WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

:: ‘Eleições’

Presidente veta ‘federação de partidos’, que prolongaria coligações

POLÍTICA

As ‘federações’ manteriam as coligações partidárias até a eleição seguinte

Urna eletrônica brasileira – Foto: Roberto Jayme/Ascom TSE

O PL nº 2.522, de 2015, que alteraria Lei dos Partidos Políticos (nº 9.096, de 19 de setembro de 1995) e a Lei das Eleições (nº 9.504, de 30 de setembro de 1997), foi aprovado pela Câmara dos Deputados por 304 votos a 119 em agosto.

Os partidos organizados em federação constituiriam programa, estatuto e direção comuns. Diferentemente das coligações eleitorais, as federações não encerrariam o seu funcionamento comum terminado o pleito. Na prática, a proposta ajudaria partidos a alcançar a cláusula de barreira – instrumento criado para reduzir o número de partidos com pouca representação na Câmara dos Deputados.

A Secretaria-Geral da presidência da República disse, em nota, que “a proposição contrariaria interesse público tendo em vista que a vedação às coligações partidárias nas eleições proporcionais, introduzida pela Emenda Constitucional nº 97/2017, combinada com regras de desempenho partidário para o acesso aos recursos do fundo partidário e à propaganda gratuita no rádio e na televisão tiveram por objetivo o aprimoramento do sistema representativo, com a redução da fragmentação partidária e, por consequência, diminuição da dificuldade do eleitor se identificar com determinada agremiação.”

Ainda de acordo com a secretaria-geral, o PL “inauguraria um novo formato com características análogas à das coligações, em que pese a proposição ter estabelecido regras específicas para buscar dar maior estabilidade para este instituto proposto.”

Sem distritão, Câmara aprova texto-base da PEC da reforma eleitoral

Deputados aprovaram volta das coligações partidárias

Publicado em 11/08/2021 – 23:53 Por Agência Brasil – Brasília

A Câmara dos Deputados aprovou, na noite desta quarta-feira (11), por 339 votos a 123, o texto-base da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 125/11,  que prevê mudanças nas regras eleitorais.  Conforme acordo entre a maior parte dos partidos, foi retirado do texto da relatora, deputada Renata Abreu (Podemos-SP), o uso do distritão puro nas eleições de 2022 para deputados. O tema foi votado como destaque, assim como outros pontos do texto. 

distritão puro prevê a eleição dos candidatos que obtiverem mais votos no pleito, sem levar em conta os votos dados aos partidos, como ocorre no atual sistema proporcional.

Durante a votação, o destaque que retirava o distritão do texto foi aprovado pelos parlamentares por 423 a favor, 35 contra e 4 abstenções. Pelo acordo, haveria a retirada do distritão e a manutenção da volta das coligações partidárias, item que também foi retirado do texto e votado como destaque. Esse item foi aprovado por 333 a favor, 149 contra e 4 abstenções. Para as alterações valerem para as eleições de 2022, a PEC precisa ser aprovada até o início de outubro, ou seja, um ano antes do pleito.
 
Além do distritão e das coligações partidárias, outros itens da proposta foram votados como destaques, como o artigo que determina que os votos de candidatas mulheres e negras sejam computados em dobro para fins de cálculo da distribuição do Fundo Partidário e do Fundo Eleitoral que ocorrerem entre 2022 e 2030. O destaque foi aprovado pelos parlamentares.

A PEC também prevê, entre outras alterações, o adiamento das eleições em datas próximas a feriados, e a que altera a data de posse do presidente da República que, a partir de 2027, que passaria a ser realizada em 5 de janeiro, e dos governadores e prefeitos, que seriam empossados em 6 de janeiro.

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) determinou que a votação de cinco destaques para encerrar o primeiro turno e o segundo turno da PEC ocorrerá nesta quinta-feira (12). A sessão está marcada para as 10h. 

Votação de PEC

Por se tratar de Proposta de Emenda à Constituição, o texto precisa ser aprovado por três quintos dos parlamentares, o correspondente a 308 votos favoráveis, em dois turnos de votação. Se aprovado, a matéria segue para o Senado, onde precisa de 49 votos, também em dois turnos. 

Para que as novas normas estejam em vigor nas eleições de 2022, as mudanças têm de ser incorporadas à Constituição até o início de outubro.

Edição: Fábio Massalli

‘Distritão’ avança no Congresso e deve ser aprovado já para 2022

COLUNA CH / 26 DE JULHO

A PEC 125, da “reforma eleitoral”, deve ser aprovada na Câmara dos Deputados ainda este ano, sem dificuldades

ACESSIBILIDADE:
Plenário da Câmara dos Deputados antes da pandemia. Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Pegando carona

No sistema atual, que dá poder às direções partidárias, candidato bem votado “arrasta” candidatos sem votos suficientes para se eleger.

Os sem-votos

Nas eleições de 2018, por exemplo, figuras como Rodrigo Maia (DEM-RJ) só ganharam mandato em razão de truques como “voto de legenda”.

Veto também ajuda

O anunciado veto de Bolsonaro ao fundo eleitoral pornográfico de R$5,7 milhões também reforça a aprovação do distritão.

Aprovação tranquila

O cientista político Paulo Kramer acha que a aprovação no Senado deve ser tranquila já que não afeta os atuais ocupantes de cargos majoritários.

Lei anti-marajás também limita salários em estatais

Aprovado pela Câmara de volta ao Senado para ser arrematado, o projeto nº 6726, que acaba de uma vez com marajás no serviço público, vai afetar, finalmente, empregados e dirigentes de empresas estatais que dependem recursos dos governos para pagar salários e custeio. Só no governo federal, são 19 estatais dependentes de recursos públicos para pagar folhas salariais, de acordo com relatório da Sest (Secretaria de Coordenação e Governança das Estatais), do Ministério da Economia.

A Viúva é rica

Na estatal de comunicação EBC, o governo federal paga 74,2% do valor dos salários, mas há privilegiados que recebe até R$47,5 mil por mês.

Assim não dá

A CBTU (Trens Urbanos) retira dos cofres federais 84,5% de sua folha salarial, que paga até R$41,7 mil por mês a seus empregados.

Acima do teto

Amazul (Amazônia Azul Tecnologias de Defesa S/A), da Marinha, 100% dependente do governo, paga salários de até R$41,1 mil, acima do teto.

Poder sem Pudor

Questão de memória

Na campanha presidencial de 1960, Jânio Quadros, dono de memória prodigiosa, seguia com rigor uma espécie de script, que incluía os gestos teatrais. Repetia o mesmo discurso em cada cidade. Milton Campos, o vice, ao contrário, abordava temas diferentes. Certa noite, Jânio observou: “Dr. Milton, que maravilha. Um discurso para cada comício! Que cultura!” Campos respondeu, gentil: “Não é cultura, é incapacidade de memorizar…”

Vacina, emprego e voto

Presidente da Câmara, Arthur Lira tentou dar um fim na discussão sobre eleições. “A despeito do que sai ou não na imprensa, o fato é: o brasileiro quer vacina, quer trabalho e vai julgar seus representantes em outubro do ano que vem através do voto popular, secreto e soberano”, decretou.

Seguidores fake

A ferramenta Twitter Audit, que identifica perfis falsos entre os seguidores, aponta que 16% dos 2,2 milhões de seguidores de Lula são fakes. Entre os 6,7 milhões de seguidores de Bolsonaro, 12% são falsos.

Um mês de queda

Desde o dia 23 de junho está em queda a média de novos casos diários da Covid-19 no Brasil. Foi de 78 mil novos casos por dia para 37,3 mil, em 23 de julho. Só na última semana, houve queda de 13% nos casos.

Lista democrática

A Associação dos Advogados Federais (Anafe) fez uma eleição-factóide, para indicações que não serão consideradas (para a chefia da AGU), mas ao menos escolheu um representante de cada carreira. Nas listas tríplices para a PGR, só há representantes de uma única carreira.

Frase do dia

Todas as fontes de dinheiro público devem ser consideradas

Senador Lasier Martins (Pode-RS) sobre seu projeto que destina os bilhões do fundão eleitoral para combater a pandemia

79 anos

Em 26 de julho de 1942, um submarino alemão, o U-66 bombardeou o navio mercante brasileiro Tamandaré, em um episódio que levou o Brasil ingressar na Segunda Guerra Mundial ao lado dos países aliados.

Censura bajulada

A claque aplaude na mídia quando Facebook e Instagram censuram posts que entendem “fake news” sobre vacinas. Há poucos meses, a suspeita de que a Covid vazou de laboratório chinês era “conspiração” e mentira, tratado como “fake news”. Não é mais, apesar da censura.

Saúde, 68 anos

Dedicado exclusivamente à definição de políticas públicas sanitárias e de saúde no Brasil, o Ministério da Saúde completou 68 anos neste domingo (25). Antes disso era “Ministério da Educação e da Saúde”.

Brasileiro adora vinho

Levantamento do Cupom Válido revela que o brasileiro nunca consumiu tanto vinho como em 2020, o ano da pandemia. Foram 2,78 litros de vinho por habitante; um aumento de mais de 30% em relação a 2019.

Pergunta na rede

Checadores de “fake news” também estão em recesso parlamentar?

Eles brigam na CPI, mas se uniram pelo fundo eleitoral pornográfico

R$5,7 BILHÕES

Aziz e Rogério batem boca na CPI, mas votaram juntos pela tunga bilionária

ACESSIBILIDADE:

Sessão da CPI da Pandemia – Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Na CPI da Pandemia, Omar Aziz (PSD-AM) esqueceu as divergências e se uniu a senadores governistas e a opositores, como ele, para ajudar a aprovar o aumento do fundão eleitoral de R$2 bilhões, já ética e financeiramente inaceitáveis, para R$5,7 bilhões em 2022.

Sabido, Renan Calheiros (MDB-AL) preferiu não votar, mas sua alma gêmea no Senado e na CPI, Eduardo Braga (MDB-AM), votou favorável à tunga. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

Com isso, a maioria do “G7” na CPI se desfez, mudou de cara e virou “G4”, no apoio à decisão que provocou indignação todo o País.

Entres os titulares da CPI, votaram em favor da tunga de R$5,7 bilhões os governistas Ciro Nogueira (PP-PI) e Marcos Rogério (DEM-RO).

Luiz Carlos Heinze (PP-RS), Angelo Coronel (PSD-BA) e Zequinha Marinho (PSC-PA) são os suplentes da CPI que apoiaram a tunga.

PINCELADAS DA MALHA FINA DO JORNAL A REGIÃO

Foto montagem: Pimenta blog

 

Bolsonaro lidera para presidente em SP com Doria em 4º ou 6º, dependendo do cenário

Presidente tem 32% contra 23,7% de Lula, e se o PT for de Haddad o petista teria 14,5%

De acordo com essa pesquisa, em um cenário com o ex-presidente Lula participando da disputa, Bolsonaro teria 32% dos votos, contra 23,7% do petista.

Nesse primeiro cenário, o ex-juiz Sergio Moro aparece em terceiro, com 6.7%, seguido Doria com 6,3%, Ciro Gomes (ODT) com 6,1%, dos paulistas  Huck (5,2%) e João Amoedo (4,1%) e do mineiro Rodrigo Pacheco (DEM), com 0,6%.

De acordo com o levantamento, não sabem ou não opinaram 3,8% e 11,5% não opta por qualquer desses nomes ou votaria branco ou nulo.

Veja os números do Cenário 1 da pesquisa sobre a disputa presidencial:

Em um segundo cenário, no qual o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad seria o candidato do PT, a vantagem do presidente Bolsonaro seria ainda maior.

Nessa hipótese, o atual presidente di Brasil tem 32,7% das intenções de voto, contra 14,5% do petista. Seguem-se os pré-candidatos Ciro Gomes (8,35%), Huck (7,6%) e Moro (7,3%).

No quadro de candidaturas sem Lula, o governador tucano João Doria está apenas em 6º lugar, com 7,1%, à frente apenas de João Amoêdo (Novo), que tem 4,3% e Rodrigo Pacheco, com 0,8%.

Neste cenário, 3,6% não sabem ou não responderam e 13,8% afirmam que não votariam em nenhum deles ou faria opção por votar Branco ou Nulo.

O Paraná Pesquisas entrevistou 1.602 eleitores em 92 municípios de todos os Estados e do Distrito Federal, entre os dias 28 de abril e 1º de maio.

Veja os números do Cenário 2 da pesquisa sobre a disputa presidencial:

 

Rui confirma candidatura de Wagner ao governo em 2022

 EM BAHIA

Rui confirma candidatura de Wagner ao governo em 2022

Política ao Vivo. Siga a gente no Instagram: @politicaaovivo

Foto: Secom divulgação.

O governador Rui Costa (PT) confirmou, em bate-papo com o jornalista Reinaldo Azevedo na rede social Clubhouse, na última terça-feira (16), que o senador Jaques Wagner será candidato ao governo da Bahia em 2022.

A resposta de Rui veio após o questionamento de Reinaldo.

Eleito senador para a Legislatura 2019-2026, Wagner governou a Bahia entre 2007 e 2014, quando elegeu Rui seu sucessor. Antes da confirmação de Rui Costa, outros nomes do partido já haviam colocado Wagner como candidato. Recentemente, o próprio senador admitiu que poderia novamente concorrer ao Palácio da Ondina.

Além do petista, outros nomes do grupo político, como o também senador Otto Alencar (PSD) e o vice-governador João Leão (PP) stão cotados para a disputa.

Figurinha repetida completa álbum? PT da Bahia aposta que sim

Quinta, 11 de Fevereiro de 2021 – 07:20

Figurinha repetida completa álbum? PT da Bahia aposta que sim

por Fernando Duarte

Figurinha repetida completa álbum? PT da Bahia aposta que sim

Foto: André Carvalho/ Ag. Haack/ Bahia Notícias

O PT da Bahia “formalizou” o nome do ex-governador Jaques Wagner como a indicação do partido para voltar ao Palácio de Ondina em 2022. Não chega a ser uma novidade, dado os movimentos recentes de figuras influentes no partido, a exemplo do governador Rui Costa, que já havia endossado o antecessor como um candidato em potencial. O Galego, como é conhecido, é competitivo na avaliação não apenas dos correligionários, mas também de aliados. Porém é também uma comprovação de que o PT não é célere na formação de novas lideranças políticas, já que prefere apostar o que já foi testado. Clique aqui e leia a coluna completa!

PSDB também deve abandonar bloco e já se fala em desistência de Baleia Rossi

Teve grande impacto retirada de apoio do partido de Rodrigo Maia a seu próprio candidato

A debandada do DEM inspirou outros partidos e o PSDB também caminha para definir nesta segunda-feira (1º) sua saída do bloco de apoio à candidatura de Baleia Rossi (MDB-SP) à presidência da Câmara. A debandada fragilizou Baleia de tal maneira a que no fim da noite deste domingo (31) já circulavam rumores sobre a desistência do candidato de Rodrigo Maia, que não quer correr o risco de uma votação humilhante.

A saída da bancada tucana representa derrota não apenas para Rodrigo Maia, mas principalmente para outro inimigo declarado do presidente Jair Bolsonaro: o governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

A “neutralidade” decidida neste domingo pela bancada do DEM foi uma reação à atitude do próprio Maia, que incluiu o partido entre os apoiadores de Baleia sem ao menos consultar os deputados. Antes de iniciar a reunião deste domingo, a maioria dos deputados do DEM já apoiavam Arthur Lira (PP-AL).

Após a debandada do DEM do bloco de apoio articulado por Rodrigo Maia, que é seu filiado, outros partidos passaram imediatamente a rever o apoio a Baleia e até mesmo, como no caso do PT, ao candidato do DEM à presidência do Senado, Rodrigo Pacheco (MG).

O grande temor dos partidos que apoiam Baleia Rossi é que sua derrota os excluirá não apenas de cargos da mesa diretora, mas do comando de todas as comissões permanentes da Câmara. Foi mais ou menos o que levou a maioria do MDB do Senado a abandonar a candidatura de Simone Tebet (MS) para apoiar Pacheco.

Maia reagiu mal à decisão do seu partido, que na prática o deixou falando sozinho. Após gritar descontrolado que não aceitava a decisão da bancada, como se isso tivesse algum significado, ele ameaçou a vingança contra “o grupo de Bolsonaro”: a aceitação de “qualquer um” dos pedidos de impeachment do presidente.

Câmara e Senado escolhem hoje novos dirigentes

Eleições serão presenciais e voto é secreto

Publicado em 01/02/2021 – 05:30 Por Luciano Nascimento – Repórter da Agência Brasil – Brasília

A cúpula menor, voltada para baixo, abriga o Plenário do Senado Federal. A cúpula maior, voltada para cima, abriga o Plenário da Câmara dos Deputados.

Deputados e senadores se reúnem hoje (1°) para definir quem comandará as duas casas nos próximos dois anos. O Senado será a primeira casa a definir o novo presidente. Lá a eleição está marcada para começar as 14h. Já a Câmara começa a definir quem será o futuro presidente a partir das 19h. Por definição das mesas diretoras das duas casas, ambas as eleições serão presenciais. O voto também é secreto e apurado pelo sistema eletrônico.

Tanto na Câmara, quanto no Senado, os mandatos têm duração de dois anos, com possibilidade de reeleição.

No Senado, quatro parlamentares concorrem ao cargo. São eles: Simone Tebet (MDB-MS), Rodrigo Pacheco (DEM-MG), Major Olimpio (PSL-SP) e Jorge Kajuru (Cidadania-GO). Novas candidaturas podem ser apresentadas até pouco antes do início da votação. A disputa, entretanto, está polarizada entre a senadora Simone Tebet e o senador Rodrigo Pacheco.

A reunião preparatória para a eleição está marcada para as 14h. Ela pode ser aberta com o quórum de 14 senadores, o equivalente a um sexto da composição do Senado. Mas a votação propriamente dita só começa com a presença da maioria absoluta da Casa, que é de 41 senadores.

Para ser eleito, o candidato precisará ter no mínimo a maioria absoluta dos votos, ou seja, pelo menos 41 dos 81 senadores.

Na ocasião serão eleitos ainda os demais membros da Mesa Diretora, também para um mandato de dois anos, mas a recondução é vedada. A Mesa é composta pelo presidente, dois vice-presidentes, quatro secretários e seus suplentes. Os votos para os cargos da Mesa só são apurados depois que for escolhido o presidente.

Como a eleição será presencial, medidas de segurança foram adotadas para evitar a contaminação pelo novo coronavírus. Entre elas estão a colocação de duas urnas de votação do lado de fora do plenário: uma na chapelaria (uma das entradas do prédio do Congresso) e outra no Salão Azul.

O plenário estará com acesso restrito a senadores. Também haverá mais pontos com oferta de álcool em gel na Casa.

Cargo

O cargo de presidente do Senado é privativo de brasileiros natos e acumula a função de presidente do Congresso Nacional, sendo ainda o terceiro na linha de sucessão da Presidência da República, depois do vice-presidente e do presidente da Câmara dos Deputados. Ele também integra o Conselho de Defesa Nacional e o Conselho da República. Ambos são órgãos consultivos do presidente da República.

Além disso, cabe ao presidente da Casa organizar a pauta de votações e também conduzir os processos de julgamento do presidente da República, vice-presidente, ministros do Supremo Tribunal Federal, membros do Conselho de Justiça e do Conselho Nacional do Ministério Público, procurador-geral da República e advogado-geral da União e, nos crimes conexos ao presidente e vice, ministros de Estado, comandantes das Forças Armadas.

Câmara

No caso da Câmara, o atual presidente, Rodrigo Maia (DEM-RJ), chegou a propor a realização de maneira remota, mas a mesa decidiu, por maioria, pela votação presencial. Com isso, está prevista a circulação de aproximadamente 3 mil pessoas no prédio da Câmara, em um momento de aumento nos casos de contaminação pelo novo coronavírus em todo o país.

Visando diminuir as aglomerações e manter o distanciamento, a mesa decidiu que as urnas para a votação ficarão dispostas no plenário e nos salões Verde e Nobre, espaços que ficarão restritos aos parlamentares.

Até o momento, nove deputados concorrem ao cargo de presidente – dois por blocos partidários, dois de partidos e cinco candidaturas avulsas. Novas candidaturas podem ser apresentadas até pouco antes do início da votação.

A disputa, entretanto, está polarizada entre as candidaturas dos deputados Arthur Lira (PP-AL) e Baleia Rossi (MDB-SP). Lira foi o primeiro parlamentar a se lançar na disputa. Já Rossi conta com o apoio do atual presidente da Casa.

Prazo

Na quinta feira (28), Maia encaminhou ofício aos deputados informando que o prazo limite para a formação de blocos parlamentares termina nesta segunda-feira (1º), às 12h.

Às 14h, terá início a reunião de líderes, para a escolha dos cargos da Mesa Diretora pelos partidos, conforme o critério de proporcionalidade. Pelo regimento, os cargos são distribuídos aos partidos na proporção do número de integrantes dos blocos partidários.

A mesa é composta pelo presidente, dois vice-presidentes, quatro secretários e seus suplentes. Os votos para os cargos da Mesa Diretora só são apurados depois que for escolhido o presidente.

Conforme o Regimento Interno, a eleição dos membros da mesa ocorre em votação secreta e pelo sistema eletrônico, exigindo-se maioria absoluta de votos no primeiro turno e maioria simples no segundo turno.

Às 17h, termina o prazo para registro das candidaturas. Terminado esse prazo, haverá o sorteio da ordem dos candidatos na urna eletrônica.

Às 19h está previsto o início do processo de escolha do novo presidente. Pelo regimento da Câmara, para que um candidato seja eleito, ele precisa da maioria absoluta dos votos, ou seja, 257 dos 513 votos disponíveis.

Caso nenhum candidato alcance a maioria absoluta, será realizado um segundo turno, em que sairá vencedor o que obtiver maioria simples.

Presidência

O cargo de presidente da Câmara dos Deputados é reservado a brasileiros natos. Cabe ao presidente falar em nome da Casa legislativa. Quem ocupa o cargo também é responsável por ficar no segundo lugar na linha sucessória da Presidência da República, depois do vice-presidente. Integra ainda o Conselho de Defesa Nacional e o Conselho da República.

Cabe ao presidente da Casa organizar a pauta de votações, a chamada ordem do dia, em conjunto com o Colégio de Líderes, integrado pelas lideranças dos partidos políticos e bancadas da Casa.

Além disso, o presidente da Câmara dos Deputados tem a palavra final sobre pedidos de abertura de processo de impeachment ou instalação de comissões parlamentares de Inquérito (CPI’s).

Edição: Graça Adjuto

Ministros do DEM devem escapar da ‘vassourada’ da reforma na Esplanada

DEM tem dois ministros no governo, Tereza Cristina (Agricultura) e Onyx Lorenzoni (Cidadania), mas são considerados ‘imexíveis’

A reforma ministerial prevista para depois das eleições no Congresso deveria começar pela demissão dos ministros do DEM, mas o problema é que ambos são leais ao presidente e considerados muito eficientes e: Onyx Lorenzoni (Cidadania), amigo e afilhado de Jair Bolsonaro, e a admirada ministra da Agricultura, Tereza Cristina, são “imexíveis”. Eles até retomaram os mandatos na Câmara para enfrentar a direção do DEM e votar em Arthur Lira (PP), amanhã (1º), contra Baleia Rossi (MDB). A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

Onyx e Tereza Cristina não estão sozinhos no DEM, apoiando Arthur Lira. Ao menos 17 deputados do partido seguirão o mesmo caminho.

O DEM é o mais bem aquinhoado com cargos, mas, sob pressão de Rodrigo Maia, inimigo de Bolsonaro, declarou-se “independente”.

O líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), cobrou esta semana a definição do governo: “o DEM é independente com cargos?”

Bolsonaro deseja recuperar o tempo perdido, cercando-se de ministros comprometidos e que ajudem na aprovação de reformas, no Congresso.

Pesquisa nacional mostra que Bolsonaro lidera todos os cenários para presidente

Se a eleição fosse hoje, o atual presidente seria o mais votado no 1º e no 2º turnos

Levantamento nacional realizado pelo instituto Paraná Pesquisas revela que, se a eleição presidencial fosse realizada hoje, o presidente Jair Bolsonaro venceria a disputa em todos os cenários, contra todos os pré-candidatos, inclusive no “mano-a-mano” do segundo turno.

Em um primeiro cenário, Bolsonaro seria o mais votado com 30,5% dos votos, contra 12% de Sérgio Moro, enquanto o eterno candidato Ciro Gomes (PDT) somaria 10,6%, à frente de Fernando Haddad (PT), com 8,5%, Nesse cenário, Luciano Huck tem 8,1%, João Doria (PSDB) 5,4%, Guilherme Boulos (Psol) 3,5% e João Amoedo 2,9%.

No segundo cenário, Bolsonaro também lidera, com 31% das intenções de voto, contra 17% de Lula (PT), caso o ex-presidente pudesse participar da disputa. São seguidos por Sérgio Moro (12,1%), Ciro Gomes (9,2%), João Doria (5,3%), Boulos (3,6%), Amoêdo (3,3%) e Marina Silva, do Rede, com 2,3%.

No cenário 3, o atual presidente soma 33,7% contra 12.1% de Ciro, 11,7% de Haddad, 9,4% de Huck, 6,7% de Doria, 3,8% de Mandetta (DEM), 3,1% de Amoêdo e 1,1% de Flávio Dino (PCdoB).

Em hipotético segundo turno para presidente da República, Bolsonaro também lidera, em cenário contra Lula (42,4% a 35,7%), Moro (39,1% a 37,6%), Ciro (43,7% a 34,3%), Doria (44,9% a 29,4%) e Huck (42,7% a 33,2%).

O Paraná Pesquisas entrevistou 2002 eleitores em 204 municípios dos 26 estados e do Distrito Federal entre os dias 22 e 26 de janeiro.

Veja os números de segundo turno:

 

Além de liderar todos os cenários de 1º turno, Bolsonaro está à frente de todos também no 2º turno.

contador free
nao basta

Webtiva.com // webdesign da Bahia

marmita mensal
setembro 2021
D S T Q Q S S
« ago    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  


WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia