WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

:: ‘Cidadania’

Combate à covid-19 em áreas indígenas tem aporte de R$ 125 milhões

Mais de 775 mil indígenas serão beneficiados pelas ações

Publicado em 11/09/2020 – 21:33 Por Da Agência Brasil – Brasília

Caminhos da Reportagem “Povos indígenas na pandemia

O Ministério da Saúde (MS) anunciou hoje (11) um aporte adicional de R$ 125 milhões para o enfrentamento da covid-19 nos territórios indígenas. O anúncio foi feito pelo secretário Especial de Saúde Indígena (SESAI), Robson Santos da Silva, durante reunião online com representantes de organismos internacionais e governos estrangeiros.

A população atendida é 775.898 mil indígenas, distribuídos em 5.852 aldeias, de 305 etnias e que falam até 274 línguas. Na mesma reunião, o Ministério da Saúde informou que foram, até o momento, 24.650 casos confirmados, 18.958 recuperados e 401 óbitos em territórios indígenas.

Entre as ações realizadas pelo ministério estão a criação das unidades de atenção primária indígenas exclusivas para a covid-19; a disponibilização de recursos adicionais aos Distritos Sanitários Especiais Indígenas para compra de insumos, equipamentos, testes e equipamentos de proteção individual (EPIs); a divulgação local de campanhas sobre prevenção ao coronavírus, culturalmente apropriadas para cada região; e a contratação de horas voo e UTI aérea para transporte rápido de pacientes graves até unidades especializadas.

São 14 mil profissionais em campo para a realização dessas ações. Destes, 60% são indígenas. Antes de entrar nas aldeias, esses profissionais passam por exame de covid-19.

Participaram da reunião representantes de entidades internacionais, como a Organização Mundial da Saúde (OMS), a Organização das Nações Unidas (ONU), o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), a Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA) e a Organização Pan-americana de Saúde (OPAS), além de representantes de embaixadas de países estrangeiros, como Estados Unidos, Noruega e Canadá.

Edição: Liliane Farias

“Nosso compromisso é fazer obras com menos recursos e criatividade”, afirmou o presidente Bolsonaro em cerimônia na Fiol

(São Desidério – BA, 11/09/2020) Presidente da República, Jair Bolsonaro acompanhado das autoridades presentes caminha sobre a Ferrovia de Integração Oeste-Leste (FIOL).
Foto: Alan Santos/PR

 

O desenvolvimento da infraestrutura ferroviária do país entrou hoje (11) em nova fase, ainda mais promissora, com a assinatura do Termo de Execução Continuada (TED) celebrado entre a Valec Engenharia, Construções e Ferrovias S.A. e o Exército Brasileiro para a construção de 18 km do lote 6 da Ferrovia de Integração Oeste-Leste, na Bahia (saiba mais). A cerimônia de assinatura do convênio aconteceu no canteiro de obras da Fiol que fica próximo a São Desidério/BA.

Marcado pela presença do presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, do ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Feitas, dos generais de Exército Marco Antonio Gomes e Arruda, parlamentares, autoridades e parceiros do setor ferroviário, o evento deixou evidente a confiança do Governo Federal na eficiência da corporação. “O Exército é povo, o Exército é Brasil. O que me fez ser presidente foi acreditar neste povo maravilhoso. É inenarrável o orgulho de estar à frente de uma nação com um quadro de autoridades dispostas a mudar a cara do Brasil”, disse o presidente Bolsonaro.

Também admirador da importância histórica da corporação, o ministro Tarcísio, que havia anunciado o convênio hoje concretizado no mês de maio, em visita às obras da ferrovia, afirmou que “o Exército nunca nos faltou e tem feito grandes obras. A Fiol é uma das principais obras de infraestrutura do país. Não tenho dúvidas de que teremos sucesso neste empreendimento, pois o governo do presidente Bolsonaro é um governo de entrega.

Ciente da importância histórica e efetiva da celebração da TED para o setor ferroviário, o presidente da Valec, André Kuhn, enalteceu o apoio que a empresa pública vem recebendo do Governo Federal, por meio de seu Ministério da Infraestrutura, e acrescentou “como militar da reserva, posso afirmar que o Exército Brasileiro irá colocar um selo de qualidade nas obras da Ferrovia de Integração Oeste-Leste”.

De volta a obras ferroviárias após mais de 20 anos, o Batalhão Ferroviário atuará em parceria com a Valec para acelerar o andamento das obras no lote 6 da Fiol, que fica próximo a Correntina/BA. O comandante Militar do Nordeste, Gen. Gomes declarou, durante a cerimônia, que “a sempre incansável força ferroviária do Exército vem hoje resgatar sua gloriosa trajetória. Podemos mais uma vez cooperar para o desenvolvimento do Brasil”. O Gen. Arruda apresentou os agradecimentos da corporação pela oportunidade de voltar a atuar em obras ferroviárias. “Nossos sinceros agradecimentos pela confiança. Esta parceria simboliza o retorno da corporação nas obras ferroviárias. A tropa empregada se compromete a cumprir bem sua missão.

Ao final da cerimônia, o presidente da República enfatizou a necessidade de se fazer mais com menos: “nós temos um grande compromisso, que é fazer com que as obras aconteçam com menos recursos e criatividade para tirar o país da situação complicada que ainda se encontra.” E encerrou com “um grande abraço a todos da Valec e a todos que estão trabalhando nas obras da Fiol.


Assessoria de Comunicação Social
Valec Engenharia, Construções e Ferrovias S.A.
 (61) 2029-6297
  ascom@valec.gov.br
 twitter.com/valec_ferrovias
 instagram.com/valec.oficial
 linkedin/valec-ferrovias
 facebook.com/valec.oficial/

Ministra diz que governo tomou medidas para controlar preço do arroz

Tereza Cristina garantiu abastecimento do produto nas prateleiras

Publicado em 10/09/2020 – 17:30 Por Pedro Rafael Vilela* – Repórter da Agência Brasil – Brasília

A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, concede entrevista à TV Brasil

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, afirmou hoje (10) que o governo tomou as medidas necessárias para tentar conter a alta no preço do arroz e evitar um desabastecimento do produto nas prateleiras dos supermercados. 

“As medidas que podiam ser tomadas, foram tomadas, para fazer a estabilidade e o equilíbrio para esse produto”, disse em um vídeo publicado em suas redes sociais. 

“O Brasil abriu mão, tirou a alíquota de importação, para que produto de fora pudesse entrar e trazer um equilíbrio para os preços. Abrimos somente uma cota, porque não temos necessidade de muito arroz, mas isso é uma cota de reserva, para que possamos ter a tranquilidade de que o preço vai voltar, vai ser equilibrado, e que o produto continuará na gôndola para todos os brasileiros”, acrescentou.

Taxa de importação

Ontem (9), a Câmara de Comércio Exterior (Camex), vinculada ao Ministério da Economia, decidiu zerar a alíquota do imposto de importação para o arroz em casca e beneficiado. A isenção tarifária valerá até 31 de dezembro deste ano.

arroz
Desde o início do ano, o preço do arroz acumula alta de mais de 21,2% nas prateleiras, segundo a Associação Paulista de Supermercados (Apas). – Marcello Casal Jr/Agência Brasil

A redução temporária está restrita à cota de 400 mil toneladas, incidente sobre o arroz com casca não parbolizado e arroz semibranqueado ou branqueado, não parbolizado, de acordo com a Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM). 

Até então, a Tarifa Externa Comum (TEC) aplicada sobre o produto era de 12%, para o arroz beneficiado, e 10% para o arroz em casca, válida apenas para países de fora do Mercosul. Dentro do bloco econômico regional, que reúne Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai, a tarifa é de importação já é zero.

Tailândia e EUA

Mais cedo, em um entrevista para a Rádio Gaúcha, Teresa Cristina comentou que a maior parte do arroz que será importado sem tarifa deve vir da Tailândia e dos Estados Unidos, que produzem o mesmo tipo de produto consumido no Brasil.

Ainda segundo a ministra, no vídeo divulgado em suas redes sociais, o preço do arroz nos últimos anos vinha abaixo do que seria seu valor de mercado, por causa de uma queda na produção que afetou o tamanho da área produzida no país.

“No passado, o arroz teve um preço muito baixo, durante muitos anos. Nós tivemos uma queda na área de produção e o arroz, então, hoje, tem um preço mais alto. Mas ele está na prateleira, vai continuar nas prateleiras”, afirmou. 

Alta nos preços

Desde o início do ano, o preço do arroz acumula alta de mais de 21,2% nas prateleiras, segundo a Associação Paulista de Supermercados (Apas).

De acordo com o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da Universidade de São Paulo (Cepea/USP), o preço da saca de 50 kg de arroz, vendido pelo produtor, variou mais de 107% nos últimos 12 meses, chegando próximo a R$ 100. 

Os motivos para a alta são uma combinação da valorização do dólar frente ao real, o aumento da exportação e a queda na safra. Em alguns supermercados, o produto, que custava cerca de R$ 15, no pacote de 5 kg, está sendo vendido por até R$ 40.

 

*Com informações da Reuters

Edição: Lílian Beraldo

Bolsonaro descarta fim do seguro-defeso

Benefício é pago a pescadores artesanais durante período de defeso

Publicado em 10/09/2020 – 21:07 Por Pedro Rafael Vilela – Repórter da Agência Brasil – Brasília

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quinta-feira (10) que não pretende acabar com o programa seguro-defeso, pago a pescadores artesanais. A notícia foi dada pelo secretário especial da Pesca, Jorge Seif, durante a live semanal do presidente, transmitida pelas redes sociais.  

“Houve um ruído da questão do fim do seguro-defeso, que é fake news total. O presidente definiu que o seguro-defeso vai continuar nos mesmos moldes que anteriormente, ou seja, ele não entra no Renda Brasil. E o que nós estamos continuando a fazer é filtrar, fazer o recadastro, para trazer seriedade no programa”, afirmou Seif.

Em seguida, Bolsonaro disse que o fim do seguro-defeso para criação do Renda Brasil foi uma ideia trazida pela equipe econômica, mas foi descartada.

“A questão do Renda Brasil, o pessoal dá ideias. Quem decide, na ponta da linha, um programa como esse, somos o Paulo Guedes e eu. Nós ouvimos todo mundo, cada um traz suas ideias e algumas ideias que chegam são absurdas”, afirmou. No mês passado, durante uma agenda pública, o presidente também descartou eliminar o abono salarial, benefício pago a trabalhadores que ganham até dois salários mínimos.

O Renda Brasil está em estudo no governo para expandir o alcance e suceder o Bolsa Família, que é pago a famílias que estão em situação de pobreza extrema e miséria.

 

Live da semana Presidente Jair Bolsonaro – Jair Bolsonaro/Facebook

Seguro-defeso

O seguro-defeso é um benefício pago pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) ao pescador artesanal durante o período de defeso de alguma espécie, quando é proibida a atividade pesqueira. O defeso é a paralisação temporária da pesca para a preservação das espécies, seja para reprodução de peixes e crustáceos ou em decorrência de fenômenos naturais ou acidentes. 

Atualmente, o benefício tem o valor de um salário mínimo (R$ 1.045) e é pago durante um período que varia de 4 a 5 meses. O gasto anual do governo é de aproximadamente R$ 2,5 bilhões e, segundo o secretário especial da Pesca, cerca de 800 mil pessoas recebem o seguro, mas a maior parte delas não preenche os requisitos para o programa.

“Segundo a CGU [Controladoria Geral da União], 69% são pessoas que não vivem da pesca, não sabem diferenciar um camarão de uma baleia”, disse Jorge Seif, durante a live.

Entre as exigências da legislação para o pescador receber o benefício, está o de exercer a atividade de forma ininterrupta, ter registro ativo no Ministério da Agricultura e comprovar a comercialização do pescado.

Ouça na Rádioagência Nacional

Edição: Fábio Massalli

AS POPULAÇÕES DO SÃO MIGUEL E SÃO DOMINGOS, EM ALERTA PARA AS MENTIRAS DO PREFEITO DE ILHÉUS – VÍDEO

Cansados de tantas mentiras e enrolação, os moradores estão se defendendo como podem.

Na Bahia, Governo Federal formaliza parceria com o Exército para construção de trecho da FIOL

Evento no município de São Desidério/BA inclui visita técnica do ministro Tarcísio de Freitas às obras da Ferrovia de Integração Oeste-Leste 

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, participa nesta sexta-feira (11), em São Desidério/BA, da assinatura de termo de parceria entre a Valec e o Exército Brasileiro para a construção de um trecho da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (FIOL). A solenidade está prevista para às 10h, no Lote 7 da FIOL. A agenda inclui visita técnica às obras da ferrovia localizadas no município do oeste baiano. Está prevista a participação do presidente da República, Jair Messias Bolsonaro.

A partir da formalização da parceria com a Valec, o Exército vai atuar na construção de 18 km do Lote 6 da FIOL, próximo a Correntina/BA. É a primeira vez, desde 1990, que um batalhão de engenharia assume uma obra de ferrovia. De acordo com a Valec, a previsão é de que o novo trecho fique pronto em 2022.

Serviço:

Assinatura de parceria entre Valec e Exército – Visita a obras da FIOL
Endereço: Lote 7 da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (FIOL) – km 534
Data: 11 de setembro de 2020
Horário: 10h

Credenciamento:

https://www.gov.br/planalto/pt-br/acompanhe-o-planalto/area-de-imprensa/credenciamento-de-imprensa/avisos-de-credenciamento/visita-presidencial-as-obras-da-ferrovia-de-integracao-oeste-leste-fiol

PONGA PONGA NO PORTO SUL

O Porto Sul já era para estar pronto há muito tempo.

Porém interferências de Ongs pseudo ambientalista, tais como (Ação Ilhéus) Instituto Nossa Ilhéus, Instituto Floresta Viva, e outras mais. Manobravam contra o Porto Sul

Além da tibieza do Governo do Estado, em não tomar atitudes mais proativas para finalização do projeto.

Temos farta documentação sobre o assunto.

Agora posam de benfeitores do Porto Sul, manobra meramente oportunista.

Novo sistema de pagamentos do BC, Pix será gratuito a pessoas físicas

Segundo presidente do banco, plataforma avança na democracia digital

Publicado em 20/08/2020 – 17:37 Por Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil – Brasília

Edifício-sede do Banco Central no Setor Bancário Norte, em lote doado pela Prefeitura de Brasília, em outubro de 1967

Novo sistema de pagamentos instantâneos que entrará em vigor em 16 de novembro, o Pix será gratuito para pessoas físicas, disse hoje (20) o diretor da Organização do Sistema Financeiro do Banco Central (BC), João Manoel de Mello. Ele negou que a gratuidade represente um tabelamento por parte da autoridade monetária.

“Isso [a gratuidade do Pix para pessoas físicas] não significa de modo algum que haja movimento de tabelamento por parte do Banco Central. Há diversos outros pontos do ecossistema abertos a todos os provedores de serviços de pagamento com capacidade de remuneração”, disse o diretor na abertura de um fórum promovido pelo BC para discutir a adoção do novo sistema.

Segundo Mello, o BC editará uma norma específica para detalhar onde o uso do Pix pode ser tarifado para pessoas jurídicas. Ele não deu prazos para a publicação da regra, mas disse que a demora na regulamentação está causando ansiedade nos operadores de mercado.

O diretor informou ser importante levar em conta que existem meios eletrônicos de pagamento semelhantes funcionam sem cobrança de tarifa para pessoas físicas. De acordo com ele, a regulação do BC apenas procurará dar tratamento igual aos diversos sistemas de pagamento. De acordo com a autoridade monetária, o Pix custa R$ 0,01 para cada dez transações, mas o custo será assumido pelas pessoas jurídicas que aderirem ao sistema.

Convênios

O diretor anunciou que o BC está prestes a fechar convênios para que entes do governo aceitem pagamentos pelo Pix. Segundo Mello, as conversas com o Tesouro Nacional e com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) estão em fase avançada. Para ele, o pagamento de faturas de serviços básicos ajudará a popularizar o novo sistema.

O presidente do BC, Roberto Campos Neto, também participou da abertura do evento. Em discurso rápido, afirmou que o Pix representa uma semente de várias iniciativas que pretendem ampliar a democratização digital e acrescentou que a ferramenta revolucionará a intermediação financeira no país.

Operação

Nova ferramenta que funcionará 24 horas por dia reduz o tempo de liquidação de pagamentos entre estabelecimentos com conta em bancos e instituições diferentes, o Pix entrará em operação em 16 de novembro. O cadastro das Chaves Pix – combinação com telefone celular, CPF, CNPJ e e-mail necessária para operar a carteira digital – começará em 5 de outubro. As datas foram anunciadas no fim de julho.

As transações poderão ser feitas por meio de QR Code (versão avançada do código de barras lida pela câmera do celular) ou com base na chave cadastrada. O Pix trará agilidade em relação a sistemas atuais de pagamento, como a transferência eletrônica disponível (TED), que leva até duas horas para ser compensada, e o documento de ordem de crédito (DOC), liquidado apenas no dia útil seguinte.

No caso de empresas, a plataforma traz vantagens em relação ao pagamento por cartão de débito. Isso porque o consumidor pagante não precisará ter conta em banco, como ocorre com os cartões. Bastará abastecer a carteira digital do Pix para enviar e receber dinheiro.

Edição: Maria Claudia

LOCALIZA SUS – SITE DE ACOMPANHAMENTO DOS GASTOS COM O CORONAVÍRUS

https://localizasus.saude.gov.br/

Covid-19: site da Saúde tem dados de repasses a estados e municípios

Localiza SUS traz informações financeiras, de leitos e de medicamentos

Publicado em 08/09/2020 – 21:38 Por Jonas Valente – Repórter da Agência Brasil – Brasília

Teste ‘drive-thru’ para coronavírus

O Ministério da Saúde criou um site para divulgar compras realizadas para apoio a estados e municípios em ações de enfrentamento à pandemia do novo coronavírus. O site, batizado de Localiza SUS, reúne informações sobre recursos despendidos e materiais adquiridos.

A página traz a execução do orçamento da pasta e de recursos cujo crédito foi aberto para iniciativas de combate à covid-19. A dotação atualizada no dia de hoje (8) estava em R$ 41,2 bilhões. Já o montante executado foi de R$ 28,7 bilhões. Há também a informação da dotação já empenhada (R$ 31,315 bilhões) e o crédito disponível disponível (R$ 9,866 bilhões).

Em entrevistas coletivas nos últimos dias, os integrantes do MS justificaram o recurso não gasto por se tratar de processos de contratação em andamento, de programas que dependem da adesão de municípios (como a contratação de profissionais pelo projeto Brasil Conta Comigo ou os Centros de Atendimento à população).

O chamado Painel Financeiro mostra o orçamento total do órgão, a parcela destinada à covid-19 e os repasses por região e estados.

Ao site foi integrado o painel de leitos habilitados, termo utilizado quando o ministério arca com recursos de custeio dessas estruturas. Até hoje, haviam sido habilitados 12.827 leitos, enquanto outros 577 ainda estavam em análise.

Da mesma forma, o site registra o balanço de respiradores adquiridos e repassados a estados e municípios. O número mais atualizado dava conta de 10.811 aparelhos deste tipo comprados pelo ministério, sendo 5.552 de unidade de terapia intensiva (UTI) e 5.259 de transporte.

Também é possível conferir atualizações sobre medicamentos. No painel, são disponibilizados dados sobre cloroquina e oseltamivir. Até o momento, a primeira teve 5,6 milhões de unidades repassadas. O segundo, 14,7 milhões.

O Localiza SUS conta também com painéis com informações sobre testes, vacinas, equipamentos de proteção individual (EPIs) e compras e contratos. Na página também foram incluídos links para as áreas de balanço de casos e óbitos pela covid-19.

Edição: Bruna Saniele

Imagem: Painel do site

TURISMO E TRÂNSITO – EM ILHÉUS

Convergências de inutilidades.

Foto : WhatsApp

PROGRESSISTAS CONVOCAM PARA CONVENÇÃO PARTIDÁRIA EM ILHÉUS

contador free

nao basta

Webtiva.com // webdesign da Bahia
setembro 2020
D S T Q Q S S
« ago    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  


WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia