WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

:: 10/set/2018 . 18:00

O VENENO DA NOITE!

Inventar mentiras, para encobrir incompetência e desmandos.

Fazem parte da doença, e não da cura…

Cacá Colchões participa de homenagem à Padroeira de Inema

O candidato a deputado estadual, Cacá Colchões, participou no último domingo, 09, da festa em louvor à Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, Padroeira do distrito de Inema, em Ilhéus. Respeitando a tradição católica, Cacá assistiu a missa celebrada pelo Padre Wellington e acompanhou a procissão pelas ruas da comunidade.

Durante o evento, o candidato fez questão de não distribuir santinhos e nem usar qualquer material de propaganda eleitoral. “Temos que respeitar a casa de Deus. Todos os anos eu participo da celebração em homenagem à Padroeira. Sempre fui bem acolhido por essa comunidade, independente de estar na política e, por isso, posso apresentar meu nome como candidato de cabeça erguida”.

Depois da celebração, o candidato andou pelas ruas do distrito e visitou alguns amigos. O agricultor Jefferson dos Santos lembrou das primeiras visitas de Cacá no ano de 2006 e declarou que, desde então, o voto no candidato é garantido. “Voto em Cacá pelo compromisso e competência que ele tem demonstrado”.

Em julho deste ano, durante as festividades da padroeira de Pimenteira, Cacá esteve presente e ouviu os desabafos e reclamações dos moradores diante do descaso da administração pública municipal com a comunidade. Passaram-se dois meses e as queixas apresentadas foram as mesmas.

Portos desafiam o próximo presidente do Brasil

Os portos brasileiros têm um desempenho bem aquém da sua missão de alçar o Brasil a uma posição mais competitiva no mercado mundial, no qual ocupa hoje o 80º lugar entre 137 países, de acordo com o Fórum Econômico Mundial. E sofreu uma queda brusca da posição 48ª, em que estava há cinco anos. Por tantas deformidades administrativas dos portos brasileiros, a movimentação marítima de mercadorias no País é incompatível com seu papel de ser a mais barata e conveniente forma de transportar. Daí nossos portos terem baixa produtividade.

Imagem do Freepik.

Portanto, os portos brasileiros acabam se constituindo em “nós” de resistência na complexa rede logística global, da qual fazem parte no comércio marítimo. No lado de mar, erros conceituais oneram a dragagem e também restringem, sem precisar, a profundidade para operar navios de grandes calados, condição para o transporte em escala e barateamento do frete. No lado de terra, a ausência de uma integração ágil com os modais terrestres ocasiona perdas, bem como aumenta os tempos e os custos. Todavia, convém frisar, a inovação necessária não é possível com o modelo atual de gestão.

Leia ainda
Erros conceituais prejudicam dragagem no Porto de Santos
Ministério dos Transportes não explica pagamento de dragagem do Porto de Santos

No Brasil vigora um modelo de gestão portuária centralizada (em Brasília), adotado em apenas alguns portos do mundo, como nos africanos sem expressão: Tanzânia e África do Sul. Ao passo que nos melhores e na grande maioria dos portos do planeta, e não à toa, o poder de decisão é localizado na região portuária. Isso permite trazer a solução para perto do problema, como o caminho mais curto para corrigir distorções, reduzir deficiências e promover decisões ágeis.

Para o engenheiro Adilson Luiz Gonçalves, professor universitário e pesquisador do Núcleo de Estudos Portuários, Marítimos e Territoriais (Nepomt): “Na forma atual de gestão dos portos públicos, o preenchimento de cargos é feito por indicação político-partidária, sendo alguns tratados como “feudos”. Com raras exceções, os cargos diretivos são ocupados por indivíduos sem qualificação ou afinidade com questões portuárias e de cadeia logística que tem nos portos um dos elos. E mesmo que os critérios técnicos sejam predominantes, os gestores estão sujeitos à volatilidade de contextos políticos.”

Leia também
Descentralizar a gestão dos portos brasileiros

No ano passado, quando inaugurou uma escola em Praia Grande (São Paulo) com o nome de seu irmão, o presidente Michel Temer se comprometeu a realizar a descentralização da gestão do Porto de Santos. Até agora apenas promoveu o preenchimento de inúmeros cargos do porto com indivíduos sem qualificação e afinidade com questões portuárias, indicados por caciques políticos. Entretanto, é indubitável que o desejável e possível desenvolvimento do Brasil só pode ser promovido com a melhora da produtividade dos seus portos.

Nesse sentido, quais as propostas reais e factíveis dos presidenciáveis para os portos brasileiros?

Encontro na Bahia reuniu atacadistas e distribuidores de todo o Nordeste

 

Terminou neste domingo (09) em Guarajuba, no litoral norte baiano, o 2º Encontro Anual dos Agentes de distribuição do Nordeste, paralelo ao 16º Encontro Anual da Bahia (ASDAB). Desde a última quinta-feira (06), cerca de duas mil pessoas participaram do evento, que combinou negócios, capacitação e entretenimento no Vila Galé Marés Resort. Além de atacadistas e distribuidores, estiveram pressentes representantes da indústria, varejo, além de autoridades.

“Apesar das dificuldades da nossa economia, os agentes de distribuição do Nordeste demonstraram sua força e se superaram neste grande evento. O encontro é fiel na sua causa, com dois parâmetros básicos: conhecimento e negócios. Com certeza, todos que aqui chegaram, estão saindo melhores do que entraram”, afirmou Antonio Cabral, presidente da Associação dos Agentes de Distribuição da Bahia (ASDAB) – entidade que coordena a organização do evento.

Além de várias palestras, incluindo dos jornalistas Ricardo Boechat e Eliane Cantanhêde, o encontro contou com uma feira de negócios, onde dezenas de indústria e fornecedores de serviços apresentaram novidades, inclusive novos produtos, além de estreitarem relacionamento e gerarem novas oportunidades de negócios.

O Nordeste representa cerca de 25% do faturamento nacional do segmento, que é de cerca de R$ 260 bilhões, segundo estimativa da consultoria Nielsen (2017). Na Bahia, as mais de 600 empresas do ramo representam aproximadamente 5% do mercado nacional, gerando cerca de 55 mil empregos. A frota baiana, de mais de 13 mil veículos, atende a quase 90% do varejo alimentar independente e dos pequenos mercados, além de 40% dos mercados médios, 85% dos bares e 45% do mercado fama-cosmético, nos lugares mais longínquos do país.

Setor – O presidente da Associação Brasileira dos Atacadistas e Distribuidores (ABAD), Emerson Destro, presente no evento, falou sobre as expectativas do segmento. Para ele, tendo em vista os resultados acumulados no primeiro semestre, vai ser difícil conseguir um crescimento real este ano.  “Mas, sendo otimista, já que estamos indo para o final do ano e com a definição do novo governo, talvez fechamos no zero a zero em termos reais”, disse.

Com relação à expectativa do novo governo, Destro acha que quem assumir terá que ser propositivo. “Terá que fazer alguma coisa, pois a sociedade não suporta mais esta situação de inércia e indefinições, que estão fazendo com que a roda pare de girar. Temos que acreditar que mudanças virão e virão logo.  Será um processo gradual de retomada, mas ações serão necessárias já na largada”, declarou.

Assessor de Comunicação – Jornalista Pedro Carvalho 
Tel.: (71) 3342.4977 – Cel.: (71) 99165.6391

anuncie aqui

Carregando...

Tabela do Brasileirão

contador free

nao basta

Webtiva.com // webdesign da Bahia
setembro 2018
D S T Q Q S S
« ago   out »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  


WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia