Movimentação interessante no Governo do Estado da Bahia, em recente

Ariel Figueroa

evento pudemos apreciar um nova vertente de cooperação se instalando na Bahia, precisamente em Ilhéus. A EBDA – Empresa Baiana de Alimentos – na pessoa de seu Coordenador/Ilhéus, Luciano Anunciação, ressaltou no seu pronunciamento que é intenção tanto do Governo Federal quanto do Estado, a união de propósitos da Seagri/EBDA e a Setur-BA, visando a Copa das Confederações 2013, a Copa FIFA 2014 e as Olimpíadas de 2016, onde os turistas poderão saborear seja nas pousadas tanto quanto nos hotéis as delícias dos produtos alimentares da agricultura familiar baiana.

Por sua parte, Wilson Dias, da Seagri, discursou sobre a satisfação de ter hoteleiros e agricultores se conhecendo, negociando e se aproximando. É importante este momento –complementou- para aproximar quem vende de quem compra, sem intermediários, fator que permite um maior renda ao agricultor e aos  meios de hospedagem uma boa prática responsável e sustentável. Comentou da importância da fiscalização dos produtos e produtores, todos certificados, o que dá uma tranquilidade a origem do produto. Os hotéis poderão expor na recepção ou lobby dos selos para que os turistas entendam a origem do alimento, servindo até como marketing ao estabelecimento. Quando questionado pela Coluna de Turismo se a produção hoje pode atender a demanda, este reconheceu que ainda não, entretanto está se trabalhando para chegar lá, o produtor está sendo estimulado a produzir, e agora sabe quem é seu comprador.

Déro, representante da Coofasulba, ressaltou que 7% da cadeia produtiva do Cacau são da agricultura familiar e que os produtos da cooperativa são vendidos em mais de 30 municípios da Bahia, incluindo a capital Salvador.

A representante da Setur-BA, Úrsula Flávia, transmitiu a mensagem do Secretário Domingos Leonelli, a respeito da importância de agregar valor aos produtos, que o turista quer vivenciar. Quando questionada pela Coluna de Turismo a respeito de Turismo da Experiência, esta apontou como a falta de infraestrutura como trava a elaboração de roteiros.

Momentos do coffe-breack exclusivo de produtos da agricultura familiar baiana, especialmente da Costa do Cacau.