Fachada da UESC.

O Pleno do Conselho Estadual de Educação da Bahia (CEE-BA) divulgou a Renovação do Reconhecimento do Curso de Bacharelado em Engenharia Agronômica, oferecido pela Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc-Ilhéus). A renovação é válida por cinco anos e legaliza as atividades do referido curso para suas atividades educacionais, inclusive emissão de diplomas e afins.

Para trazer subsídios técnicos à decisão, o CEE-BA constituiu uma Comissão de Verificação formada por dois professores com grande experiência no tangente a cursos de Agronomia. Esta Comissão foi conferirin loco as atividades, as acomodações e as referências dos corpos técnico e docente do Bacharelado em Engenharia Agronômica. A Comissãopromoveu reuniões com a Coordenação, com a Direção do Departamento, com o Corpo Administrativo, o Corpo Docente e com o Corpo Discente e, ainda, consultou o Projeto Pedagógico e documentos institucionais referentes ao Curso e à Instituição. De posse de todo esse conteúdo, elaborou detalhado relatório que foi analisado pelo Pleno do Conselho, culminando na aprovação do Pedido de Renovação.

Tendo iniciado suas turmas em 1995, o Bacharelado em Engenharia Agronômica da Uesc foi considerado pela Comissão de Verificação “um Curso já consolidado” que “funciona com padrões satisfatórios de qualidade, atendendo a todas as exigências legais e recomendações dos Conselhos Nacional e Estadual de Educação”Atualmente, o Bacharelado apresenta um Corpo Docente com 96,9% de Professores Mestres e Professores Doutores, o que representa uma taxa muito satisfatória e que aponta, como salienta a Comissão de Verificação, para um forte desenvolvimento das atividades de pesquisa e de extensão. Também mereceu destaque positivo o acervo e serviços prestados pela Biblioteca Central da Uesc, no referente ao Bacharelado em Agronomia.

Em sua análise, a Comissão de Verificação também destacou a “significativa ampliação dos laboratórios da Universidade, que atendem o curso de Agronomia”, mas fez a ressalva de que muitos destes laboratórios “ainda necessitam de equipamentos e principalmente de técnicos de laboratório”.

Outra observação foi com relação às chamadas Áreas Experimentais, onde são desenvolvidos os trabalhos práticos relacionados ao Curso. Estas áreas encontram-se em locais afastados do campus, dificultando o seu uso. A fazenda mais próxima (Fazenda Almada), relata a Comissão, fica localizada a aproximadamente 58 km do campus da Uesc,distância que se constitui em obstáculo para a realização de aulas práticas e projetos de pesquisa e extensão no campo. O Conselho também recomendou à Uesc a adoção de iniciativas voltadas ao acompanhamento dos estudantes do curso, incentivando a participação discente em projetos de pesquisa e de extensão e adotando medidas que ajudem na diminuição dos índices de evasão dos alunos do curso.

Sobre o CEE-BA O Conselho Estadual de Educação da Bahia é um órgão de Estado, da estrutura da Secretaria da Educação. Criado em 1842, é o primeiro do Brasil e, passando do Império à República, teve atribuições que variaram com a época e com o contexto político. Hoje, reestruturado pela Lei Estadual nº 7308, de 02 de fevereiro de 1998, disciplina as atividades do ensino público e privado no Estado, assumindo as funções normativas, deliberativas, fiscalizadoras e consultivas. Ele credencia instituições, autoriza funcionamento de cursos, reconhece cursos superiores ministrados pelas Universidades Estaduais, viabiliza regularização de vida escolar, apura denúncias envolvendo estabelecimentos de ensino, fornece orientações, dentre outras atividades.

Para saber mais sobre o Conselho e acompanhar suas atividades, visite o nosso site (www.sec.ba.gov.br/cee). O CEE-BA dispõe também de um Setor de Atendimento ao Público que pode ser contatado por e-mail (atendimento.cee@educacao.ba.gov.br) ou pelo telefone (71) 3345-5182 ramal 205.