Indecisão judicial sobre o tempo de TV e o fundo partidário, vitais para a legenda, fez o PSD virar um camaleão nacional. Por Leandro Mazzini

17/04/2012
Leandro Mazzini é jornalista e escritor

Siga o colunista no Twitter @leandromazzini

Sem bandeira e com programa ainda em consolidação, o Partido Social Democrata (PSD) fundado pelo prefeito paulistano Gilberto Kassab começa a mostrar a que veio: fechar chapas de acordo com as conveniências locais para sobreviver. A indecisão judicial sobre o tempo de TV e o fundo partidário, vitais para a legenda, fez o PSD virar um camaleão nacional. Anunciou apoio à candidatura de Manuela D’ávila (PCdoB) à prefeitura de Porto Alegre, fechou com o PT em Salvador, emendou com o PSB no Recife e seguirá forte com o PSDB em São Paulo, indicando o vice de José Serra.

Previsões

O próprio Kassab, pressentindo o perigo do sucesso meteórico da fundação do PSD, soltou há meses que “não será de direita, não será de esquerda, nem de centro”.