Ipojuca Pontes  15/07/2020 às 06:57

O atual presidente norte-americano, que não é trouxa, justificou sua decisão ao afirmar que a OMS, dirigida pelo proto-comunista etíope Tedros Adhanom, “fracassou ao lidar com a pandemia do covid-19 e se baseou demasiadamente em informações (fakes, adendo nosso) fornecidas pela China, país de onde surgiu o novo coronavírus”.

“Uma vez que eles fracassaram  em fazer as reformas pedidas e imensamente necessárias” – disse Trump em pronunciamento à imprensa, na Casa Branca – “estamos encerrando hoje as nossas relações com a Organização Mundial da Saúde”. (De fato, anteriormente o secretário de Estado Mike Pompeo havia pedido mais transparência quanto às notícias que davam conta de que o Instituto de Pesquisas Biológicas de Wuhan laborava na programação do novo Coronavírus, sobrelevando o fato de que o próprio prefeito da fatídica cidade, Zhou Xiangwang, “renunciou” ao cargo, depois de admitir que omitiu deliberadamente a letalidade do vírus. A demora em denunciá-la permitiu que mais de 5 milhões de chineses pudessem sair de Wuhan e se espalhassem pelo mundo antes da quarentena – omissão, de resto, incorporada pela conivente OMS, sob  “controle total” da China comunista de Xi Jinping, cujo objetivo maior é achatar “o modelo ocidental vigente e estabelecer a hegemonia global chinesa”. Daí, o poder sobre a aparelhada ONU e seus penduricalhos tais como a OMS,  UNESCO e agências afins.

NotíciasRelacionadas
Não sei se já disse, mas acompanho os movimentos da ONU desde quando lá estive há quatro décadas, inutilmente, para levantar dados sobre a fome no mundo. Fiz consultas em setores de sua imponente sede, na Praça das Nações, em New York. Minha primeira sensação foi de espanto: caminhando sobre tapetes puídos através de corredores sujos, me defrontei com seus burocratas terceiromundistas finamente encasacados e melhormente calçados – uma gente, para dizer o mínimo, afetada.

Foi com o socialista birmanês U Thant como Secretário-geral que a ONU começou a mudar de rota. Mais tarde, com o africano Kofi Annan, detentor de Prêmio Nobel, a Organização das Nações Unidas adotou o teiromundismo como marca da casa. Annan, que usava ternos caros e portava camisas de colarinhos impecáveis, foi acusado de conviver com casos de corrupção política e acosso sexual, enquanto o seu filho, Kojo, era denunciado por receber propina de uma empresa suíça distribuidora de petróleo, a Propecna S/A.

No histórico, herdeira da tristemente célebre Liga das Nações, a ambiciosa ONU foi criada em 1945 em São Francisco da Califórnia, Estados Unidos, no crepúsculo da 2ª Guerra Mundial, com objetivos nada desprezíveis, ou seja: manter a paz entre os povos, controlar a proliferação de armas nucleares, resolver querelas entre nações, fomentar o desenvolvimento, a cooperação e os direitos humanos etc., além de se empenhar, em âmbito planetário, nas tarefas de combater o analfabetismo, a fome e as doenças em geral (entre as quais se incluiria, via OMS, o letal covid-19).

O fenômeno, no entanto, tem sua  explicação: comprometida nas suas assembleias anuais em abrir espaços para imposição de uma Nova Ordem Mundial, a organização fomenta, à moda da casa, sua agenda “politicamente correta” voltada para a subversão dos valores éticos e espirituais que formaram as bases da civilização ocidental.

Dela parte um manancial de resoluções que estimulam a politização desenfreada do mundo gay, a batalha pela liberação das drogas (na qual o velho FHC apresenta-se como um paladino, amparado na grana fácil de George Soros), o acirramento dos conflitos raciais como afirmação da luta de classes propugnada por Marx, a degeneração dos costumes a partir da exploração comportamental permissiva estimulada pela “indústria do lazer” e, last but not least, a glamourização da violência em escala vertiginosa  pela mídia (jornal, rádio e televisão) amestrada.

Em resumo: logo após Donald Trump anunciar a retirada do apoio financeiro dos EUA a OMS, Tedros Adhabon apareceu vertendo lágrimas de crocodilo e pediu “união entre os humanos”, um exercício retórico típico da inoperante ONU. O fato concreto é que, ao esconder durante tempo significativo a letalidade do vírus chinês, o comunista Tedros apenas reincidiu na prática antiga de ocultar epidemias para fins políticos, conforme inúmeras denúncias, entre as quais a do especialista em saúde global, Laurence Gostin, diretor da Universidade de Georgetown. Indignado, o Dr. Gostin acusou Tedros de ter encoberto sucessivas epidemias de cólera quando era ministro da Saúde da Etiópia, chegando a responsabilizá-lo pela  morte de dezenas de milhares de pessoas do país africano.

Voltaremos ao assunto.