WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

:: 12/ago/2020 . 18:00

O VENENO DA NOITE!

Entraram no ônibus agora.

E já querem sentar na janela.

Paciência…

A INAUGURAÇÃO VAI SER COM PORTÕES ABERTOS?

BOTANDO A CARA NA RUA.

Anticorpos e Células T: como é construída a imunidade contra o novo coronavírus

Quando você contrai o vírus da catapora, sarampo ou gripe, por exemplo, seu corpo mobiliza um batalhão de células e moléculas para responder ao agente estranho e impedi-lo de te deixar doente. Assim, você pode começar a tossir bastante para eliminar o vírus da gripe de dentro do seu corpo, por exemplo, ou ter febre (o seu corpo aumenta a própria temperatura para tentar matar o corpo estranho). Essas ações são chamadas de resposta imune, mas ela não para por aí.

O seu corpo também mobiliza moléculas para matar os corpos estranhos chamadas de anticorpos, que são a principal defesa de nosso organismo contra doenças. Quando seus anticorpos entram em contato com uma nova doença, eles aprendem a lutar contra ela.

O mesmo acontece com outro tipo de proteção mediada pelos linfócitos T, que matam as células infectadas pelo agente estranho, como os vírus (o único problema é que vírus como o do HIV destrói as células T em si).

Em alguns casos esse aprendizado pode durar meses, como é o caso da gripe, ou a vida inteira, como é o caso do sarampo e da catapora.

Assim, quando você contrai uma doença infecciosa, existe uma chance grande de nunca mais contraí-la, ou demorar muito tempo para que isso aconteça de novo.

Por isso, podemos criar vacinas contra doenças, ensinar nossos corpos a combatê-las caso entremos em contato com elas algum dia e, em muitos casos, apenas precisamos tomá-la uma vez na vida ou a cada 10 anos, por exemplo.

Quando se trata do novo coronavírus, é com isso que contamos: que o nosso corpo consiga aprender a lutar contra o vírus e se lembre disso após a infecção, caso contrário, a vacina não será efetiva. O grande problema é que estudos do King’s College London mostram que os anticorpos podem desaparecer completamente após 3 meses e, em alguns casos, nunca aparecerem.

Logo, a grande esperança é que os linfócitos T, ou células T, sejam os grandes responsáveis pela imunidade pós-infecção do coronavírus e, aparentemente, é isso que ocorre. Ainda assim, em pacientes graves, as autópsias mostram que os órgãos nos quais as células  T são criadas necrosam, lesão semelhante a que ocorre em pessoas que morrem por HIV.

Ainda assim, estas células talvez sejam a nossa maior esperança na busca por uma vacina para o vírus da Sars-Cov-2.

https://www.vlvadvogados.com/

contador free

nao basta

Webtiva.com // webdesign da Bahia
agosto 2020
D S T Q Q S S
« jul   set »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  


WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia