O senador Walter Pinheiro (PT-BA) criticou a determinação do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de proibir que candidatos façam propaganda eleitoral por meio do twitter antes do dia 6 de julho. “É um absurdo proibir o twitter. Fizeram a analogia errada”, disse o parlamentar, para quem a decisão parte de uma interpretação equivocada dos magistrados.

Pinheiro argumentou que a diferença sobre a proibição da propaganda eleitoral na televisão e no microblog é a questão da escolha. “Na TV, você não tem opção, tem que desligar o aparelho se não quiser ver a propaganda eleitoral”, comentou.

A opinião do senador vai ao encontro da defesa do ministro Gilson Dipp, que votou contra a proibição do uso desta rede social, com base na premissa da participação voluntária. “No twitter não há a divulgação de mensagem para o público em geral, para destinários imprecisos, indefinidos, como ocorre no rádio e na televisão, mas para destinatários certos, definidos. Pois a mensagem é transmitida para quem realmente deseja participar de um diálogo e se cadastrou para isso”, afirmou Dipp em seu voto.