No Sisu, instituições também reservam vagas a quem concluiu o ensino médio em zonas próximas aos campi. MEC afirma que prática é permitida.

Por Luiza Tenente, G1

 

Candidato tem bônus de 20% na Unipampa se tiver estudado em região próxima à universidade. (Foto: Reprodução/Sisu)

Nas outras duas (Universidade Federal do Oeste da Bahia e Escola Superior de Ciências da Saúde, em Brasília), são reservadas vagas exclusivamente para este grupo de candidatos. As mesmas regras valem para outros cursos dessas instituições – o G1 fez o recorte pelos de medicina por essa ser a carreira mais disputada.

De acordo com o Ministério da Educação (MEC), as universidades têm autonomia para oferecer o benefício. No entanto, a prática já gerou polêmica no Sisu 2016, quando foi acusada de ferir o princípio de isonomia ao favorecer aqueles que estudaram em determinada região. O Ministério Público Federal (MPF) em Uberlândia, em Minas Gerais, entrou com uma ação em setembro de 2016 para impedir universidades de adotarem critério de inclusão regional.

As instituições de ensino, por outro lado, alegam que há um grande número de candidatos de outras regiões que abandonam o curso posteriormente, por residirem a mais de 100 km dos campi, deixando vagas ociosas. Também informam que o objetivo é estimular o acesso da população da região ao ensino superior. A Ufal é uma delas: afirma, no edital, que tem a intenção de promover a inclusão dos habitantes do interior alagoano nas universidades.

A Unipampa aumentou a abrangência das cotas regionais neste mês: os benefícios foram estendidos de 16 municípios do Rio Grande do Sul para 44. Quem cursou o ensino médio no sudoeste e no sudeste do estado pode receber 20% de bônus na nota no Enem, sem o direito de acumular a outras cotas.

Nas universidades que oferecem bônus, o benefício existe para as vagas de ampla concorrência. Na Universidade Federal do Rio Grande do Norte, por exemplo, há 40 vagas nesta categoria. Aqueles que se inscreverem para uma delas após terem concluído o ensino médio em escolas públicas ou privadas de microrregiões próximas à instituição receberão 20% de bônus na média do Enem.

Um exemplo: Maria quer cursar medicina na Ufam, mora em Santa Catarina e tirou 685,89 na média do Enem para esta universidade. Ela não se encaixa em cotas sociais e raciais (como para negros e indígenas), portanto se inscreverá para uma das 40 vagas de ampla concorrência. João tirou a mesma nota, também não tem direito a cotas sociais e raciais, mas estudou em Vale do Açu, no Rio Grande do Norte. Ele pleiteará uma das 40 vagas de ampla concorrência, mas terá um bônus de 20% na nota do Enem por causa da localidade de sua escola. Sua média vai a 812,08. Maria e João concorrerão pelas mesmas vagas de medicina na Ufam.

Veja os bônus nos outros cursos de medicina e quem tem direito a eles:

  • UFAL – UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS: Bônus de 10%

Quem tem direito: estudantes que cursaram integralmente o ensino médio no interior de Alagoas

  • UFAM – UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS: Bônus de 5,69%

Quem tem direito: estudantes que cursaram integralmente o ensino médio no estado do Amazonas

  • UFPE – UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO: Bônus de 10%

Quem tem direito: estudantes que cursaram integralmente o ensino médio em escolas regulares e presenciais da zona da mata e do agreste pernambucanos

  • UFRN – UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE: Bônus de 20%

Quem tem direito: estudantes que concluíram o ensino fundamental e cursaram o ensino médio integralmente, em escolas públicas ou privadas, das microrregiões de Borborema Potiguar-RN, Seridó Ocidental-RN, Seridó Oriental-RN, Agreste Potiguar-RN, Angicos-RN, Serra de Santana-RN, Vale do Açu-RN, Catolé do Rocha-PB, Curimataú Ocidental-PB, Curimataú Oriental-PB, Patos-PB, Seridó Ocidental Paraibano-PB, Seridó Oriental Paraibano-PB ou Sousa-PB. Excluem-se os formados por meio de supletivos