É voz corrente que o carnaval é apenas uma data religiosa, e quem faz a festa é o povo.

Daí aparecem varias formas de festejo. Nada que uma Prefeitura possa impedir, as vezes ela ajuda para aparecer.

Em Ilhéus, era conhecida a maneira peculiar de fazer a festa. Blocos de sujos, blocos organizados, mascarados, etc…

Todos se divertiam. Até que a data passou a ser política/comercial.

Nada impede que o carnaval de rua e clubes voltem ao fluxo natural. O Pontal já faz a sua folia com As Muriguetes, Zé Pereira, e outros festejos.

Clubes e associações podem  oferecer a seus associados momentos de diversão, a decoração é simples, serpentinas e balões, e uma bandinha arregaçando no dum dum dum.

Um bloco patrocinado já avisou que vai desfilar assim mesmo, palmas para ele.

Conquista, Malhado, Teotônio Vilela, podem fazer seus carnavais, é só juntar o povo.

Carnaval do povo. Foto: Google