segunda-feira, 20/julho/2020
Bill Oxford/Getty Images
Vacina de Oxford é segura e gerou resposta imune contra a covid-19
A vacina da Universidade de Oxford em parceria com a biofarmacêutica anglo-sueca AstraZeneca teve bons resultados contra o novo coronavírus nas fases 1 e 2, segundo um estudo publicado hoje na revista The Lancet. O estudo, realizado com cerca de 1.077 pessoas saudáveis, foi do tipo randômico, com grupo de controle (que recebeu uma vacina de meningite) e grupo cego (no qual os voluntários não sabem qual medicamento foi administrado).
Getty Images
Atividades práticas do ensino superior voltam em SP; veja regras
As instituições de ensino superior e de educação profissional poderão retomar atividades presenciais práticas e laboratoriais a partir de hoje, após meses de paralisação pela pandemia da covid-19. As atividades de internato e estágio curricular obrigatórias dos cursos de medicina, farmácia, enfermagem, fisioterapia e odontologia estão liberadas – desde que as respectivas unidades limitem a presença a até 35% do número de alunos matriculados.
Dado Ruvic/Reuters
Testes com vacina chinesa devem ser concluídos em 90 dias, diz Doria
Os testes clínicos de fase 3 no Brasil com a potencial vacina contra a covid-19 desenvolvida pela chinesa SinoVac Biotech começarão na terça-feira, no Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (USP) e deverão estar concluídos em 90 dias, segundo o governador de São Paulo, João Doria (PSDB). O estudo da potencial vacina chinesa será liderado pelo Instituto Butantan em 12 centros de pesquisa de cinco estados e do Distrito Federal, junto a 9.000 voluntários, que são profissionais da área de saúde.
Montagem EXAME/Agência Senado
Pandemia força Brasil a discutir adoção da renda básica de cidadania
Em 1516, no clássico livro Utopia, o intelectual inglês Thomas More esboçou uma ideia que outros pensadores desenvolveriam ao longo do tempo e que só agora, cinco séculos depois, seria estudada com seriedade por países nos quatro cantos do mundo: a renda básica de cidadania. A atual pandemia colocou essa utopia na ordem do dia. Em razão da necessidade de isolamento social para desacelerar a propagação do coronavírus, uma multidão de pessoas no mundo ficou impedida de trabalhar e garantir o próprio sustento.
Maxpana3/Wikimedia Commons
Pegar coronavírus duas vezes é possível? USP tenta descobrir
Dois casos de possível reinfecção por coronavírus são investigados no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Estão sob análise pacientes que se curaram da covid-19 em maio, mas tiveram de novo sintomas da doença em julho. Os testes de ambos voltaram a dar positivo para o Sars-CoV-2.