Fotos: Roberto Santos

Fotos: Roberto Santos

A partir desta sexta-feira, dia 9, o Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (Caps AD), começa a receber demanda espontânea de ilheenses que desejam iniciar tratamento para deixar a dependência. O centro, que foi inaugurado nesta quinta-feira, 8, com a presença do vice-prefeito Carlos Machado (Cacá), do secretário municipal de Saúde, Antonio Ocké, do vereador Jamil Ocké e da equipe técnica, está localizado à Rua 14 de Agosto, ao lado do ginásio de esportes Herval Soledade, região central.

O atendimento àqueles que procurarem o local por possuir dependência causada por substâncias psicoativas se dará de segunda a sexta-feira, das 8 às 12 horas e das 13h30min às 17h30min. Pessoas de todas as idades e sexo podem ter acesso ao tratamento. De acordo com o secretário Ocké, o centro atende a todos os requisitos do Ministério da Saúde, incluindo equipe multiprofissional e espaço adequado.

A coordenadora do Caps AD, Joyce Lago, informou que o centro se soma às outras duas unidades do Caps no município, elevando a capacidade de atendimento a pessoas que apresentam necessidade de tratamento de saúde mental. A equipe é formada por uma agente administrativo, duas psicólogas, uma assistente social, duas enfermeiras, um psiquiatra, um clínico geral e duas técnicas de enfermagem.

Para o vice-prefeito Cacá, que representou o prefeito Jabes Ribeiro na inauguração, a abertura do Caps AD é uma demonstração de que o governo vai manter o compromisso de seguir trabalhando até o dia 31 de dezembro. “Infelizmente, devido à falta de pessoal e à impossibilidade de contratação pelo município, não pudemos reabrir esse espaço antes, mas, agora, com o concurso, e com a determinação dos profissionais e do secretário Ocké, entregamos mais esse serviço à nossa população”.

Demanda – De acordo com a coordenadora, a maior demanda hoje, no País, é por tratamento de dependentes de álcool e crack, por serem drogas de mais fácil acesso e que atingem, cada vez mais, pessoas de diferentes classes sociais. Por isso, além da demanda espontânea, o atendimento ocorre também a partir do encaminhamento das unidades básicas de saúde e da Defensoria Pública.

Secretaria de Comunicação Social – Secom. – Ilhéus, 8.12.16