WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

:: jul/2020

O VENENO DA NOITE!

Depois que Bolsonaro foi eleito Presidente da República, por um Partido pequeno e desconhecido.

E de estar governando sem estar filiado a nenhum deles.

O povo não está nem aí para Partidos Políticos.

Pega a visão…

Autópsias de Bergamo: O problema principal não era o coronavírus ===>>> 10/05/2020

Di Cesare Sacchetti

A verdade sobre o que realmente aconteceu em Bergamo no mês passado começa a emergir. O Dr. Giampaolo Palma, cardiologista com muitos anos de experiência e atualmente operando em um centro especializado em doenças cardiovasculares em Salerno, explicou cuidadosamente quais seriam as verdadeiras causas de morte para pacientes positivos da Covid.

A anomalia de mortes registradas na área de Bergamo não teria sido a conseqüência direta de uma pneumonia intersticial, mas o resultado de microtrombose venosa.

Depois de realizar várias autópsias em 50 cadáveres no hospital Papa Giovanni XXIII em Bergamo e outras 20 realizadas no Sacco em Milão, a comunidade médico-científica parece ter chegado a essa conclusão que muda completamente a narrativa que foi feita até agora.

Basicamente, os pacientes que morreram após uma infecção pelo Covid-19, excluindo outras doenças graves, sofreram as consequências dos primeiros diagnósticos errados.

O coronavírus não ataca os pulmões primeiro, mas afeta principalmente os vasos sanguíneos, impedindo o fluxo regular de sangue.

Seria, portanto, uma doença inflamatória vascular sistêmica.

É o próprio Dr. Palma quem explica como o vírus ataca o corpo de uma pessoa.

“Senhores, o Covid-19 danifica primeiramente os vasos, o sistema cardiovascular e, só então, atinge os pulmões! É a microtrombose venosa, não a pneumonia que determina a fatalidade!”

Se, portanto, o Covid afeta principalmente os vasos e o sistema circulatório, a dedução natural a seguir é que, substancialmente, é praticamente inútil ventilar artificialmente o paciente, se não até mesmo prejudicial, uma vez que os pulmões não recebem sangue suficiente.

“Se você ventila um pulmão onde o sangue não chega, é inútil! De fato, 9 em cada 10 pacientes morrem.”

Respiradores artificiais pioraram as coisas

O ponto da ventilação artificial é simplesmente fundamental. Toda a emergência foi provocada a princípio pelo fato de não haver vagas suficientes nas unidades de terapia intensiva em que os respiradores eram usados em pacientes com sintomas de Covid.

A ordem para ficar em casa emitida por todo o sistema nacional de saúde e pelo governo PD-M5S resultou substancialmente dessa suposição para evitar outras novas infecções e o consequente congestionamento da terapia intensiva.

Mas os respiradores artificiais não teriam resolvido o problema, pelo contrário, o teriam agravado.

As confirmações a esse respeito também vêm dos Estados Unidos.

Cameron Kyle-Sidell, médico do Maimonides Medical Center em Nova York, relata que o uso de respiradores artificiais levaria a uma deterioração da condição dos pacientes de Covid, resultando em sua conseqüente morte em 80% dos casos.

O motivo se deve ao fato de a pressão ventilatória nos pulmões de um paciente, que não apresenta pneumonia intersticial, cansaria o sistema respiratório e levaria a seu agravamento rápido.

O Dr. Kyle-Sidell chega a conclusões semelhantes às do Dr. Palma quando define o Covid-19 não como “pneumonia, mas como algum tipo de doença induzida por vírus”.

Mas a inflamação, como mencionado anteriormente, não ataca os pulmões, mas os vasos sanguíneos e é a partir deles que devemos começar para um diagnóstico correto, como explica o cardiologista.“Porque a inflamação, de acordo com o texto da escola, induz trombose através de um mecanismo fisiopatológico complexo, mas conhecido. Então? O que a literatura científica, especialmente a chinesa, dizia até meados de março, era que anti-inflamatórios não deveriam ser usados. Agora, na Itália, são usados anti-inflamatórios e antibióticos (como nas gripes) e o número de pacientes internados diminui.”

Os tromboembólios são, portanto, causados por inflamações que podem ser tratadas com medicamentos bastante baratos.

Acima de tudo, o ponto fundamental é que as internações hospitalares nesse caso são praticamente inúteis, se não contraproducentes, porque tiram camas de pacientes que mais precisariam de assistência hospitalar.

É o caso de pessoas que morreram de ataque cardíaco, cuja mortalidade praticamente triplicou desde que a emergência da Covid foi declarada.

Mas a conclusão mais chocante elaborada pelo Dr. Palma é esta.

“Porque o principal problema não é o vírus, mas a reação imune que destrói as células onde o vírus entra. De fato, em todas as repartições de Covid, os pacientes com artrite reumatóide nunca entraram e isso ocorre porque estão em terapia com cortisona”. O verdadeiro perigo, portanto, não viria da Covid, mas da inflamação do sistema imunológico que leva à destruição das células. O que o Dr. Palma alega parece já ter sido endossado por outros médicos que chegaram às mesmas conclusões.

A emergência do coronavírus serviu para estabelecer uma ditadura

Mas então, neste ponto, se o problema de toda essa emergência foi o diagnóstico e a terapia incorretos, a periculosidade do vírus basicamente desapareceu.Toda a mídia e o governo, com suas diversas e caras forças-tarefa, associaram imediatamente a causa das mortes ao coronavírus, sem nem mesmo saber o que realmente havia acontecido.

A esse respeito, pense na cena sombria dos caminhões militares em Bergamo que levaram os corpos de pessoas extintas para longe.

Foi transmitida a idéia de que os corpos dessas pessoas eram afetados por uma espécie de peste e que era necessário cremá-los o mais rápido possível. Mas a cremação limpa os vestígios e impede a autópsia, que esclarece as causas da morte.

Entre outras coisas, começaram a circular fotos falsas, mostrando uma fileira de caixões em uma sala que na verdade eram os caixões de migrantes que morreram em Lampedusa anos antes.

Tudo isso leva a dizer que em Bergamo havia uma vasta operação de terrorismo psicológico que tinha um objetivo: provocar um estado de completo choque e pânico na população.

Essas condições revelaram-se fundamentais para instaurar um clima de medo geral, de modo a motivar o estado policial em que a Itália se encontra. Se o Covid puder ser tratado em casa com medicamentos de custo muito baixo, fica claro que a emergência ao estado da arte não há.

Mantê-lo vivo é o pretexto para continuar a comprimir inaceitavelmente as liberdades pessoais dos cidadãos.

Da mesma forma, o mantra que se sairá da crise por meio de uma vacina é evidência da completa má-fé do governo e das grandes potências supranacionais que dirigem esse executivo fantasma.

A cura já foi encontrada. A imunização contra um vírus mutante seria completamente desnecessária e potencialmente prejudicial.

Outro aspecto relativo a Bergamo é precisamente o das vacinas.

Um estudo científico do Pentágono relatou que as vacinas aumentam o risco de infecção por coronavírus em 36%.

Se você for ver o número de vacinas realizadas na área de Bergamo, verá que houve uma imunização maciça desde novembro do ano passado contra influenza e meningococo.

Alguns meses depois, o coronavírus chegou e a máquina de terror começou.

Mas essa máquina evidentemente não tinha objetivo de proteger a saúde dos cidadãos.

Esta máquina queria alimentar a emergência para lançar a população italiana em um estado de caos.

Agora a verdade está emergindo e quem quer que a justiça seja feita às pessoas que morreram em Bergamo deve invocar a intervenção do judiciário.

Por negligência ou vontade política, é preciso entender o porquê e quem provocou essas mortes.

Essas mortes foram os meios do regime para suspender a Constituição.

Esses mortos merecem justiça e os italianos têm o direito de saber se pessoas foram mortas intencionalmente para estabelecer um estado policial na Itália.

Este blog é apoiado por doações de leitores. Se você também deseja ajudar a liberar informações, clique abaixo.

=> https://www.paypal.me/CesareSacchetti

Fonte: La cruna dell’ago – Il blog di Cesare Sacchetti

Banco Mundial apoia projeto para soja sustentável no Nordeste

Trabalho será nos estados do Maranhão, Piauí, Tocantins e da Bahia

O International Financing Corporation (IFC), do Banco Mundial, apoiará a subsidiária da Cofco International no Brasil na rastreabilidade da cadeia de suprimentos de soja do Matopiba, uma das regiões em que a produção agrícola brasileira mais cresce, de acordo com comunicado da empresa chinesa divulgado nesta sexta-feira (31).

O trabalho vai se concentrar na triagem das fazendas produtoras de soja na região composta pelos Estados do Maranhão, Piauí, Tocantins e Bahia, no Cerrado brasileiro, para garantir a conformidade com os principais critérios ambientais e sociais, garantindo que agricultores usem práticas agrícolas mais sustentáveis.

Embora a conversão de terras para o plantio de soja no Cerrado esteja diminuindo desde 2001, a região de Matopiba registrou taxas mais altas associadas à crescente demanda global por soja, principal commodity de exportação do Brasil, segundo comunicado.

Notícias Relacionadas
A triagem utilizará imagens de satélite e outras informações geográficas e dados oficiais.

“O objetivo é garantir que as fazendas fornecedoras estejam livres de trabalho forçado, não estejam localizadas em terras indígenas, unidades de conservação ou áreas embargadas e estejam em conformidade com a Moratória da Soja Amazônica”, disse a nota.

O projeto também estabelecerá perfis de conversão de terras para fazendas individuais e avaliará a conformidade do fornecedor com o Cadastro Ambiental Rural (CAR), um registro eletrônico do governo que combina dados geoespaciais de propriedades rurais com suas informações ambientais, incluindo áreas protegidas legalmente.

A Cofco International e a IFC esperam que o projeto englobe 85% dos fornecedores diretos da empresa no Brasil na região de Matopiba até 2021, atingindo 100% da região até 2023.

A Agrosatélite, uma empresa brasileira especializada em imagens de satélite de sensoriamento remoto e inteligência geográfica, foi selecionada como parceira técnica do projeto.

Essa parceria segue o anúncio recente da Cofco de que espera alcançar a rastreabilidade total de toda a soja comprada diretamente dos agricultores brasileiros até 2023, disse o comunicado.

“Com este projeto, poderemos rastrear ainda mais os fornecedores não pré-financiados quanto aos principais critérios de sustentabilidade e identificar aqueles com quem queremos nos envolver mais de perto”, disse Wei Peng, chefe de sustentabilidade da Cofco International, em nota. (Com informações da Agência Brasil)

O DESESPERO BATE À SUA PORTA

Líder da advocacia baiana critica relações da OAB com empresa de investigado

Ex-presidente da OAB-BA, Saul Quadros apoia críticas à OAB pelas relações com a empresa Qualicorp

Presidente da OAB-BA por duas vezes, o advogado Saul Quadros está entre os indignados com o episódio do patrocínio da Qualicorp no 1º Congresso Digital Covid-19, da OAB nacional. Ele apoiou “inteiramente” as duras críticas do ex-presidente Reginaldo de Castro às relações da empresa com a entidade e o comportamento de sua cúpula, expondo magistrados e demais convidados à logomarca da empresa de plano de saúde cujo fundador foi preso por corrupção. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

O ex-presidente Marcus Vinícius Furtado Coelho, apontado como “eminência parda” da OAB, foi comparado por Castro a Richelieu.

Saul Quadros afirmou que, com a comparação, Richelieu “deve estar se tremendo de raiva na sepultura”.

Para o líder da advocacia baiana, a comparação é ruim para Richeliou, que classifica de “inteligente, culto e arguto primeiro ministro francês”.

Presidente da OAB Felipe Santa Cruz Patrocinio Qualicorp Facebook OAB Divulgacao Detalhe
Felipe Santa Cruz faz abertura do evento, sob o patrocínio comercial da “Qualicorp”, cujo fundador e controlador foi preso há dias, acabou por constranger participantes como o ministro Dias Toffoli.

Ministro da Infraestrutura diz que Brasil vive revolução ferroviária

Decisão do TCU vai permitir implantação de investimento cruzado

Publicado em 30/07/2020 – 21:28 Por André Richter – Repórter da Agência Brasil – Brasília

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, disse hoje (30) que uma revolução ferroviária está em curso no Brasil. O ministro participou no início da noite de uma transmissão ao vivo nas redes sociais com o presidente Jair Bolsonaro e falou sobre o trabalho da pasta para aumentar o número de ferrovias em todo o país. 

Segundo o ministro, uma decisão do Tribunal de Contas da União (TCU) vai permitir, pela primeira vez, a implantação do modelo de investimento cruzado, no qual trechos de ferrovias serão construídos pela iniciativa privada, sem custos para o governo. 

Tarcísio Freitas explicou que a decisão permitiu a renovação antecipada dos contratos de concessão de estradas de ferro operadas pela mineradora Vale. Pelo novo modelo, a empresa vai construir ferrovias para o governo em vez de pegar a outorga. Quando a ferrovia estiver pronta, o trecho construído será licitado, gerando uma nova outorga. 

De acordo com o ministro, o modelo vai permitir R$ 17 bilhões de investimentos privados em ferrovias, vai beneficiar 55 municípios com obras e gerar 65 mil empregos. Entre as obras previstas estão as ferrovias do trecho entre Cariacica-Anchieta, no Espírito Santo, a ferrovia de integração do Centro-Oeste, que vai ligar o Vale do Araguaia, no Mato Grosso, à Ferrovia Norte-Sul, permitindo o escoamento de 10 a 15 toneladas de grãos. 

“Tem uma revolução ferroviária em curso, presidente. Nós vamos dobrar a participação do modo ferroviário na matriz de transportes”, disse o ministro. 

Durante a transmissão, o ministro da Infraestrutura também disse que a previsão da pasta é construir mais 4 mil quilômetros de ferrovias pelo país, chegando a 32 mil quilômetros finalizados. Entre as obras citadas pelo ministro está o trecho da Ferrovia Norte-Sul, que vai ligar o Porto de Itaqui (MA) ao Porto de Santos e terá R$ 2,8 bilhões de investimento. 

Edição: Fábio Massalli

NEM TUDO ESTÁ PERDIDO PARA GABRIELLI. ===>>> 10/04/2014

Apesar de ter sido preterido pelo PT para ser candidato ao Governo da Bahia, e já estar com um pezinho no ‘Petrolão’,  José Sérgio Gabrielli, ex-Presidente da Petrobras, tenta emplacar para Presidente da ALBA- Assembleia Legislativa da Bahia. O seu fiel correligionário, o Deputado Estadual Rosemberg Pinto (PT).

Gabrielli-e-Rosemberg-Foto-Marcos-de-Souza-www.pimenta.blog_.br_

Gabrielli-e-Rosemberg-Foto-Marcos-de-Souza-www.pimenta.blog_.br_

 

TERRA ARRASADA, HERANÇA MALDITA OU MASSA FALIDA. ===>>> 14/05/2020

O próximo Prefeito de Ilhéus, seja ele qual for, vai ter que lidar com uma das três situações mostradas.

Ou as três, sendo pessimista.

É a realidade, não adianta promessas de salvadores da Pátria.

Um sepulcro caiado…

 

MORROS, ENCOSTAS, TRAGÉDIAS ANUNCIADAS.

Fotos enviadas via WhatsApp por um leitor.

 

Banco Central anuncia lançamento da nota de R$ 200

Nova cédula terá como personagem o lobo-guará

Publicado em 29/07/2020 – 16:05 Por André Richter – Repórter da Agência Brasil – Brasília
Atualizado em 29/07/2020 – 17:17

A partir do fim de agosto, os brasileiros poderão circular com um novo tipo de cédula. O Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou hoje (29) a criação da nota de R$ 200.

A cédula terá como personagem o lobo-guará, espécie que ficou em terceiro lugar em uma pesquisa realizada pelo BC sobre quais animais em extinção deveriam ser representadas em novas cédulas. O anúncio foi feito pelo Banco Central (BC), que convocou uma entrevista coletiva para apresentar a nova nota.

A diretora de administração do Banco Central, Carolina de Assis Barros, disse que o lançamento da nova nota é uma forma de a instituição agir preventivamente para a possibilidade de aumento da demanda da população por papel moeda.

Segundo o BC, entre março e julho deste ano, um dos efeitos econômicos da pandemia de covid-19 foi o aumento de R$ 61 bilhões no entesouramento de moeda, ou seja, notas que deixaram de circular porque a população deixou o dinheiro em casa. 

De acordo com a diretora, não há falta de numerário no mercado, mas o BC entende que o momento é oportuno para o lançamento da nova cédula diante da possibilidade de aumento na demanda. 

“Estamos vivendo neste momento um período de entesouramento, efeito derivado da pandemia. O Banco Central nesse momento não consegue precisar por quanto tempo os efeitos do entesouramento devem perdurar”, disse a diretora. 

Em entrevista coletiva, Carolina também afirmou que a imagem da nota de R$ 200 ainda não está disponível porque está na fase final de testes de impressão. O lançamento está previsto para o final de agosto deste ano.

Segundo o BC, a tiragem em 2020 será de 450 milhões de unidades, equivalentes a R$ 90 bilhões.

Edição: Wellton Máximo e Lílian Beraldo

Câmara aprova MP sobre cancelamentos nos setores de turismo e cultura

Matéria será apreciada pelo Senado

Publicado em 29/07/2020 – 21:31 Por Agência Brasil* – Brasília

Brasília 60 Anos – Congresso Nacional

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (29) a Medida Provisória 948/20, que estabelece regras para o cancelamento e a remarcação de serviços, reservas e eventos dos setores de turismo e cultura em razão das medidas de isolamento e restrições aplicadas no combate à pandemia de covid-19. A matéria será enviada ao Senado.

De acordo com o texto, a remarcação dos eventos adiados deverá ocorrer no prazo de 12 meses, contados do fim do estado de calamidade pública, previsto para 31 de dezembro de 2020. Essa remarcação deverá respeitar os valores e as condições dos serviços originalmente contratados.

Uma alternativa à remarcação é a concessão de crédito para uso ou abatimento na compra de outros serviços, reservas e eventos disponíveis nas respectivas empresas. Nesse caso, o crédito também poderá ser usado em 12 meses após o fim da calamidade pública.

Em qualquer das situações (remarcação ou crédito), as tratativas deverão ser sem custo adicional, taxa ou multa ao consumidor, desde que a solicitação seja feita no prazo de 120 dias, contado da comunicação do adiamento ou cancelamento dos serviços ou ainda nos 30 dias antes da data marcada para o evento adiado, o que ocorrer antes.

Se o consumidor for impedido de solicitar remarcação ou crédito no prazo em razão de falecimento, internação ou força maior, o prazo contará novamente para o interessado, para o herdeiro ou sucessor, contando a partir da data do fato. Na ocasião em que o consumidor perder o prazo por qualquer outro motivo, o fornecedor será desobrigado de fazer o ressarcimento.

As regras valerão também para eventos adiados novamente por causa da pandemia e para empresas ou prestadores de serviços que tiverem recursos a receber de produtores culturais ou artistas em razão de adiamento.

Essa devolução também passa a acontecer somente se a empresa “ficar impossibilitada” de oferecer a remarcação ou o crédito. A devolução deverá ocorrer em 12 meses, contados do fim da calamidade pública.

Os valores por serviços de agenciamento e intermediação já prestados, como taxa de conveniência e/ou entrega, serão deduzidos do crédito decorrente de evento cancelado.

Os critérios de remarcação e crédito os shows e espetáculos, cinemas, teatro, plataformas digitais de vendas de ingressos pela internet, prestadores de serviços turísticos, meios de hospedagem, agências de turismo, transportadoras turísticas, organizadoras de eventos, parques temáticos e acampamentos turísticos também são os mesmos.

Cachês

Artistas, palestrantes ou outros profissionais já contratados até a data de publicação da futura lei e cujos eventos foram cancelados não terão obrigação de reembolsar imediatamente os valores dos serviços ou cachês. Isso vale inclusive para shows, rodeios, espetáculos musicais e de artes cênicas.

Os artistas e os profissionais contratados para a realização desses eventos não precisarão devolver o dinheiro desde que o evento seja remarcado em 12 meses, contados do fim do estado de calamidade pública.

Somente depois de o evento ter sido remarcado e não ocorrer na nova data ou se a nova data não tiver sido pactuada é que os valores adiantados deverão ser devolvidos, corrigidos pelo IPCA-E.

Enquanto vigorar o estado de calamidade pública, serão anuladas multas por cancelamentos desse tipo de contrato.

Em relação aos pequenos produtores culturais e cineastas independentes, o texto lhes permite acesso ao auxílio emergencial mesmo que cedam gratuitamente seus filmes, vídeos ou documentários na internet, em redes sociais e plataformas digitais, mas terão de comprovar que não estão recebendo benefícios, incentivos ou patrocínios com recursos públicos.

Eventos rurais

O texto prevê a aplicação das mesmas regras de adiamento e cancelamento aos eventos agropecuários, como festas, exposições, espetáculos, solenidades, comemorações, cerimônias, provas de montaria, festivais e feiras.

Guias turísticos

A medida autoriza o acesso de guias autônomos às linhas de crédito do Fundo Geral de Turismo (Fungetur) na forma de programa de crédito específico e emergencial para esse público.

Embratur

Na lei de criação da Agência Brasileira de Turismo (Embratur), o texto retira a restrição de a agência aplicar seus recursos exclusivamente no turismo doméstico no período de até seis meses depois do fim do estado de calamidade pública relacionada ao novo coronavírus.

Danos morais

Em todas as situações tratadas pela MP, as relações de consumo são caracterizadas como hipóteses de caso fortuito ou força maior e não permitem ações por danos morais, aplicação de multa ou outras penalidades.

*Com informações da Agência Câmara de Notícias

Edição: Aline Leal

O VENENO DA NOITE!

Tem um pré-candidato caminhando para o isolamento.

E o ‘filme’ está passando na cabeça da turma dele.

Paciência…

contador free

nao basta

Webtiva.com // webdesign da Bahia
julho 2020
D S T Q Q S S
« jun   ago »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  


WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia