Foto: Ag. Senado/Arquivo

Senador Otto Alencar

O senador Otto Alencar, presidente estadual do PSD, disse hoje a este Política Livre que o PCdoB tem mais legitimidade para pleitear a primeira suplência do candidato ao Senado Jaques Wagner (PT) do que o PSB da senadora Lídice da Mata. “Todos que estiveram desde o início apoiando a candidatura de Rui Costa, lá em 2014, têm mais legitimidade para disputar qualquer espaço na chapa do governador hoje”, afirmou Otto, referindo-se, indiretamente, ao fato de a senadora Lídice da Mata (PSB) ter concorrido ao governo, naquela eleição, contra Rui, num momento em que ele tinha traço nas intenções de voto e, portanto, supostamente precisava do apoio de todos os aliados do petismo para disputar a sucessão estadual. O PCdoB se opõe à indicação do deputado federal Bebeto (PSB) para a suplência de Wagner, forçando a mão para que o indicado seja o deputado federal comunista Davidson Magalhães, porque tem certeza de que o ex-governador pode vir a se afastar do mandato – para assumir uma secretaria estadual ou mesmo um ministério -, o que permitiria ao suplente tomar posse como senador. Do grupo de forças aliadas de Rui Costa, além dele próprio e de seu partido, a sigla mais próxima de Otto e do seu PSD é o PCdoB. O partido trabalhou pesado por sua eleição ao Senado em 2014, recebendo como gratidão o apoio que deu à deputada federal comunista Alice Portugal para a disputa da Prefeitura de Salvador, em 2016, mesmo contra a vontade do governador. Otto virou alvo do PSB de Lídice por ter bancado a indicação do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Angelo Coronel (PSD), para a segunda vaga ao Senado na chapa de Rui Costa.

EXCLUSIVA PDT tensiona na proporcional para conseguir eleger dois deputados federais

Foto: Divulgação/Arquivo

Ex-deputado Popó quer, na verdade, voltar à Câmara dos Deputados

O PDT é outro partido da base do governador Rui Costa (PT) que está criando resistência para a formação da chapa proporcional. O partido quer sair sozinho para a disputa à Câmara dos Deputados, mas fazer coligação para a chapa de deputados estaduais. O propósito é permitir que os pedetistas consigam eleger dois deputados federais, incluindo o atual presidente, Félix Mendonça Jr. O segundo pode ser Mangabeira, de Itabuna, ou o ex-pugilista Popó, cuja candidatura de verdade é para deputado federal e não ao Senado, como chegou a anunciar.