WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

:: 17/set/2019 . 17:00

DANDO NOME AOS BOIS NO COMPLEXO LOGÍSTICO PORTO SUL

Desde o início da formatação do Complexo Logístico, que viria a ser denominado popularmente PORTO SUL.

Duas instituições (ONGs) se posicionaram frontalmente conta o Projeto. A Ação Ilhéus, depois transformada (sic) em Instituto Nossa Ilhéus, comandada pela sua Presidenta Maria do Socorro Mendonça, e a Floresta Viva, pelo seu presidente Ruy Rocha.

Hoje eles fazem parte do Condema, e junto com alguns rotundos integrantes, não fazem mais abertas oposições ao empreendimento.

Aproveitando da aparente trégua, o staff da Prefeitura de Ilhéus, fazendo ‘cara de paisagem’, tenta pongar no empreendimento, que nem de perto ou de longe, passa pela esfera municipal.

Passeata Vem Porto Sul será realizada nesta sexta-feira

 

ILHÉUS COMEÇA A VIVER ‘OS ÚLTIMOS DIAS DE POMPEIA’!

A revolta dos Distritos…

ILHÉUS FAZ PARTE DOS PORTOS DO ARCO NORTE.

https://portogente.com.br/noticias/dia-a-dia/108887-o-futuro-portuario-com-o-arco-norte?utm_campaign=16092019&utm_medium=email&utm_source=RD+Station

 

Uso de dinheiro público em campanhas gera discussão no Senado

Publicado em 17/09/2019 – 05:55

Por Marcelo Brandão – Repórter da Agência Brasil  Brasília

Marcado inicialmente para ser votado na sessão de hoje (17), o projeto de lei (PL) que altera regras do fundo partidário ainda não tem agenda definida. Ele chegou a ser posto para ser votado na sessão da última quarta-feira (11), mas um acordo adiou a votação.

Alguns senadores se manifestaram contra a votação do texto sem uma discussão prévia na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Como não há reunião marcada na CCJ amanhã, os senadores poderão ganhar tempo suficiente para discutir o texto.

Um acordo na reunião de líderes, na tarde de hoje, poderá confirmar o calendário do projeto. Por enquanto, ele ainda é incerto. Quando chegou ao plenário, na semana passada, a matéria encontrou resistência.

O argumento de senadores como Randolfe Rodrigues (Rede-AP), Major Olímpio (PSL-SP) e Alessandro Vieira (Cidadania-SE) é que não houve tempo para discutir o tema, uma vez que a matéria havia acabado de chegar ao Senado. Eles argumentaram que não tiveram tempo de ler o texto.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, tentou colocar o projeto em pauta, mas recuou assim que os senadores contrários à votação fizeram um acordo com Weverton Rocha (PDT-MA), relator da matéria no Senado. O acordo estabeleceu a discussão na CCJ antes de voltar ao plenário.

O texto estabelece o fim do percentual fixo de 30% das emendas de bancada como referência para a destinação orçamentária ao Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC), o chamado Fundo Eleitoral.

A proposta também restringe a aplicação de multa de 20% sobre o montante considerado irregular em contas de partido reprovadas pela Justiça Eleitoral. A multa só seria aplicada nos casos em que o agente teve a intenção de cometer a infração.

O texto aprovado pelos deputados no início do mês também prevê a volta da propaganda partidária semestral e exceções aos limites de gastos de campanhas eleitorais.

A obrigação dessa veiculação em rede nacional e estadual foi extinta pela última reforma eleitoral em virtude da criação do fundo eleitoral.

Alguns senadores já se manifestaram contrários ao projeto. Alessandro Vieira acredita que o texto é um “retrocesso” na legislação que cuida de partidos políticos.

“Ele só não abre as portas para mais do que dobrar o fundão, como ele gera uma série de anistias, leniências e favorecimentos a partidos”, disse. Para Vieira, o PL afrouxa mecanismos de fiscalização do gasto de dinheiro público em campanhas políticas.

Vieira e outros senadores também criticam um dispositivo que autoriza o pagamento de advogados de políticos com o dinheiro do fundo partidário, abastecido com dinheiro público.

O relator defendeu o trecho, argumentando que a prática se restringe a processos de cunho eleitoral. “[O pagamento] é para as questões eleitorais. Não é ação penal ou outra causa fora da eleição. Isso é mais do que justo”, ponderou.

O PL também autoriza a prestação de contas eleitorais em formatos diversos, em softwares contábeis da preferência do partido, sem uma padronização definida pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Para os críticos da matéria, essa medida, na prática, inviabilizaria a fiscalização dos gastos de campanha. Segundo Weverton Rocha, o projeto tenta adaptar uma prática já existente na Receita Federal em relação a declarações de empresas.

“Há quase 13 anos o TSE tenta que um software só receba a prestação de contas e, muitas das vezes, dá problema, é cheio de críticas. O que se quer é adaptar ao mundo contábil, para que ele [o candidato] possa fazer a prestação de contas como já faz das empresas na Receita Federal”, argumentou.

A presidente da CCJ, Simone Tebet (MDB-MS), também se posicionou contra a matéria.

“Você concordaria com um projeto que dificulta a transparência e a fiscalização dos recursos dos fundos partidário e eleitoral e que permite o uso, sem limite de valor, desse dinheiro público na contratação de advogados para a defesa de partidos e políticos? Esse projeto existe e está sendo votado no Senado Federal. Voto contra”, disse, em sua conta no Twitter.

Edição: Kleber Sampaio

Superexposição pode destruir carreiras sólidas, diz empresário

Publicado em 17/09/2019 – 06:06

Por Roseann Kennedy – Repórter da TV Brasil  Brasília

A superexposição é um grande problema da atualidade e pode destruir carreiras sólidas, alerta o empresário Marcus Montenegro, CEO da Montenegro Talents. “Você vê quantas pessoas consagradas podem ser massacradas, às vezes, com uma coisa dita no momento errado ou de forma mal interpretada”, diz Montenegro em entrevista à jornalista Roseann Kennedy, no programa Impressões que vai ao ar hoje (17), às 23h, na TV Brasil.

Para ele, no momento em que todos usam as redes sociais para “apontar o dedo”, é preciso se preservar para construir uma trajetória de sucesso. “Vivemos na rede do achismo. Conteúdo zero. Todos têm opinião para tudo. O profissional tem que ser reservado ao máximo, expor o mínimo da vida pessoal. E apresentar conteúdo”. 

O empresário tem, em sua agência, mais de 350 atores, diretores e autores. No seu casting, há nomes como Francisco Cuoco, Eva Wilma, Irene Ravache, Rosamaria Murtinho, Cláudia Raia, Thalita Rebouças, entre outros. Hoje ele também faz palestras para centenas de pessoas que querem entrar para o mundo artístico. 

Na empresa, Montenegro é taxativo: “famosos de 15 minutos não entram”. Para agenciar um novo talento, ele exige formação e disciplina. “Ator, para mim, que não estuda não é ator. Eu gosto de ator que tem preparo psíquico, cultural e físico. Uma inteligência emocional. Hoje, se o artista não tiver esse todo, ele não sobrevive. Os quinze minutos de fama podem surgir para todo mundo. O mais difícil não é nem entrar, é permanecer”, observa. 

Muito do que Marcus Montenegro aprendeu e viveu em mais de 30 anos de trabalho no ambiente artístico estará na biografia Caçador de Talentos. O livro  está sendo escrito por Arnaldo Bloch e será lançado em maio de 2020. A obra, segundo ele, apresentará uma visão completa do mercado, dos profissionais e vai homenagear grandes artistas. Tudo entrelaçado com a trajetória do empresário, que tem muita história para contar. 

:: LEIA MAIS »

anuncie aqui

Carregando...

Tabela do Brasileirão

contador free

nao basta

Webtiva.com // webdesign da Bahia
setembro 2019
D S T Q Q S S
« ago   out »
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  


WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia