Informações chegadas ao blog, dão conta que o atraso no pagamento das indenizações das terras onde vai passar a ferrovia, é proveniente das interrupções da obra.

Interrompida a obra, interrompido o processo de desapropriação, consequentemente o seu pagamento.

Numa flagrante sobreposição do interesse privado sobre o interesse público, essas ações são abastecidas por ONGs que militam na Rede de Coalizão Sul da Bahia Justo e Sustentável, clique aqui e tente acessar.

Rede de ONGs.