WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

:: 25/out/2015 . 14:46

ESPAÇO DO LEITOR – VANDALISMO.

Fotos enviadas por um leitor.

IMG-20151025-WA0000 IMG-20151025-WA0001 IMG-20151025-WA0002

COMÍCIO EM BECO ESTREITO, UMA VELHA ESPECIALIDADE REVIVIDA.

Parrésia Teólogos da corte e o Partido dos Trabalhadores.

Parrésiawikipedia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Na retórica, parrésia é descrita como franqueza, confiança ou ousadia para falar em público.

A palavra grega (????????) é frequentemente usada para descrever certos diálogos atribuídos a Jesus Cristo no Novo Testamento.[1]

Não deve ser confundida com “parúsia“, que se refere à segunda vinda de Jesus Cristo sobre a Terra.

 

ANTES ERA POR RECONHECIDO MERECIMENTO, HOJE…

Concessão de Título de Cidadão Ilheense tornou-se algo totalmente sem critérios

A concessão do título de cidadão, por órgão legislativo, depende de negociação política e, por vezes, de entendimentos. Dificilmente, um nome ou uma lista de nomes apresentada por vereador é recusada por colegas, pois todos trarão seus preferidos e, na mais das vezes, trocarão os votos. Assim, é extenso e eclético o elenco dos cidadãos honorários de Ilhéus. Escolhe-se sem critérios, mas, para agradar a quem recebe, em troca de um favor ou algo semelhante. Se pesquisar nos últimos anos, maioria não atentou aos mínimos requisitos, quiçá relevantes serviços à cidade.
Se rebuscarmos a longa, longuíssima relação de agraciados como cidadãos ilheenses honorários nos últimos anos e, recentemente, verifica-se, sem grande esforço intelectual, que este título tornou-se sem nenhum valor, já que qualquer um é contemplado como cidadão apenas pelo capricho dos parlamentares. Ainda que o tema mereça previsão regimental, tem títulos que são concedidos a pedido dos próprios ‘cidadãos’.
O vereador que propuser a concessão do título de cidadão ilheense – e cada edil somente poderá ser o paraninfo de no máximo quatro contemplados a cada legislatura (período de quatro anos, correspondente ao mandato) -, deveria apresentar aos pares a biografia do candidato a homenageado, para que se evidenciem os méritos do escolhido; que o agraciado resida na cidade há mais de 30 anos, e que tenha serviços prestados à sociedade, comprovadamente. Não pode ser escolhido somente por ter nascido em outra cidade; ser idoso ou mesmo gozar da amizade do propositor. Claro que existem as exceções, mas, nem sempre se justifica os absurdos.
A Lei Orgânica de Ilhéus, ao consagrar as competências do Poder Legislativo municipal, prevê a concessão, mediante proposta aprovada por dois terços dos seus membros, pessoa que reconhecidamente tenha prestado relevantes serviços aos interesses públicos.
Em 2013 um jovem de apenas 23 anos, surfista, nascido em Salvador foi contemplado com o Título de cidadão ilheense. O propositou indicou o título a este rapaz em virtude deste jovem ser amigo do filho do vereador, nos encontros das ondas da Praia do Sul.
Hoje, infelizmente em Ilhéus e creio que em quase todas as cidades deste país, a coisa ficou a migué. Qualquer pessoa estrangeira recebe o título. Basta ter nascido em outra província. Mas, também não se perde e não se ganha absolutamente nada. Afinal, qual a utilidade mesmo deste título na prática? NÃO SERVE PRA NADA!
Ou se apresenta uma Emenda Modificativa à LOMI dando um norte neste tema, ou acaba de vez com esta bobagem de Título de Cidadão, que não passa de uma fantasia regada a pastéis, quibes e refrigerantes do bolso do verdadeiro e original cidadão ilheense.

contador free


Webtiva.com // webdesign da Bahia

outubro 2015
D S T Q Q S S
« set   nov »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031


WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia