WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

:: 9/ago/2011 . 21:08

JOAQUIM BASTOS DEVE DISPUTAR PALÁCIO PARANAGUÁ PELO PC DO B

Postado por Editor em 9 de agosto de 2011 – 10:28 –  O Tabuleiro

Está confirmado: o reitor da Universidade Estadual de Santa Cruz ,Joaquim Bastos, tem mesmo interesse em disputar a prefeitura Municipal de Ilhéus. Informações chegadas a redação do O Tabuleiro dão conta que o PMDB e o PDT convidaram Joaquim,  e que o mesmo descartou as duas possibilidades. O primeiro pelo fato de não pertencer à base do governo Wagner, e o segundo porque não dar pra marchar com Fred Gedeon, presidente da legenda em Ilhéus.

Amigos mais próximos do reitor contam que Joaquim tem boa afinidade com o Partido Comunista. Os dirigentes do PC do B em Ilhéus já iniciaram os diálogos com o reitor, e se tudo der certo o Partido dos Trabalhadores poderá perder seu eterno aliado. Caso haja o entendimento será a primeira vez que o Partido Comunista terá um candidato a prefeito em Ilhéus.

IBAMA E VALEC ASSINAM TERMO PARA RETOMAR OBRAS DA OESTE-LESTE

Postado por Editor em 9 de agosto de 2011 – 17:38 –  O Tabuleiro

Um termo de compromisso, assinado nesta terça-feira (9), entre a Valec – Engenharia, Construções e Ferrovias e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) vai assegurar a restauração da licença de instalação para execução das obras da Ferrovia Oeste-Leste na Bahia.

O documento, que garante a efetivação dos Planos Básicos Ambientais (PBAs), foi apresentado durante reunião, segunda-feira (8), em Brasília, solicitada pela secretária da Casa Civil do Governo da Bahia, Eva Chiavon, com a participação da ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, do presidente do Ibama, Curt Trennepohl, e do coordenador de Licenciamento e Logística do Ibama, Eugênio Pio.

O cumprimento do programa é de responsabilidade da Valec e das empresas executoras, sendo a Casa Civil/BA responsável pelo seu monitoramento. O ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, se comprometeu com a secretária Eva Chiavon em assegurar a retomada das obras.

DEPUTADO GERALDO SIMÕES DENUNCIA SUCATEAMENTO DO PORTO DE ILHÉUS.

O deputado federal Geraldo Simões manifestou hoje (9), em pronunciamento no Congresso Nacional, sua preocupação com o sucateamento do Porto de Ilhéus, no litoral Sul da Bahia. Simões recebeu representantes de trabalhadores portuários de Ilhéus que me descreveram detalhadamente a situação e mostraram documentos encaminhados às autoridades portuárias, entre elas ao Ministro da Secretaria de Portos, o Dr. José Leônidas Cristiano. Eles questionam o descaso que a Companhia de Docas da Bahia (Codena) tem para o Conselho de Administração Portuária de Ilhéus, ao não seguir suas indicações referentes à manutenção e adequação do Porto.

O CAP aprovou, desde 1996 o Plano de Zoneamento Provisório do Porto de Ilhéus. Em 2000 aprovou o Plano de Zoneamento e em 2008 a proposta de Atualização do Plano de Zoneamento do Porto de Ilhéus e nada foi feito pela CODEBA. “Este descaso e o não cumprimento das normas do CAP caracterizam infração evidente à legislação portuária”, diz o deputado.

:: LEIA MAIS »

COMO OS TUCANOS PERDERAM AS PENAS.

Quando o PSDB – partido dos tucanos – foi fundado, veio com propostas interessantes.

Um ideário politico novo.

Um chamamento interessante:

– Ouvir a voz rouca das ruas.

Obtiveram um relativo sucesso.

Mas depois que começaram a fazer política de gabinete, e conchavos de bastidores, deu nisso.

Um tucano pelado, e um partido sem rumo!

ISTO É – A MULTIPLICAÇÃO DOS SINDICATOS.

ISTO É INDEPENDENTE

BRASIL |  N° Edição:  2178 |  05.Ago.11 – 21:00 |  Atualizado em 08.Ago.11 – 10:53

 Eles fabricam sindicatos

Ministério do Trabalho promove o milagre da multiplicação, criando uma nova entidade a cada dia, e documentos revelam um mercado negro das cartas sindicais

Claudio Dantas Sequeira

A trajetória do ex-jornaleiro Carlos Lupi, que virou presidente do PDT e ministro de Estado, é um exemplo do quanto a política e os movimentos sociais no Brasil são capazes de transformar a vida de um cidadão. Foi a disciplinada militância de Lupi nos partidos e nos sindicatos que consolidou seu caminho até o Ministério do Trabalho. E desde que assumiu a pasta, em 2007, Lupi, associado ao deputado federal Paulinho da Força (PDT), ainda teve fôlego para tornar-se personagem de um novo milagre: o da multiplicação de sindicatos. Em apenas três anos de sua gestão no Ministério, foram concedidos 1.457 registros sindicais e há outros 2.410 pedidos em trâmite na Secretaria de Relações do Trabalho.
Nos primeiros seis meses deste ano, o ministro autorizou o funcionamento de 182 entidades sindicais, tanto de trabalhadores como patronais. Ou seja, em média surge um novo sindicato a cada dia no Brasil. Em vez de alta produtividade associativa, no entanto, parece haver uma situação de descontrole total na concessão de registros, como indicam uma avalanche de impugnações por parte de sindicatos históricos e o acúmulo de processos na Justiça do Trabalho. Há sinais contundentes de que a fabricação de sindicatos, federações e confederações vem atendendo a interesses políticos e partidários, não apenas trabalhistas. Denúncias, recebidas por ISTOÉ, indicam inclusive a existência de um balcão de negócios por trás da concessão das cartas sindicais, que chegariam a custar R$ 150 mil no mercado negro da burocracia federal.

MILAGRE
O ministro Carlos Lupi e o deputado Paulinho da Força promovem a
multiplicação das entidades que disputam contribuições de trabalhadores

A presidente da Federação Nacional dos Terapeutas (Fenate), Adeilde Marques, relata um episódio definitivo para revelar o tratamento diferenciado que estaria ocorrendo na burocracia federal. Quem paga, segundo ela, vai para o topo da fila das concessões de cartas sindicais. Quem se recusa a entrar no esquema pode ficar esperando indefinidamente pelo registro. Ela conta que, ao buscar a regularização da entidade junto ao Ministério do Trabalho, em Brasília, foi encaminhada ao escritório do sindicalista Miguel Salaberry, ligado à Social Democracia Sindical, hoje a nova central UGT, União Geral dos Trabalhadores. “Me pediram R$ 5 mil para que a carta sindical saísse mais rápido”, afirma. Indignada, Adeilde pediu apoio da Força Sindical. Foi pior. Em conversa com o próprio presidente da central em Sergipe, Willian Roberto Cardoso Arditti, o “Roberto da Força”, Adeilde foi informada de que a carta sindical poderia custar até R$ 40 mil. “Eu me recusei a pagar”, garante.
Roberto da Força é o mesmo personagem que aparece em denúncia da presidente do Sindicato dos Servidores Municipais de Nossa Senhora do Socorro, Edjane Silveira. Ao Ministério Público Federal, ela disse que não quis pagar o pedágio e trocou a Força Sindical pela CUT. Em retaliação, Roberto criou, com aprovação do Ministério, um clone do sindicato de Edjane com um nome quase idêntico: o Sindicato dos Servidores do Município de Nossa Senhora do Socorro (Sindispub). No comando desse Sindispub clonado está Joanes Albuquerque de Lima, que também preside outros sindicatos locais da Força Sindical.

“Mesmo provando que o sindicato de Edjane já existia desde 2001, a Secretaria de Relações do Trabalho arquivou nosso processo de pedido de registro sindical”, reclama o advogado João Carvalho.
Há uma coleção de casos estranhos. Em São Paulo, o camelô José Artur Aguiar conseguiu fundar o Sindicato dos Trabalhadores em Casas Lotéricas, mesmo sem nunca ter trabalhado na atividade (o registro é contestado na Justiça). Em outro episódio, o Sindicato de Empresas de Desmanche de Veículos (Sindidesmanche), entidade patronal ligada à Força, ganhou sua carta sindical apesar de seus dirigentes – Mario Antonio Rolim, Ronaldo Torres, Antonio Fogaça e Vitorio Benvenuti – também comandarem, na outra ponta, uma entidade de trabalhadores, o Sintseve, que reúne inspetores técnicos em segurança veicular. O objetivo da multiplicação de entidades não é difícil de entender.

 

MANIFESTAÇÃO
Nesta semana, a Força Sindical reuniu 17 mil pessoas
em São Paulo para pedir redução da jornada de trabalho

Sindicalistas brigam para pôr as mãos na contribuição sindical dos trabalhadores. Só em 2010, R$ 1,2 bilhão foi arrecadado, sendo que 60% da bolada parou nos cofres dos sindicatos, 15% nas federações, 5% nas confederações e 10% nas centrais de trabalhadores. A criação de sindicatos clones é a maneira mais rápida de decidir a parada. Quando reconhece um novo sindicato, o Ministério do Trabalho fornece o código que permitirá à entidade ter acesso a uma conta-corrente na Caixa Econômica em que serão depositados os recursos do imposto sindical recolhido daquela categoria. Automaticamente, então, o novo sindicato passa a ser dono do cofre. O sindicalista Raimundo Miquilino da Cunha, presidente da Federação dos Trabalhadores no Comércio de Minérios e Derivados de Petróleo, tem um bom exemplo de como funciona a clonagem oficial de entidades. A federação comandada por ele, fundada há quase 30 anos, tem 24 sindicatos e representava cerca de 400 mil trabalhadores, a maioria frentistas. Este contingente acabou abocanhado pela Força Sindical a partir da criação de sindicatos estaduais de frentistas. A tarefa de multiplicação coube a Antonio Porcino, dirigente da Força e ex-prefeito de Itaporanga (PB). Ele criou o Sindicato dos Empregados em Postos de Serviço de Combustíveis e Derivados de Petróleo de São Paulo, depois ajudou a fundar sindicatos de frentistas em vários Estados, inclusive no Rio de Janeiro. “O Lupi participou da inauguração do sindicato dos frentistas no Rio antes que a certidão sindical fosse publicada no ‘Diário Oficial’ ”, acusa Miquilino da Cunha.
O esquema que permite a clonagem e o fatiamento de entidades sindicais começou em 2008, a partir da Portaria 186, que estabeleceu novas regras para o registro sindical. O texto tinha por princípio combater a unicidade sindical nas entidades de grau superior (federações e confederações), mas acabou retalhando o movimento sindical e servindo aos interesses da Força e do PDT. A Secretaria de Relações do Trabalho, responsável pela concessão das cartas sindicais, foi comandada até o ano passado por Luiz Antonio de Medeiros, que deixou o posto para concorrer nas eleições.
Mesmo fora da pasta, ele continua operando por intermédio da técnica Zilmara Alencar e de seu chefe de gabinete, o delegado aposentado Eudes Carneiro, que representa Lupi em reuniões sindicais e inaugurações de entidades. Carneiro é tesoureiro do Sindicato Nacional dos Delegados de Polícia Federal (Sindepol). Questionado por ISTOÉ, Lupi negou que haja interferência política na liberação dos registros. “O papel do ministério é de mediação”, diz ele. Na opinião do ministro, a Portaria 186 “democratizou” o movimento sindical. Não é o que pensam outros históricos sindicalistas como o ex-governador gaúcho Olívio Dutra. Para ele, a política de Lupi não passa de um “democratismo sindical”, que estaria “estilhaçando a representação dos trabalhadores e favorecendo barbaridades”. Dutra alerta: “São gangues que se apropriam dos recursos do trabalhador.”

MÁRIO ALEXANDRE É O CANDIDATO DE NEWTON LIMA.

Mário Alexandre na abertura do PlaneHab. Foto: Clodoaldo Ribeiro.

O que todos sabiam, agora se confirma.

Mario Alexandre já substitui o Prefeito Newton Lima em todos os eventos oficiais.

Dizem, estar em treinamento para a continuação do Governo.

NOVA ESTRUTURA EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA MUNICIPAL. (a pedidos)

Abafa o caso.

 

Numa cidade do sul da Bahia, foi criado um novo tipo de atividade, que poderia ser nominada de Secretaria Municipal do Abafa.

Tem sido até agora um modelo de administração, sucesso absoluto em eficiência.

Abafa tudo, abafa auditoria, abafa sindicância, abafa relatório, abafa dossiê, abafa parecer, abafa denúncia, abafa investigação.

Só não abafa a língua do povo.

AS OPERAÇÕES DA POLÍCIA FEDERAL.

Sou admirador da nova e moderna Polícia Federal, e isso já foi explicitado aqui nesse blog por diversas vezes.

Até entendo a demora na apuração da operação Vassoura de Bruxa pela sua extensão.

Agora, quanto a operação SUSto, em Ilhéus, espero que seja dada a mesma publicidade dos resultados quanto foi dada na sua execução.

Que seja mostrado a população os seus resultados, e que as clínicas que não têm convenio com o SUS, e que prestam serviços aos conveniados mediante uma ‘taxa’, a meu ver, estão prestando um serviço particular ao conveniado, que não pode ou não quer esperar pela ‘regulação’ do SUS.

O que é bem diferente de cobrar ‘taxas’ para executar serviços pelos quais já são ressarcidos pelo sistema, ou para furar fila em hospitais públicos, ou ainda para obter outros benefícios que não sejam os pecuniários.

Isto quando é feito por funcionário público, incorre o mesmo nos crimes de ‘CONCUSSÃO’,  ou ‘PREVARICAÇÃO’, ou ainda em ambos.

:: LEIA MAIS »

contador free


Webtiva.com // webdesign da Bahia

agosto 2011
D S T Q Q S S
« jul   set »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  


WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia