Archive for the ‘História’ Category

JOVENS ESSA É A VERDADEIRA HISTÓRIA DO BRASIL QUE QUEREM ESCONDER DE VOCÊ

DECLARAÇÃO DE AMOR A CIDADE DE SÃO JORGE DOS ILHÉUS – JORGE AMADO

Jorge Amado

(No centenário da cidade em 1981)


Cidade do meu amor, Rainha do Sul, reduto de índios, capitania, porta do cacau aberta ao mundo, porta de entrada ao universo grapiúna, São Jorge dos Ilhéus; pioneira, mãe de cidades, vilas, povoados, eu te saúdo em nome de tuas irmãs mais moças – Itabuna, Itajuípe, Belmonte, Uruçuca, Canavieiras, Ubaitaba, Caravelas, Una, Coaraci – em nome de todo o território e de todo o povo grapiúna, em tua data gloriosa, na festa de teu centenário.

Ditaste a lei e comandaste os homens na saga do cacau – sobre o sangue derramado construíste riqueza e civilização. Venho te ofertar meu amor de toda a vida, desde que cheguei infante à fímbria de teu mar, às praias do Pontal, vindo das terras ricas de Itabuna, das roças recém-plantadas, de Ferradas onde fui parido. Me acalentaste em teu seio pujante, de tua seiva me alimentei de destemor, de malícia e graça, de paixão pela aventura. Me ensinaste o acontecimento e a poesia, me deste a medida da vida e da morte, me deste a chave da adivinha, a que abre as portas da realidade e da magia.

Me fizeste homem e escritor, te devo a decisão, o conhecimento e o ofício, para que um dia eu viesse te reescrever, povoar tuas ruas, e arauto de tua grandeza, levasse teu nome ao longínquo e ao recôndito, aos confins.

Neste teu dia de proclamação e reconhecimento, quero saudar a todos e a cada um; saudar os coronéis, os que aceitaram o desafio e assumiram a luta, vararam a selva, derrubaram a mata virgem e plantaram as roças: coronel Manuel Misael da Silva Tavares, começou tropeiro tangendo burros, terminou rei do cacau; coronel Pedro Catalão, parecia um europeu de tão civilizado; coronel Basílio de Oliveira e Sinhô Badaró, os invencíveis guerreiros; coronel Antônio Pessoa e sua intendência; coronel Ramiro Ildefonso de Araújo Castro em seu palacete; coronel José Ninck, negro e destemido; coronel João Amado de Faria, meu pai; o coronel Aguiar com quem ele conversava em frente à nossa casa é o pai de Adonias Filho; saudar Brasilino José dos Santos, meu compadre Brás, a cara marcada da bexiga, o riso aberto no rosto de caboclo; ele traçou os caminhos, violou a floresta, plantou os alicerces de Pirangi, fundador da cidade.

Saudar os principais responsáveis por tua grandeza: os alugados e os jagunços, vindos do sertão e de Sergipe, os que adubaram a terra com seu sangue generosos e a prepararam para o plantio e a colheita do cacau; saudar os que lutaram pelo progresso, por teu novo porto substituindo a pequena enseada de perigos e naufrágios – teu porto por onde saem para os quatro cantos do mundo as amêndoas do cacau, tua cor, teu sabor e teu perfume. Saudar João Mangabeira, recém formado bacharel em Direito, menino de dezenove anos, desembarcando em Ilhéus para aprender e ensinar – plantou a cultura em meio aos cacauais.

Quero rever as meninas em flor, as namoradas na janela e no portão, quero reencontrar as raparigas dos cabarés e dos castelos, românticas e puras; quero jogar dados no bar do cais com os ingleses da Estrada de Ferro, brindar por teu futuro – com eles aprendemos o valor e o gosto da bebida; quero sentar novamente ao lado dos jogadores de pôquer, num quarto do Hotel Coelho, dos profissionais vindos para o novo eldorado ganhar o dinheiro fácil dos coronéis do cacau com a trinca Itabuna e um renque de blefes – meu tio Álvaro Amado, coronel do cacau, exibia o jogo, recolhia as fichas, sorria modesto: “mal sei distinguir o valor das cartas”.

Quero ouvir a voz erudita de João Evangelista de Oliveira, discutindo gramática e romances franceses; ler o artigo castiço de Nelson Schaun; a página exemplar de mestre Epaminondas Berbert de Castro; o verso de Fernando Caldas; escutar o riso de Helvécio Marques – eles empunharam a cultura como uma arma, tão importante quanto o rifle e o clavinote. Quero andar outra vez no Ford-de-bigodes de Demostinho, varar a estrada de lama e buracos para penetrar nas festas de Itabuna, namorar em Água Branca e em Banco da Vitória – Demosthenes Berbert de Castro, o patriota por excelência, o herói da construção do porto, o infatigável cidadão.

Quero abraçar Raymundo Sá Barretto, a imbatível lealdade a serviço de tua tradição e de teu progresso, quero perambular vagabundo pelas ruas, com o poeta Sosígenes Costa, vindo dos mares de Belmonte para ser teu predileto, aquele que te engrandeceu e nos deu o dom maior da poesia eterna. Quero ir buscar Otávio Moura na redação do jornal para partirmos ao encontro das mulheres mais famosas nos becos mais esconsos. Quero assistir o navio sueco vencer a barra estreita e ameaçadora e ancorar na manhã de minha infância, trazendo o sonho das virgens, a sedução da falsa loira de Estocolmo.

Quero brindar em tua honra com os ficcionistas grapiúnas, os que narram tuas histórias e inventam tua humanidade, conservam viva tua memória: Adonias Filho, James Amado, Jorge Medauar, Hélio Pólvora, Sônia Coutinho, Emo Duarte, Elvira Foepel, Cyro de Mattos, Marcos Santarita, Clodomir Xavier de Oliveira, meus irmãos de ofício e de labuta. Quero te saudar com os poemas mais belos de Telmo Padilha e Florisvaldo Mattos.

Quero improvisar uma canção, pronunciar um discurso, conceber um verso que seja igual à aurora, tenha a beleza única das roças de cacau, dos frutos sazonados, para dizer de tua face múltipla, rural e marítima, bravia e terna, de tua altivez atlântica, de tua graça cativante, de tua juventude centenária, de tua grandeza, cidade ilustre e fundamental, chão de valentes.

Sou teu filho, cresci em tuas ruas, contigo aprendi a liberdade e o futuro, a luta contra a opressão e a miséria, contigo aprendi o amor – minha cidade de Ilhéus, minha pátria bem-amada!

Obs: Em 1981 é o centenário da cidade, pois em 1881 Ilhéus foi elevada de vila à cidade.

*Na foto, os escritores, Jorge Amado, Sá Barretto, Telmo Padilha, Florisvaldo Mattos e James Amado.

Jorge-Amado-Sa-Barretto-Telmo-Padilha-Florisvaldo-Mattos-e-James-Amado

Jorge-Amado-Sa-Barretto-Telmo-Padilha-Florisvaldo-Mattos-e-James-Amado

Na Tradição de Santos-Dumont, a história da FAB e da aviação brasileira.

COLO- COLO EM SUA FORMAÇÃO DE ORIGEM.

colocolooriginal

As camisas são as originais, do Boca Juniors argentino, trazidas por Zé Haroldo se não me engano.

COLO COLO – FUTEBOL E REGATAS
FUNDADO EM 03 DE ABRIL DE 1948.
Fonte: Revista Esporte e Fisicultura
Acervo: Rose Lima.

QUEM SÓ CONHECIA DE NOME, CONHEÇA AGORA.

O Ministro da Propaganda nazista, Joseph Goebbels,

faz cara feia para um fotógrafo judeu em 1933

O Ministro da Propaganda nazista, Joseph Goebbels, faz cara feia para um fotógrafo judeu em 1933

O Ministro da Propaganda nazista, Joseph Goebbels,
faz cara feia para um fotógrafo judeu em 1933

QUALQUER SEMELHANÇA, TRATA-SE DE MERA COINCIDÊNCIA.

 

Ilha Fiscal - O último grande baile do Império

Ilha Fiscal – O último grande baile do Império

ALGUNS ALAGAMENTOS EM ILHÉUS SÃO EXPLICÁVEIS – CONSTRUÇÕES SEM PLANEJAMENTO.

As águas pluviais da Cidade Nova e Soares Lopes, iam para onde? Estão indo para onde, agora?

fundo0

fundo1

 

A DRENAGEM DO MÁRIO PESSOA FOI FEITA COM SALITRE DO CHILE.

Antigamente as coisas eram feitas com cuidados. O terreno era alagadiço.

Por Walmir Rosário

Um passado brilhante, um presente obscuro e um futuro de esperança. Assim veem os desportistas da cidade a trajetória do futebol de Ilhéus, cujas glórias e craques ainda estão na ponta da língua dos torcedores mais apaixonados. Não é pra menos. Afinal de contas, em 1941, o prefeito Mário Pessoa investiu 1 mil e 200 contos de réis na construção de um estádio à altura de suas tradições – o Mário Pessoa –, imponente e o maior de todo o interior da Bahia, que se orgulhava, dentre outros feitos, de ter mandado vir de Salvador um navio carregado de Salitre do Chile somente para fazer a drenagem “toda em espinha de peixe”, como relembra o cartola Airton Adami. 

Ilhéus-Atlético-Clube-amador

Ilhéus-Atlético-Clube-amador

Leiam mais sobre o futebol ilheense no link abaixo:

http://www.ciadanoticia.com.br/v1/tag/estadio-mario-pessoa/

SIMPLESMENTE ESTARRECEDOR !

Um assassino frio chamado Carlos Eugênio Sarmento Coelho da Paz

Repasso. Enquanto isso, o Ustra e outros militares e civis são tratados como se fossem marginais da pior qualidade. A bem da verdade, seria muito bom que essa “sede de justiça” demonstrada por uns tantos, fosse aplicada aos derrotados de ontem e aos ladrões dos dinheiros públicos de hoje, já que bebem da mesma fonte ideológica. 
OJBR

Kamaradas
Vejam com riqueza de detalhes como esse marginal relata os assassinatos que cometeu. El?e? foi comandante da ALN e em 1972 abandonou a organização e seus comandados, escalando a si próprio para um curso de guerrilhas em Cuba, ao final do qual viajou para Paris onde ficou até a anistia. Nunca foi preso. Atualmente, no Rio de Janeiro, dá aulas de violão para crianças, cujos pais não sabem de nada…

Não mandei para a Omissão da Verdade, pois não é assunto que interesse aos comissários.
Azamba

[Azamba é Carlos Ilich Santos Azambuja – historiador]

http://www.youtube.com/watch?v=rsEjlc-vhgw&feature=player_embedded

 

TITANIC SENDO RETIRADO DO FUNDO DO MAR 100 ANOS DEPOIS.

BRASILEIRÃO 2015 CLASSIFICAÇÃO
Carregando...

Tabela do Brasileirão

Dê a sua opinião:

QUAL DESTAS ATIVIDADES, APRESENTAM UMA MAIOR LUCRATIVIDADE?

Resultados

Loading ... Loading ...


contador de visitas

nao basta

Webtiva.com // webdesign da Bahia
Agenda
maio 2015
D S T Q Q S S
« abr    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31