No poder de castas, o ‘beija mão’ funciona mais que o corporativismo e a meritocracia.

Imagem ilustrativa colhida no Google.