WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


Câmara vai avaliar financiamento de mídia alternativa

A Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática instalou subcomissão especial para analisar formas de financiamento de mídias alternativas – como blogs e rádios comunitárias. A deputada Luciana Santos (PCdoB-PE), que sugeriu a criação do grupo e será relatora da subcomissão, afirma que a ideia é analisar propostas para a viabilidade econômica de diversas formas alternativas de comunicação. Segundo ela, o próprio conceito de mídia alternativa será objeto de discussão na subcomissão.

Para a deputada, é preciso estimular a sociedade civil organizada a construir espaços de produção de informação, com a divulgação de conteúdos mais próximos de suas realidades e independentes da chamada grande mídia.

O ponto de partida da relatora serão as diretrizes para o financiamento da mídia alternativa elaboradas pelos participantes da 1ª Conferência Nacional de Comunicação, realizada em dezembro de 2009. A parlamentar explica ainda que já existem projetos de lei em tramitação na Casa tratando do assunto, que serão elencados e estudados. 

Políticas públicas

Para Luciana, o caminho para a formulação de uma política pública para as mídias alternativas deve incluir não só o uso de verbas de publicidade governamental, como também o acesso a recursos públicos, como o Fundo de Universalização das Telecomunicações (Fust) e o Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações (Funttel), constituídos por meio de contribuições de empresas privadas de comunicação.

A deputada acredita também ser necessário fortalecer linhas de financiamento de produção de conteúdo e especialmente de difusão de conteúdo, hoje já existentes no âmbito do Ministério da Cultura.

A previsão da relatora é apresentar relatório até o final do primeiro semestre de 2012. A subcomissão será presidida pelo deputado Júlio Campos (DEM-MT).

2 respostas para “Câmara vai avaliar financiamento de mídia alternativa”

  • David Dantas says:

    Parece uma boa idéia. Mas não é. Pelo menos eu não consigo ver assim.
    Num mundo cada vez mais globalizado, pretende-se criar canais para que o indivíduo fique segregado na bolha criada por suas condições sociais. E lá vem o financiamento público, ou seja, dinheiro dos impostos que não são suficientes, segundo o próprio governo, para atender as necessidades básicas da sociedade, em particular aos mais carentes, em saúde, educação etc.
    Vejo com todas as letras e cores, uma forma de afastar essa população, não do que chamam “grande mídia”, mas afastar das grandes discussões globais ou mesmo nacionais, distraindo-os com problemas menores. Não que esses problemas menores não sejam importantes para estas comunidades, são, e muito, mas a idéia de “mídias alternativas” para discutir seus problemas, problemas que vivem no dia a dia? Funcionará como contrainformação, guerrilha midiática, como já acontece com os blogs “chapa branca” que pululam a internet. Para os menos avisados: Isto já vem acontecendo há alguns anos com o fomento de pequenos jornais interioranos de pequenas tiragens, financiados com dinheiro público de estatais, que dão o contraponto num mesmo dialeto nos comentários para as informações noticiadas na grande imprensa.
    Começou tudo com a poetização do paraíso vivido pelos desassistidos das periferias das grandes cidades. Aquilo que se vê lá seria um céu na terra. Vieram os pequenos jornais. Veio a TV Brasil – esta que ninguém vê, mas que custa um dinheirão ao Estado – agora investem em emissoras de rádio, internet etc. E veja que curioso. A fonte de tais idéias é sempre a mesma…

  • O Sarrafo says:

    Melhor continuar vendo BBB e sendo manipulado, nâo?

Deixe seu comentário

contador free
nao basta

Webtiva.com // webdesign da Bahia

marmita mensal
janeiro 2012
D S T Q Q S S
« dez   fev »
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  


WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia