Em decorrência da assinatura dos contratos de gestão ambiental, espeleologia, arqueologia e desapropriação, foi realizada, do dia 20 ao 24 deste mês, uma visita ao Trecho 2 da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (FIOL) com representantes da PROSUL – Projetos, Supervisão e Planejamento LTDA, da Fundação Aroeira, da Strata Engenharia e do Consórcio HE Espeleológico, contratadas pela Superintendência de Gestão Ambiental e Territorial (SUGAT) para execução daqueles serviços.

A vistoria foi conduzida por Marcello Anastácio, Gerente de Sustentabilidade e Gestão Ambiental, e Aldemar Guerra, Gerente de Desapropriação e Assuntos Fundiários que, juntamente com os Gerentes de Implantação de Obras, Francisco Dalmo, Diego Fonseca e Paulo Medeiros, percorreram os lotes 5F, 6F, 6EB e 7F.

As obras e os pontos estratégicos de meio ambiente e desapropriação foram inspecionados em campo para facilitar o planejamento conjunto dos serviços a serem implantados, objetivando ambientar as empresas recém-contratadas, assim como realizar um alinhamento estratégico quanto ao empreendimento.

“Essa inspeção técnica é muito importante para que as obras corram da melhor forma possível, tendo em vista os desafios que o meio ambiente e a desapropriação trazem à área de engenharia em um empreendimento desse porte e, por meio da aproximação das obras com essas áreas, conseguimos alinhar as necessidades de cada setor com um objetivo comum que é construir uma ferrovia sustentável, com qualidade socioambiental e que atenda aos preceitos da justa desapropriação”, afirmou Anastácio.

 

 

Contratos

Os processos de licenciamento ambiental e desapropriação, necessários para a execução da obra, requerem a atuação de diversos profissionais para a elaboração de planejamentos necessários à obtenção das licenças e liberação de áreas.
Os contratos, firmados este ano, sob a ótica de produtos, perfazem valores de aproximadamente R$ 65 milhões ao longo de dois anos e se destinam ao atendimento das exigências contidas em licenças, autorizações, planos e projetos de meio ambiente e desapropriação, mediante atuação de empresas especializadas no gerenciamento, no monitoramento e na execução de estudos específicos.

De acordo com o Gerente Aldemar Guerra, estas contratações envolvem todos os serviços que são indispensáveis durante a construção de ferrovias. “Esses novos contratos são as ferramentas adequadas para a manutenção das licenças e autorizações vigentes, bem como um processo de transferência compulsória da propriedade do particular ao Poder Público, mediante indenização o justa e prévia, garantindo o alcance do interesse público e consolidando o compromisso socioambiental da empresa”, informou.