes liderava uma organização criminosa composta pelos também denunciados Marconi Edson Baya, Fernanda Cristina Marcondes Camargo, Rodrigo Seabra Bartelega Souza e Maycon Gonçalves Oliveira dos Santos, que fraudou licitações e desviou recursos públicos, por meio de pagamentos exorbitantes por serviços não eram prestados. Segundo o MPF, a organização agia em diversos municípios e negociava com as prefeituras um “pacote fechado”. O pacote viabiliza as fraudes com minutas e modelos de peças de licitação, para permitir que as empresas do grupo fossem as únicas interessadas e fossem as vencedoras dos certames. Em Ibirapitanga, o MPF concluiu que o grupo criminoso agiu com auxílio da deputada estadual Ângela Souza (PSD). A organização cooptou o então prefeito de Ibirapitanga, Antônio Conceição Almeida, por meio de promessa de pagamento de propina. No acerto, os membros da quadrilha Marconi Edson Baya, Fernanda Cristina Marcondes Camargo, Rodrigo Seabra Bartelega Souza e Maycon Gonçalves Oliveira dos Santos forneceram os modelos e orientaram os servidores da Prefeitura de Ibirapitanga, incluindo a então secretária de educação Jailma dos Santos Marambaia e o presidente da comissão de licitação Antônio Souza Pacheco, a fraudarem a licitação Pregão nº 042/2011. A empresa Ktec, que venceu a licitação, recebeu entre fevereiro e agosto de 2012, cinco pagamentos que somaram R$ 1 milhão, sem ter condições de executar os serviços ofertados por não existir infraestrutura para serem implantados nas escolas municipais, como computadores e acesso à internet de qualidade mínima. O ex-prefeito recebeu R$ 300 mil. Durante uma delação premiada, Kells Mendes informou que o contrato foi intermediado pela deputada Ângela Souza, no gabinete da própria parlamentar. A cada pagamento que a prefeitura realizasse a empresa, o então prefeito receberia R$ 60 mil e Ângela receberia 5% do valor da fatura. O MPF pede que os denunciados sejam condenados por fraude a licitação, por desvio de recursos. Três denunciados ainda poderão ser condenados por lavagem de dinheiro. A deputada Ângela Souza já responde a uma ação penal perante o Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) (clique aqui e saiba mais).

Águia de Haia: MPF denuncia dez por prejuízo de R$800 mil em fraudes de licitação em Ibirapitanga (BA)

Esquema criminoso envolveu a deputada estadual Ângela Maria Correa de Souza e o então prefeito, Antônio Conceição Almeida, que teria recebido R$ 300 mil em propina

O Ministério Público Federal (MPF) em Ilhéus(BA) denunciou, na sexta-feira, 10 de novembro, dez pessoas pelo desvio de R$ 801.788,20 por fraude em processo licitatório no município de Ibirapitanga – a 348 km de Salvador. A denúncia foi originada a partir das investigações da Operação Águia de Haia e refere-se a pregão realizado em 2011 para contratação de serviços educacionais voltado a implantação e utilização de tecnologias de informação.

Foi apurado que o denunciado Kells Belarmino Mendes liderava uma organização criminosa composta pelos denunciados Marconi Edson Baya, Fernanda Cristina Marcondes Camargo, Rodrigo Seabra Bartelega Souza e Maycon Gonçalves Oliveira dos Santos, que fraudou licitações e desviou recursos públicos, por meio de pagamentos exorbitantes por serviços não eram prestados.

A organização criminosa agia em diversos municípios e negociava com as prefeituras um “pacote fechado”. Esse pacote viabilizava as fraudes e incluía as minutas e modelos das peças dos procedimentos licitatórios, montados para permitir que as empresas da organização criminosa fossem as únicas interessadas e, ao final, somente elas fossem as vencedoras.

Segundo as investigações, em Ibirapitanga/BA, a organização criminosa, com auxílio da deputada estadual Ângela Souza, cooptou o então prefeito de Ibirapitanga, Antônio Conceição Almeida, por meio de promessa de pagamento de propina.

Após o acerto com o então prefeito Antônio Almeida, os membros da organização criminosa Marconi Edson Baya, Fernanda Cristina Marcondes Camargo, Rodrigo Seabra Bartelega Souza e Maycon Gonçalves Oliveira dos Santos forneceram os modelos e orientaram os servidores da Prefeitura de Ibirapitanga, incluindo a então secretária de educação Jailma dos Santos Marambaia e o presidente da comissão de licitação Antônio Souza Pacheco, a fraudarem a licitação Pregão nº 042/2011.

Após vencer a licitação fraudada, a empresa KTECH recebeu, entre fevereiro e agosto de 2012, cinco pagamentos que somaram R$ 1.005.125,00. Porém, as investigações mostraram que o objeto licitado nem sequer tinha condições de ser executado na prática, pois os serviços dependiam de uma infraestrutura preexistente para que pudessem ser implantados nas escolas municipais, como computadores e acesso à internet de qualidade mínima. “Ocorre que, a grande maioria das escolas do citado município, não dispunham dos requisitos necessários para o funcionamento do serviço”, afirmou o procurador.

A inexecução do serviço gerou um prejuízo de R$ 801.788,20, sendo que o ex-prefeito, com sua participação em cada parcela, recebeu R$ 300.000,00 em seu favor.

Em depoimento de colaboração premiada – no curso de processos resultantes da Operação –, Kells Mendes informou que o contrato com a Prefeitura de Ibirapitanga foi intermediado pela deputada estadual Ângela Maria Correa de Souza e, inclusive, a reunião com o então prefeito Antônio Almeida foi realizada no gabinete da parlamentar. Na ocasião, ficou definido que a cada pagamento da prefeitura à empresa vencedora da licitação, Almeida receberia R$ 60.000,00 e Ângela Souza, 5% do valor de cada fatura.

O MPF requer a condenação de todos os denunciados por fraude a licitação (art. 90 da Lei nº 8.666/90); de Jailma dos Santos Marambaia, Marconi Edson Baya, Fernanda Cristina Marcondes Camargo, Rodrigo Seabra Bartelega Souza e Maycon Gonçalves Oliveira dos Santos, Antônio Conceição Almeida, Eliane Souza Nascimento e Kells Belarmino Mendes por desvio de recursos públicos (art. 1º, I, do Decreto-Lei nº 201/67); e, ainda, dos três últimos por lavagem de dinheiro (art. 1º da Lei nº 9.613/98).

Por força do foro de prerrogativa de função, a deputada estadual Ângela Maria Correa de Souza, seus assessores e Mendes respondem frente ao TRF-1 pelo crime de lavagem de dinheiro, a partir de denúncia oferecida pela Procuradoria Regional da República da 1º Região.

Operação Águias de Haia – Apurou desvios de recursos públicos do FUNDEB pelo gestor e por servidores do Município de Ruy Barbosa. As investigações revelaram tratar-se de um esquema bem montado de desvio de dinheiro público e corrupção de agentes políticos e servidores públicos, que envolvia diversos outros municípios na Bahia.

A operação teve suas investigações iniciadas pelo MPF e Polícia Federal em 2013, com o objetivo de apurar desvios de recursos da Educação no município de Ruy Barbosa/BA. As apurações iniciais revelaram tratar-se de um esquema de desvio de dinheiro público e corrupção de agentes políticos e servidores públicos, que envolvia diversos outros municípios na Bahia.

Confi.ra a íntegra da denúncia

Número para consulta processual na Justiça Federal: 209-96.2017.4.01.3301 — Subseção Judiciária de Ilhéus.

Assessoria de Comunicação
Ministério Público Federal na Bahia
Tel.: (71) 3617-2295/2294/2296/2200
E-mail: prba-ascom@mpf.mp.br
www.twitter.com/mpf_ba

VEREADOR FAZENDO CAVADINHA NA ÁREA DE ESPORTE!

O Vereador Pastor Matos, tenta fazer uma cavadinha com a criação da Secretaria de Esporte em Ilhéus.

Seria para abrigar algum irmão de fé?

GUIA PRÁTICO DA REFORMA TRABALHISTA


vila rustica

anuncie aqui

nao basta

Webtiva.com // webdesign da Bahia
novembro 2017
D S T Q Q S S
« out    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Carregando...

Campeonato Brasileiro



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia